Livros de Simone Weil

Sobre o Autor

Simone Weil

Simone Weil (3 de fevereiro de 1909 - 24 de agosto de 1943), filósofa francesa.

Melhores Livros de Simone Weil

A dor é a origem do conhecimento.

Jesus quer que a verdade seja preferida a Ele porque antes de ser Cristo Ele é a verdade. Se alguém se distancia dele para ir a verdade, não dará muitos passos sem cair sem seus braços.

A violência às vezes é necessária, mas a meus olhos não há grandeza senão na doçura

Criar raízes quiçá seja a necessidade mais importante da alma humana. É uma das mais difíceis de se definir (...)

A amizade não se busca, não se sonha, não se deseja; ela exerce-se (é uma virtude).

De entre os seres humanos, apenas conhecemos completamente a existência daqueles a quem amamos.

Magoar alguém é transferir para outrém a degradação que temos em nós.

A alegria é a nossa evasão do tempo.

Nada no mundo pode impedir o homem de se sentir nascido para a liberdade. Jamais, aconteça o que acontecer, ele pode aceitar a servidão: pois ele pensa.

A religião como fonte de consolação é um obstáculo à verdadeira fé; nesse sentido, o ateísmo é uma purificação.

O inferno é darmo-nos conta de que não existimos e não nos conformamos com isso.

Dinheiro, maquinaria, álgebra: os três monstros da atual civilização.

A pureza é a capacidade de contemplar a mácula.

Deus só pode estar presente na criação sob a forma de ausência.

Pensa-se hoje na revolução, não como maneira de se solucionarem problemas postos pela actualidade, mas como um milagre que nos dispensa de resolver problemas.

O bem é aquilo que dá maior realidade aos seres e às coisas; o mal é aquilo que disso os priva.

Quanto mais o nível da técnica aumenta, mais as vantagens que os novos progressos podem trazer diminuem em relação aos inconvenientes.

A beleza é a harmonia entre o acaso e o bem.

A álgebra e o dinheiro são essencialmente niveladores; o primeiro intelectualmente, o segundo efectivamente.