Livros de Plauto

Sobre o Autor

Plauto

Plauto ou Titus Maccius Plautus, dramaturgo da República Romana, viveu por volta dos anos de 230 a.C. e 180 a.C.

Melhores Livros de Plauto

Homo homini lupus. (O homem é o lobo do homem)

Quem não sabe por que caminho chegará ao mar, deve tomar o rio por companheiro.

Para a mercadoria de venda difícil é preciso que se atraia o comprador; mercadoria boa facilmente encontra comprador.

A curiosidade está sempre acompanhada pela maledicência.

A mulher tem bom perfume quando não tem perfume algum.

Inimigo é o amigo tardio.

Só um e apertado é o caminho da virtude.

Não existe hóspede, por mais amigo que seja de quem o recebe, / que não comece a incomodar depois de três dias.

Aquele que apenas pensa nos deveres a cumprir quando lhos recordam, não é digno da menor estima.

O que não se espera acontece com mais frequência do que o que se espera.

Quando presto algum serviço a um amigo ou lhe zelo os interesses, não há motivo para que me louvem; pois creio que apenas pratiquei um ato indigno de censura.

Não morre aquele que pela virtude perece.

Quem ganhar dinheiro com rapidez, se com rapidez não o guardar, com rapidez passará fome.

A boa intenção reconhecida em uma má ação reduz o mal pela metade.

Nada existe de mais miserável que o espírito do homem que está consciente do mal que faz.