Livros de Michel de Montaigne

Não podendo regularizar os outros, regularizo-me a mim mesmo.

Sobre o Autor

Michel de Montaigne

Michel Eyquem de Montaigne (28 de Fevereiro de 1533, château de Montaigne, no Périgord - 13 de Setembro de 1592, no mesmo lugar), escritor e ensaista francês, considerado por muitos como o inventor do ensaio pessoal.

Melhores Livros de Michel de Montaigne

Mais frases de Michel de Montaigne

Do mesmo papel em que lavrou a sentença contra um adúltero, o juiz rasgará um pedaço para nele escrever umas linhas amorosas à esposa de um colega.

Saber de cor não é saber: é conservar aquilo que se deu a guardar à memória.

É uma perfeição absoluta, como que divina, o sabermos desfrutar lealmente do nosso ser.

O lucro do nosso estudo é tornarmo-nos melhores e mais sábios.

Uma fealdade e uma velhice confessada são, a meu ver, menos velhas e menos feias do que outras disfarçadas e esticadas.

Quando puder ser temido, ainda mais me quero fazer amar.

Não podendo regularizar os outros, regularizo-me a mim mesmo.

Os que têm tentado reformar os costumes do mundo, no meu tempo, com opiniões novas, reformam os vícios da aparência; quanto aos da essência, deixam-nos intactos, quando não os aumentam.

Parece, na verdade, que nós nos servimos das nossas orações como de um jargão e como aqueles que empregam as palavras santas e divinas em feitiçarias e em efeitos de magia.

Poucos homens foram admirados pelos seus criados.

Se eu fosse um fabricante de livros, faria um registo comentado das diversas mortes. Quem ensinasse os homens a morrer, ensiná-los-ia a viver.

Abandonar a vida por um sonho é estimá-la exactamente por quanto ela vale.

A mais honrosa das ocupações é servir o público e ser útil ao maior número de pessoas.

A velhice faz-nos mais rugas no espírito do que na cara.

Desejaria que houvesse o cuidado de lhe escolher [à criança] um condutor [preceptor] que antes tivesse a cabeça bem feita do que muito cheia.

O silêncio, tal como a modéstia, ajuda muito numa conversação.

Proibir algo é despertar o desejo.

Não há menos tormento no governo de uma família do que no de um Estado inteiro.

Ninguém está livre de dizer tolices; o imperdoável é dizê-las solenemente.

Casamento: Dá-se com eles o que se dá com as gaiolas: os pássaros que estão fora querem entrar nelas desesperadamente; e os que estão dentro, mostram a mesma ânsia em sair.

Odeio esse acidental arrependimento que vem com a idade.

A natureza é um doce guia, mas não mais doce do que prudente e justa.

As mulheres coram por ouvirem falar daquilo que não receiam de modo algum fazer.

Os livros têm-me servido menos de instrução que de exercício.

Nada há de mais belo e legítimo do que o homem fazer o bem e como deve ser, nem ciência tão difícil do que saber viver esta vida bem e naturalmente; e, de todas as nossas doenças, a mais terrível é desprezar o próprio ser.

A covardia é a mãe da crueldade.

Para os cristãos, encontrar algo inacreditável é uma bela ocasião para acreditar.

Mesmo no mais alto trono do mundo estamos sempre sentados sobre o nosso rabo.

Caso não ponha fim à guerra, esta não será uma vitória.

Nada parece verdadeiro que não possa parecer falso.

É uma perfeição absoluta, dir-se-ia divina, sabermos desfrutar lealmente do nosso ser.

A minha opinião é que nós temos de nos emprestar aos outros, mas apenas nos darmos a nós mesmos.

Um leitor inteligente descobre frequentemente nos escritos alheios perfeições outras que as que neles foram postas e percebidas pelo autor, e empresta-lhes sentidos e aspectos mais ricos.

Na verdade, o cuidado e a despesa dos nossos pais visam apenas enriquecer as nossas cabeças com ciência; quanto ao juízo e à virtude, as novidades são poucas.

Nós apenas trabalhamos para encher a memória e deixamos o entendimento e a consciência vazios.

Não há paixão que abale tanto a sinceridade dos juízos como a cólera.

Temos na filosofia uma medicina muito agradável, pois, nas outras, sentimos o bem-estar apenas depois da cura; esta faz bem e cura ao mesmo tempo.

Qualquer que seja a aparência da novidade, eu não mudo facilmente, com medo de perder com a troca.

A mais útil e honrosa ciência e ocupação da mulher é a ciência dos cuidados domésticos.

A nossa grande e gloriosa obra-prima é viver a propósito.

Afinal de contas, atribui-se preço bem alto às suas conjecturas quando se cozinha um homem vivo por causa delas.

Se o vosso médico não acha bom que durmais, que useis vinho ou tal carne, não vos preocupeis: encontrar-vos-ei outro que não será da opinião dele.

O arqueiro que ultrapassa o alvo falha tanto como aquele que não o alcança.

A ignorância que se conhece, se julga e se condena não é uma ignorância completa: para que o seja, é preciso que se ignore a si mesma.

Quando me contrariam, despertam-me a atenção, não a cólera: aproximo-me de quem me contradiz e instrui.

O nosso maior prazer neste mundo são os pensamentos agradáveis.

Faço dizer aos outros aquilo que não posso dizer tão bem, quer por debilidade da minha linguagem, quer por fraqueza dos meus sentidos.

Uma das maiores subtilezas da arte militar é nunca levar o inimigo ao desespero.

A alma que abriga a filosofia deve, para a sua saúde, tornar o corpo são.

A virtude é coisa deveras inútil e frívola, caso apenas tenha a recomendá-la a glória.

Nunca devemos dizer tudo, pois seria tolice; mas é indispensável que aquilo que se diz corresponda ao nosso pensamento; de contrário, é maldade.

A mais subtil loucura é feita da mais subtil sensatez.

A verdadeira liberdade é podermos tudo por nós.

As leis mantêm-se em vigor não por serem justas, mas por serem leis.

Não se corrige aquele que se enforca, corrigem-se outros através dele.

Os hábitos são a vitória do tempo sobre a vontade.

A morte é de fato o fim, no entanto não é a finalidade da vida.

A sabedoria tem os seus excessos e não é menos necessário moderá-la do que à loucura.

Quem teme o sofrimento sofre já aquilo que teme.

Aquele que castiga quando está irritado, não corrige, vinga-se.

Quem viu jamais um médico aproveitar a receita do colega sem lhe tirar ou acrescentar alguma coisa?

Por mim, teria evitado casar até mesmo com a sabedoria, caso ela me quisesse.

Embora possamos ser sábios do saber alheio, sensatos só poderíamos sê-lo graças à nossa própria sensatez.

Pode-se ter saudades dos tempos bons mas não se deve fugir ao presente.

Preocupa-nos mais que falem de nós, do que a maneira como falam.

É um gládio perigoso o espírito, mesmo para o seu possuidor, se não sabe armar-se com ele de uma maneira ordenada e discreta.

A felicidade está em usufruir e não apenas em possuir.

Ensinam-nos a viver quando a vida já passou.

Quem deseja diminuir a sua ignorância deve, em primeiro lugar, confessá-la.

Todos os dias vão em direção à morte, o último chega a ela.

Viver é o meu trabalho e a minha arte.

A alma dos imperadores e dos sapateiros são tiradas do mesmo molde.

Apenas pelas palavras o ser humano alcança a compreensão mútua. Por isso, aquele que quebra sua palavra atraiçoa toda a sociedade humana.

A filosofia não passa de uma poesia sofisticada.

Se não posso regular os acontecimentos, regulo a mim mesmo.

Chorarmos por daqui a cem anos não estarmos vivos é loucura semelhante à de chorarmos por não termos vivido há cem anos.

Ninguém determina do princípio ao fim o caminho que pretende seguir na vida; só nos decidimos por trechos, na medida em que vamos avançando.

“De todas as enfermidades que acometem o espírito, o ciúme é aquela a qual tudo serve de alimento e nada serve de remédio.”

“Se me obrigassem a dizer porque o amava, sinto que a minha única resposta seria: Porque era ele, Porque era eu.”

O sinal mais seguro da sabedoria é a constante serenidade.

Podemos ser instruídos com o conhecimento de outro, mas não podemos ser sábios com a sabedoria de outro.

Uma pessoa pode ser humilde por orgulho.

Não existe conversa mais tediosa do que aquela onde todos concordam.

Existem algumas derrotas mais triunfantes que vitórias.

O homem que teme o sofrimento já está sofrendo pelo que teme.

A palavra é metade de quem a pronuncia e metade de quem a ouve.

A única coisa bem distribuída no mundo é o bom-senso. Tanto isso é verdade, que todos acreditam que já têm o suficiente.

O homem se entrega por inteiro e pela imaginação às coisas que não tem e que não conhece, nelas concentrando seu desejo e sua esperança.

As palavras pertecem metade a que fala, metade a quem ouve

Nossa maneira habitual de fazer está em seguir os nossos impulsos instintivos para a direita ou para a esquerda, para cima ou para baixo, segundo as circunstâncias. Só pensamos no que queremos no próprio instante em que o queremos, e mudamos de vontade como muda de cor o camaleão.