Livros de Jonathan Swift

Sobre o Autor

Jonathan Swift

Jonathan Swift (30 de novembro de 1667 - 19 de outubro de 1745); era um escritor irlandês.

Melhores Livros de Jonathan Swift

Poucos são os que vivem no presente: a maioria se prepara para viver mais tarde.

Poucos são os que vivem no presente: a maioria se prepara para viver mais tarde.

A felicidade é a posse perpétua da condição de estar bem enganado, o estado pacífico e sereno de ser um tolo entre canalhas.

Todos desejam viver muito tempo, mas ninguém quer ser velho. Incrível, não?!

Quando aparecer no mundo um gênio de verdade será reconhecido com facilidade, poi todos se unirão contra ele.

Por vezes a ambição faz aceitar as funções mais baixas; é assim que se sobe, na mesma postura em que se desce..

Como é possível esperar que a humanidade ouça conselhos, se nem sequer ouve as advertências.

Todos desejam viver muito tempo, mas ninguém quer ser velho.

Este método estóico de prover as nossas necessidades suprimindo os nossos desejos é como cortar os pés quando necessitamos de sapatos.

São poucos os que vivem o presente; a maioria aguarda para viver mais tarde.

Esse método estóico de bastar às nossas necessidades suprimindo os nossos desejos equivale a cortarmos os pés para já não precisarmos de calçado.

Confessar que se errou, é provar modestamente que nos tornámos mais razoáveis.

Deixarmo-nos dominar pela cólera, equivale a sofrermos como justos o castigo reservado ao pecador.

Nós temos a religião suficiente para nos odiarmos, mas não a que baste para nos amarmos uns aos outros.

Nada é constante neste mundo senão a inconstância.

Queres perder um inimigo? Adula-o.

Um homem nunca deveria ter vergonha de confessar que errou, pois na verdade é como dizer, por outras palavras, que hoje ele é mais sábio do que foi ontem.

O método estóico de enfrentar as necessidades suprimindo os desejos equivale a cortar os pés para não precisar de sapatos.

A discussão, da forma como habitualmente é gerida, é o pior desporto da conversa, tal como nos livros é geralmente o pior tipo de leitura.

Uma razão fútil diminui o peso das boas razões que antes se tinha apresentado.

Quando um verdadeiro génio se mostra ao mundo reconhece-se logo da seguinte maneira: todos os idiotas se juntam e conspiram contra ele.

No homem, o desejo gera o amor. Na mulher, o amor gera o desejo.