Livros de Cassia Eller

Deixo a tristeza e trago a esperança em seu lugar Que o nosso amor pra sempre viva, minha dádiva.

Sobre o Autor

Cassia Eller

Cássia Eller foi uma cantora do rock brasileiro, que fez um grande sucesso nos anos 90. Foi uma cantora de grandes polêmicas durante sua trajetória, e era homossexual assumida.

Melhores Livros de Cassia Eller

Mais frases de Cassia Eller

Estranho seria se eu não me apaixonasse por você.

Quem sabe a vida é não sonhar.

Quero poder jurar que essa paixão jamais será palavras apenas , palavras pequenas , palavras ao vento .

Mudaram as estações, nada mudou, mas eu sei que alguma coisa aconteceu, está tudo assim tão diferente...

Mesmo com tantos motivos pra deixar tudo como está. Nem desistir, nem tentar agora tanto faz, estamos indo de volta pra casa...

Ja que não me entendes. . . não me julgues, não me tentes. [Primeiro de Julho]

Eu só peço a Deus Um pouco de malandragem Pois sou criança E não conheço a verdade Eu sou poeta E não aprendi a amar...

Mas nada vai conseguir mudar o que ficou Quando penso em alguém só penso em você E aí, então, estamos bem.

“O que a gente gosta, a gente guarda. Quem ama a gente, a gente cuida. E pro resto a gente mostra a língua.

Mas sou minha, só minha e não de quem quiser.

Sou um poeta E não aprendi a amar..

Mas nada vai conseguir mudar o que ficou.

Mesmo com tantos motivos pra deixar tudo como está.

Deixo a tristeza e trago a esperança em seu lugar Que o nosso amor pra sempre viva, minha dádiva.

O que a gente gosta, a gente guarda. Quem ama a gente, a gente cuida. E pro resto a gente mostra a língua.

Estranho mas já me sinto como um velho amigo seu

Para aprender tem que cair.

Quem sabe ainda sou uma garotinha...

Ando por ai, querendo te encontrar em cada esquina paro em cada olhar, deixo a tristeza e trago a esperança em seu lugar. Que o nosso amor pra sempre viva, minha dádiva quero poder jurar que essa paixão jamais será; Palavras apenas palavras pequenas palavras ao vento.

Toda vez que eu digo adeus Toda vez Que eu digo adeus Eu quase morro Toda vez Que eu digo adeus Aos deuses eu me curvo Nenhum deus contudo Parece me ouvir Eles vêem tudo E te deixam partir Quando estas A só um mar de flor em volta Sabiás de algum lugar Cantam o amor em volta Não há som melhor Mas seu tom maior se torna menor Toda vez que eu digo adeus Toda vez que eu te digo adeus

Por enquanto Mudaram as estações Nada mudou Mas eu sei que Alguma coisa aconteceu Está tudo assim Tão diferente... Se lembra quando a gente Chegou um dia a acreditar Que tudo era pra sempre Sem saber Que o pra sempre Sempre acaba... Mas nada vai Conseguir mudar O que ficou Quando penso em alguém Só penso em você E aí, então, estamos bem... Mesmo com tantos motivos Pra deixar tudo como está Nem desistir, nem tentar Agora tanto faz Estamos indo De volta pra casa...

Mudaram as estações nada mudou Mas eu sei que alguma coisa aconteceu Tá tudo assim, tão diferente Se lembra quando a gente chegou um dia a acreditar Que tudo era pra sempre sem saber que o pra sempre sempre acaba Mas nada vai conseguir mudar o que ficou Quando penso em alguém só penso em você E aí, então, estamos bem Mesmo com tantos motivos pra deixar tudo como está Nem desistir, nem tentar, agora tanto faz... Estamos indo de volta pra casa Mesmo com tantos motivos pra deixar tudo como está Nem desistir, nem tentar, agora tanto faz... Estamos indo de volta pra casa Mudaram as estações, nada mudou Mas eu sei que alguma coisa aconteceu Tá tudo assim, tão diferente Se lembra quando a gente chegou um dia a acreditar Que tudo era pra sempre sem saber que o pra sempre sempre acaba Mas nada vai conseguir mudar o que ficou Quando eu penso em alguém só penso em você E aí, então, estamos bem Mesmo com tantos motivos pra deixar tudo como está Nem desistir, nem tentar, agora tanto faz... estamos indo de volta pra casa

Mal nenhum Nunca viram ninguém triste Por que não me deixam em paz? As guerras são todas tão tristes E não têm nada demais Me deixem bicho acuado Por um inimigo imaginário A correr atrás dos carros Feito um cachorro otário Me deixem,ataque equivocado Por um falso alarme Quebrando objetos inúteis Como quem leva uma porrada Me deixem esmurrar e amolar a faca Cega, cega da paixão E dar tiros a esmo ferindo sempre o mesmo Cego coração Por isso Não escondam suas crianças Nem me chamem o síndico Não me chamem a polícia,não Não me chamem o hospício Eu não posso causar mal nenhum A não ser a mim mesmo A não ser a mim (2x) Mal nenhum A correr atrás dos carros Mal nenhum A não ser a mim mesmo Eu não posso causar mal nenhum A não ser a mim mesmo A não ser a mim

Mudaram as estações, nada mudou Mas eu sei que alguma coisa aconteceu Tá tudo assim tão diferente Se lembra quando a gente chegou um dia a acreditar Que tudo era pra sempre Sem saber, que o pra sempre, sempre acaba