Livros de Blaise Pascal

Quando a paixão nos domina esquecemos o dever.

Sobre o Autor

Blaise Pascal

Blaise Pascal . (Clermont-Ferrand, Puy-de-Dôme, 19 de Junho de 1623 - Paris, 19 de Agosto de 1662). Filósofo, físico, matemático e escritor francês.

Melhores Livros de Blaise Pascal

Mais frases de Blaise Pascal

A justiça sem a força é impotente, a força sem justiça é tirana.

A verdadeira moral não se preocupa com a moral: quer isto dizer que a moral do juízo não se importa nada com a moral do espírito - que não tem regras.

A imaginação tem todos os poderes: ela faz a beleza, a justiça, e a felicidade, que são os maiores poderes do mundo.

A maior fraqueza do homem é poder tão pouco por aqueles que ama.

A razão manda em nós muito mais imperiosamente do que um senhor; é que, desobedecendo a um, é-se infeliz, desobedecendo a outro, é-se tolo.

Nunca se ama alguém mas somente as qualidades.

Agrada-nos repousar em sociedade com os nossos semelhantes: miseráveis como nós, impotentes como nós, eles não nos ajudarão; morreremos sozinhos.

A grandeza do homem está em ele se reconhecer como miserável. Uma árvore não se dá conta da sua miséria.

O prazer dos grandes homens consiste em poder tornar os outros felizes.

O homem não é nem anjo nem animal, e a infelicidade exige que quem pretende fazer de anjo faça de besta.

Poucas amizades subsistiriam se cada um soubesse aquilo que o amigo diz de si nas suas costas.

O que é o homem na natureza? Um nada em relação ao infinito, um tudo em relação ao nada, um ponto a meio entre nada e tudo.

Todos os homens, sem excepção, procuram ser felizes. Embora por meios diferentes, tendem todos para este fim.

A própria moda e os países determinam aquilo a que se chama beleza.

Nada há de bom nesta vida salvo a esperança de uma outra vida.

O homem é feito visivelmente para pensar; é toda a sua dignidade e todo o seu mérito; e todo o seu dever é pensar bem.

Ao ver um estilo natural, ficamos surpreendidos e encantados, pois esperávamos ver um autor, e encontramos um homem.

A opinião é a rainha do mundo.

Desejais que vos tenham em boa conta? Nada de o dizer!

A natureza tem perfeições que mostram que é a imagem de Deus, e defeitos que mostram que é apenas a imagem.

Corremos alegres para o precipício, quando pomos pela frente algo que nos impeça de o ver.

O último esforço da razão é reconhecer que existe uma infinidade de coisas que a ultrapassam.

Quando considero a duração mínima da minha vida, absorvida pela eternidade precedente e seguinte, o espaço diminuto que ocupo, e mesmo o que vejo, abismado na infinita imensidade dos espaços que ignoro e me ignoram, assusto-me e assombro-me de me ver aqui e não lá. Quem me pôs aqui? Por ordem de quem me foram destinados este lugar e este espaço?.

Uma vez que não podemos ser universais e saber tudo quanto se pode saber acerca de tudo, é preciso saber-se um pouco de tudo, pois é muito melhor saber-se alguma coisa de tudo do que saber-se tudo apenas de uma coisa.

Deixemos um rei sozinho, sem nenhuma satisfação dos sentidos, sem nenhuma preocupação do espírito, sem companhia, a pensar apenas em si mesmo; e ver-se-á que um rei sem divertimentos é um homem muito desgraçado.

Numa grande alma, tudo é grande.

Esta covardia mole e tímida que não deixa nem ver, nem seguir a verdade.

É falso que sejamos dignos de que os outros nos amem. E é injusto que o queiramos.

É indispensável conhecermo-nos a nós próprios; mesmo se isso não bastasse para encontrarmos a verdade, seria útil, ao menos para regularmos a vida, e nada há de mais justo.

Quando descobrimos um estilo natural, ficamos espantados e satisfeitos, pois esperávamos um autor e encontramos um ser humano.

Posso nunca ter sido (...), por conseguinte não sou um ser necessário.

Não sendo possível fazer-se com que aquilo que é justo seja forte, faz-se com que o que é forte seja justo.

Condição do homem: inconstância, tédio, inquietação.

Quando a paixão nos domina esquecemos o dever.

O coração tem razões que a razão ignora.

Uma indiferença pacífica é a mais sábia das virtudes.

Quando estamos de boa saúde, admiramo-nos de como seria possível estarmos doentes; quando isso acontece, medicamo-nos alegremente.

O hábito é uma segunda natureza que anula a primeira.

Apenas acredito nas histórias cujas testemunhas estivessem dispostas a deixar-se degolar.

Tudo o que é incompreensível, não deixa de o ser.

Somos tão presunçosos que desejaríamos ser conhecidos em todo o mundo... E tão vaidosos que a estima de cinco ou seis pessoas que nos rodeiam, nos alegra e nos satisfaz.

A coisa mais importante para toda a vida é a escolha da profissão: quanto a isso, só o acaso dispõe.

Todas as boas máximas se encontram no mundo: só falhamos ao aplicá-las.

O amor é cego, a amizade fecha os olhos.

Duas coisas instruem o homem, qualquer que seja a sua natureza: o instinto e a experiência.

Todas as ocupações dos homens tendem à posse de alguma coisa; e eles não têm nem título para a possuir justamente nem força para a possuir com segurança.

A natureza detesta o vazio.

Eloquência positiva é aquele que persuade com doçura, não com violência, ou seja, como um rei, não como um tirano.

Pensar faz a grandeza do homem.

O homem nasceu para o prazer: ele sente-o e não precisa de mais provas. Ele segue assim a razão, entregando-se ao prazer.

A razão, por mais que grite, não pode negar que a imaginação estabeleceu no homem uma segunda natureza.

Corremos sem preocupação para um precipício, após termos posto uma venda para o não poder ver.

Os olhos são os intérpretes do coração, mas só os interessados entendem essa linguagem.

A nossa dignidade consiste no pensamento. Procuremos pois pensar bem. Nisto reside o princípio da moral.

Há duas espécies de homens: uns, justos, que se consideram pecadores, e os pecadores que se consideram justos.

O amor não tem idade; está sempre a nascer.

Fazer troça da filosofia, é, na verdade, filosofar.

Há duas espécies de homens: os justos, que se julgam pecadores e os pecadores que se crêem justos.

Dois excessos: excluir a razão, admitir apenas a razão.

Se o nariz de Cleópatra tivesse sido mais pequeno, toda a face da Terra teria mudado.

À medida que vamos tendo mais espírito, achamos que há mais homens originais. As pessoas vulgares não fazem distinções entre os homens.

Normalmente, convencem-nos com mais facilidade as razões que nós próprios encontramos do que as que vieram ao espírito dos outros.

À força de falarmos de amor, apaixonamo-nos.

A nossa natureza consiste em movimento; o repouso completo é a morte.

As paixões, quando mandam em nós, são vícios.

A arte de persuadir consiste tanto mais em agradar do que em convencer, quanto os homens se guiam mais pelo capricho do que pela razão.

Para mim é um fato que, se todos os homens soubessem o que os outros dizem deles, não haveria quatro amigos no mundo. Isto resulta das contendas, que referências indiscretas ocasionalmente originam.

É o coração que sente Deus e não a razão.

Em matéria de amor, o silêncio vale mais do que a fala.

Não há nada de justo ou de injusto que não mude de qualidade ao mudar de clima.

Nem a contradição é sinal de falsidade nem a falta de contradição é sinal de verdade.

As alegrias passageiras encobrem os males eternos que elas próprias causam.

O silêncio é o maior dos martírios; nunca os santos se calaram.

Quando se vê o estilo natural (do escritor), é-se assombrado e arrebatado, pois esperava-se ver um autor e encontra-se um homem.

Pesemos o lucro e a perda tomando por coroa (no jogo de cara ou coroa) que Deus existe. Avaliemos estes dois casos: se vencerdes, ganhais tudo; se perderdes, não perdeis nada. Apostai, portanto, que ele existe, sem hesitar.

É uma doença natural no homem acreditar que possui a verdade.

A moral é a ciência por excelência; é a arte de ser feliz.

A consciência é o melhor livro de moral e o que menos se consulta.

Aquele que sem autoridade mata um criminoso, torna-se tão criminoso como este.

Não podendo fazer que se fosse obrigado a obedecer à justiça, fizeram que fosse justo obedecer à força.

O aumento do conhecimento é como uma esfera dilatando-se no espaço: quanto maior a nossa compreensão, maior o nosso contacto com o desconhecido.

Tudo o que é incompreensível, nem por isso deixa de existir.

A grandeza de uma pessoa está em saber reconhecer sua própria pequenez.

O aumento do conhecimento é como uma esfera dilatando-se no espaço: quanto maior a nossa compreensão, maior o nosso contato com o desconhecido.

O afeto ou o ódio mudam a face da justiça.

Quase que invariavelmente as pessoas formam suas crenças não baseadas nas provas, mas naquilo que elas acham.

O ser humano é o mais fraco objeto do mundo, mas é um objeto que pensa.

A maior parte dos problemas do homem decorre de sua incapacidade de ficar calado.

E assim é o ser humano: tão vazio que se preenche com qualquer coisa, por mais insignificante que seja.

A falsa humildade é puro orgulho.

A verdade se chega não só pela razão, mas também pelo coração!

O melhor livro de moral é a nossa consciência. Temos que consultá-lo muito frequentemente.

Os homens jamais fazem o mal tão completamente e com tanta alegria como quando o fazem a partir de uma convicção religiosa.

Ninguém é tão ignorante que não tenha algo a ensinar. Ninguém é tão sábio que não tenha algo a aprender.

Ninguem é tão sábio que não tenha algo pra aprender e nem tão tolo que não tenha algo pra ensinar

O último ato é sangrento, por mais suave que seja a peça.

Há um vazio no formato de Deus no coração de todo homem.

Todos os homens buscam a felicidade. E não há exceção. Independentemente dos diversos meios que empregam, o fim é o mesmo. O que leva um homem a lançar-se à guerra e outros a evitá-la é o mesmo desejo, embora revestido de visões diferentes. O desejo só dá o último passo com este fim. É isto que motiva as ações de todos os homens, mesmo dos que tiram a própria vida.

Não é no espaço que devo procurar minha dignidade humana, mas na organização do meu pensamento. Não me fará bem possuir terras. Pelo espaço o Universo me agarra e me engole como uma partícula; pelo pensamento sou eu que o agarro.

Os homens têm um instinto secreto, que os leva a procurar divertimentos e ocupações exteriores, nascido do ressentimento de suas contínuas misérias; e têm outro instinto secreto, resto da grandeza de nossa primeira natureza, que os faz conhecer que a felicidade só está, de fato, no repouso, e não no tumulto; e desses dois instintos contrários, forma-se neles um projeto confuso, que os leva a procurar o repouso pela agitação... E assim se passa toda a vida.

A virtude de uma pessoa mede-se não por ações excepcionais, mas pelos hábitos cotidianos.

“……O CORAÇÃO TEM RAZÕES QUE A PRÓPRIA RAZÃO DESCONHECE……

Quanto mais inteligente um homem é mais originalidade encontra nos outros. Os medíocres acham toda a gente igual.

Não tenho vergonha de mudar de idéia, porque não tenho vergonha de pensar.

Uma gota de amor é mais que um oceano de intelecto.

Deus tem dado provas suficientes para aqueles com uma mente aberta e coração aberto mas que são suficientemente vagos para não obrigar aqueles cujos corações estão fechados.

Nossa natureza está no movimento; o inteiro repouso é a morte.

O pensamento faz a grandeza do homem

Deus fez o homem à sua imagem e semelhança, e o homem retribuiu a gentileza

Nao me envergonho de mudar de ideia pq nao me envergonho de pensar

Não me envergonho de mudar de opinião, porque não me envergonho de pensar.

A falsa humildade é puro orgulho.

Quanto mais inteligente a pessoa é, mais pessoas originais ele acha. Gente medíocre não vê diferença entre as pessoas.

O homem não passa de um caniço, o mais fraco da natureza, mas é um caniço pensante. Não é preciso que o universo inteiro se arme para esmagá-lo: um vapor, uma gota de água, bastam para matá-lo. Mas, mesmo que o universo o esmagasse, o homem seria mais nobre do porque quem o mata, porque sabe que morre e a vantagem que o universo tem sobre ele; o universo desconhece tudo isso.