Sobre o Autor

Voltaire

Voltaire, pseudónimo de François-Marie Arouet (Paris, 21 de Novembro de 1694 - 30 de Maio de 1778), foi um poeta, ensaísta, dramaturgo, filósofo e historiador iluminista francês. Ele defendia a liberdade de ser e pensar diferente.

A educação desenvolve as faculdades, mas não as cria.

Uma conduta irrepreensível consiste em manter cada um a sua dignidade sem prejudicar a liberdade alheia.

Se queres conversar comigo, define primeiro os termos que usas.

O interesse que tenho em acreditar numa coisa não é a prova da existência dessa coisa.

Quando o populacho se põe a reflectir, tudo está perdido.

Quando mais envelhecemos, mais precisamos de ter que fazer. Mais vale morrer do que arrastarmos na ociosidade uma velhice insípida: trabalhar é viver.

Um general vitorioso nunca cometeu erros aos olhos do público, ao passo que um general vencido só fez asneiras, por mais sensato que tenha sido o seu procedimento.

O mais feliz passa por ser o maior, e o público atribui muitas vezes ao mérito todos os êxitos da sorte.

De todas as doenças do espírito humano, a fúria de dominar é a mais terrível.

As grandes coisas são muitas vezes mais fáceis do que aquilo que se pensa.

Todo o divórcio começa mais ou menos ao mesmo tempo que o casamento. O casamento talvez comece algumas semanas mais cedo.

Deus é um comediante a atuar para uma plateia assustada de mais para rir.

Deixem-se considerações aos vivos; aos mortos deve-se apenas a verdade.

Todo o homem é culpado do bem que não fez.

O segredo de aborrecer é dizer tudo.

A espécie humana é a única que sabe que tem de morrer.

Teria maior confiança no desempenho de um homem que espera ter uma grande recompensa do que no daquele que já a recebeu.

O interesse que tenho em acreditar numa coisa não é prova da existência dessa coisa.

Quando se viaja de passagem, tomam-se os abusos pelas leis do país.

Nunca a natureza é tão aviltada como quando a ignorância supersticiosa tem a arma do poder.

Deixaremos este mundo tão tolo e tão malvado como o encontrámos quando chegámos a ele.

O melhor governo é aquele em que há o menor número de homens inúteis.

O país onde o comércio é mais livre será sempre o mais rico e próspero, guardadas as proporções.

Sufoca-se o espírito da criança com conhecimentos inúteis.

Os leitores servem-se dos livros como os cidadãos dos homens. Não vivemos com todos os nossos contemporâneos, escolhemos alguns amigos.

A política tem a sua fonte na perversidade e não na grandeza do espírito humano.

Sabei que o segredo das artes é corrigir a natureza.

Só fui à falência duas vezes. A primeira, quando perdi uma causa. A segunda, quando a ganhei.

Ensina-se os homens a serem honestos; sem isso, poucos chegariam a sê-lo.

Há muito poucas repúblicas no mundo, e mesmo assim elas devem a liberdade aos seus rochedos ou ao mar que as defende. Os homens só raramente são os dignos de se governar a si mesmos.