Sobre o Autor

Victor Hugo

Victor Hugo (26 de fevereiro de 1802 - 22 de maio de 1885) foi um escritor francês, autor de Les Miserábles (Os Miseráveis).

É inútil obter por piedade aquilo que desejamos por amor.

Dêem, ricos! A esmola é irmã da prece.

A riqueza e a pobreza são convenções.

Um grande artista é um grande homem numa grande criança.

É triste pensar que a natureza fala e que o género humano não a ouve.

Os grandes erros são muitas vezes feitos, como as cordas, de uma quantidade de fios.

A miséria de uma criança interessa a uma mãe, a miséria de um rapaz interessa a uma rapariga, a miséria de um velho não interessa a ninguém.

Toda a doutrina social que visa destruir a família é má, e para mais inaplicável. Quando se decompõe uma sociedade, o que se acha como resíduo final não é o indivíduo mas sim a família.

A vida não passa de uma oportunidade de encontro; só depois da morte se dá a junção; os corpos apenas têm o abraço, as almas têm o enlace.

O odioso é a porta de saída do ridículo.

A palavra é o Verbo, e o Verbo é Deus.

Deus abençoa o homem, não por o ter encontrado, mas por havê-lo buscado.

Admiremos os grandes mestres, mas não os imitemos.

E se apenas restar um, esse serei eu.

A religião não é senão a sombra projectada do universo sobre a inteligência humana.

Amar é metade de crer.

A primeira igualdade, é a justiça.

Há pessoas que têm uma biblioteca como os eunucos um harém.

Há pessoas que observam as regras de honra como se vêem as estrelas: de longe.

Não ter nada para fazer é a felicidade das crianças e a infelicidade dos anciãos.

O paciente é o mais forte.

O que caracteriza as pessoas que exibem exageradamente a sua virtude é que, quanto menos ameaçada está a fortaleza, mais guardas lhe põem.

A arte é uma ferramenta; os espíritos são os operários.

Os velhos têm tanta necessidade de afecto como de sol.

As revoluções, como os vulcões, têm os seus dias de chamas e os seus anos de fumaça.

Em tempo de revolução, cuidado com a primeira cabeça que rola. Ela abre o apetite ao povo.

Grandes homens! Quereis ter razão amanhã? Morrei hoje!

A tolerância é a melhor das religiões.

De qualquer palavra profunda todos os homens são discípulos.

Uma vez que o meu coração está morto, vivi mais que o suficiente.