Sobre o Autor

Victor Hugo

Victor Hugo (26 de fevereiro de 1802 - 22 de maio de 1885) foi um escritor francês, autor de Les Miserábles (Os Miseráveis).

Um poeta é um mundo encerrado num homem.

Deus ao criar o rato disse: já fiz asneira! e tratou de criar o gato, logo o gato é uma errata do rato.

A redução do Universo a uma única criatura, a dilatação de um único ser até Deus, eis o amor...

O futuro tem muitos nomes. Para os fracos é o inalcansável. para os temerosos, o desconhecido. Para os valentes é a oportunidade.

O homem é uma prisão em que a alma permanece livre.

Porque a vida passou antes que pudéssemos viver.

A música é o barulho que pensa.

Não se compõe uma sabedoria introduzindo no pensamento os resíduos diversos de todas as filosofias humanas, tal como não se fica com saúde engolindo o conteúdo de todos os frascos de uma velha farmácia.

Quando não somos inteligíveis é porque não somos inteligentes.

Vós, que sofreis, porque amais, amai ainda mais. Morrer de amor é viver dele.

A gargalhada é o sol que varre o inverno do rosto humano.

O homem semeia hoje a causa, Deus amanhã amadurece o efeito.

As palavras têm a leveza do vento e a força da tempestade.

Deus apenas fez a água, mas o homem fez o vinho.

A metade de um amigo é a metade de um traidor.

O progresso roda constantemente sobre duas engrenagens. Faz andar uma coisa esmagando sempre alguém.

A melancolia é a felicidade de se ser triste.

Eu caminho vivo no meu sonho estrelado.

Quase ninguém está tão isento de pecados que não mereça um castigo.

E cintila a chama nos olhos da gente nova, mas nos olhar dos velhos, divisa-se a luz.

Tudo se rende ao sucesso, até a gramática.

Escritores, meditem muito e corrijam pouco. Fazei as vossas rasuras no vosso próprio cérebro.

Não imites nada nem ninguém. Um leão que copia um leão torna-se um macaco.

O homem honesto procura tornar-se útil, o intrigante tenta ser necessário.

As nossas quimeras são o que se parece mais conosco.

O cão é a virtude que, não podendo fazer-se homem, se fez animal.

A vida já é curta, mas nós tornamo-la ainda mais curta, desperdiçando tempo.

Julgar-se-ia bem mais corretamente um homem por aquilo que ele sonha do que por aquilo que ele pensa.

Tanto nos tornaríamos sábios conservando no pensamento os diversos resíduos de todas as filosofias humanas, como teríamos saúde engolindo todos os fundos de garrafa de uma farmácia antiga.

Não fazer nada é a felicidade das crianças e a infelicidade dos velhos.