Sobre o Autor

Victor Hugo

Victor Hugo (26 de fevereiro de 1802 - 22 de maio de 1885) foi um escritor francês, autor de Les Miserábles (Os Miseráveis).

Arrancar a máscara, que livramento!

Quando um bêbado não é senhor de si, tem um esconderijo.

São singulares as solidões da água. São o tumulto e o Silêncio.

Tratavam-se de esquecer-se no sono, visto que não podiam perder-se na sombra.

Não podemos acabar com nossa opinião, temos que lutar por ela.Sua auto estima vai melhorar e você terá deus no seu coração sempre, isso se você for esperto e sempre acreditar.

As vezes a agonia transborda em nossos sentimentos deixando claro a dor que você sente.

Gosto não define caráter, mas se definisse eu seria uma alma muito boa.

O espírito se enriquece com aquilo que recebe; o coração, com aquilo que dá.

Quem não é senhor do próprio pensamento, não é senhor das próprias ações.

Não existe país pequeno. Avaliar a grandeza de um povo por seu número é o mesmo que determinar a grandeza de um homem pela sua altura.

A franqueza não consiste em dizer tudo o que se pensa, mas em pensar em tudo o que se diz.

O medo é mudo; os aterrorizados falam pouco, parece que o horror diz: silêncio!

É fácil acostumar-se ao veneno.

Nem homem, nem mulher: Padre. (Mess Lethierry)

É erro não distinguir. Não são bons os ódios absolutos.

...Era esboço também, nem por isso deixava de ser uma obra prima. Todo embrião de ciência tem esse duplo aspecto: monstro, como feto, maravilha, como germe.

Á bordo do mesmo navio distanciam-se duas criaturas.

Meditava? Não. Gilliatt sonhava. Não se deixava abater pela maré.

Em certos pontos, em certas horas, contemplar o mar é sorver um veneno. É o que acontece, ás vezes, olhando para um mulher.

O vento é esse morcego invisível; quando não devasta, faz adormecer.

O mundo noturno é um mundo. A noite, um universo.

Na maioria dos casos o estado visionário abate o homem, e o embrutece.

A tristeza, dissipando-lhe a pouco e pouco, misturou-se á natureza em redor dele, tornou-se uma espécie de encanto, atraiu-o para perto das coisas e longe dos homens, e almagamou cada vez mais aquela alma e solidão.

O homem e a mulher O homem é a mais elevada das criaturas. A mulher é o mais sublime dos ideais. Deus fez para o homem um trono; Para a mulher um altar. O trono exalta; o altar santifica. O homem é o cérebro; a mulher o coração, o amor. A luz fecunda; o amor ressuscita. O homem é o gênio; a mulher o anjo. O gênio é imensurável; o anjo indefinível. A aspiração do homem é a suprema glória; A aspiração da mulher, a virtude extrema. A glória traduz grandeza; a virtude traduz divindade. O homem tem a supremacia; a mulher a preferência. A supremacia representa força. A preferência representa o direito. O homem é forte pela razão; a mulher invencível pelas lágrimas. A razão convence; a lágrima comove. O homem é capaz de todos os heroísmos; A mulher de todos os martírios. O heroísmo enobrece; os martírios sublima. O homem é o código; a mulher o evangelho. O código corrige; o evangelho aperfeiçoa. O homem é o templo; a mulher, um sacrário. Ante o templo, nos descobrimos; Ante o sacrário ajoelhamo-nos. O homem pensa; a mulher sonha. Pensar é ter cérebro; Sonhar é ter na fronte uma auréola. O homem é um oceano; a mulher um lago. O oceano tem a pérola que embeleza; O lago tem a poesia que deslumbra. O homem é a águia que voa; a mulher o rouxinol que canta. Voar é dominar o espaço; cantar é conquistar a alma. O homem tem um fanal; a consciência; A mulher tem uma estrela: a esperança. O fanal guia, a esperança salva. Enfim... O homem está colocado onde termina a terra; A mulher onde começa o céu...

A solidão desprende uma certa quantidade de desvario sublime.

A sobriedade é uma qualidade quando o indivíduo possui outras.

Não seja feiticeiro, mas se o és, faze teu ofício.

Vela de feiticeira vale a tocha do diabo.

A casa, como o homem, pode tornar-se cadáver, basta que a superstição a mate. Então é terrível.

Morte à morte! Guerra à guerra! Viva a vida! Ódio ao ódio. A liberdade é uma cidade imensa da qual todos somos concidadãos