Existe duas maneiras de ser feliz nesta vida, uma é fazer-se de idiota e a outra sê-lo.

Sobre o Autor

Sigmund Freud

Sigismund Schlomo Freud, mais conhecido por Sigmund Freud (6 de maio de 1856 - 23 de setembro de 1939), nasceu em Freiberg, na √Āustria. Foi neurologista e fundador da Psican√°lise.

Mais frases de Sigmund Freud

O sonho é a satisfação de que o desejo se realize.

Qualquer coisa que encoraje o crescimento de laços emocionais tem que servir contra as guerras.

Um homem que est√° livre da religi√£o tem uma oportunidade melhor de viver uma vida mais normal e completa.

A ciência não é uma ilusão, mas seria uma ilusão acreditar que poderemos encontrar noutro lugar o que ela não nos pode dar.

A intelig√™ncia √© o √ļnico meio que possu√≠mos para dominar os nossos instintos.

A ren√ļncia progressiva dos instintos parece ser um dos fundamentos do desenvolvimento da civiliza√ß√£o humana.

√Č escusado sonhar que se bebe; quando a sede aperta, √© preciso acordar para beber.

Os judeus admiram mais o espírito do que o corpo. A escolher entre os dois, eu também colocaria em primeiro lugar a inteligência.

O pensamento é o ensaio da ação.

A nossa civiliza√ß√£o √© em grande parte respons√°vel pelas nossas desgra√ßas. Ser√≠amos muito mais felizes se a abandon√°ssemos e retorn√°ssemos √†s condi√ß√Ķes primitivas.

Somos feitos de carne, mas temos de viver como se f√īssemos de ferro.

√Č quase imposs√≠vel conciliar as exig√™ncias do instinto sexual com as da civiliza√ß√£o.

O estado proíbe ao indivíduo a prática de atos infratores, não porque deseje aboli-los, mas sim porque quer monopolizá-los.

A felicidade é um problema individual. Aqui, nenhum conselho é válido. Cada um deve procurar, por si, tornar-se feliz.

Como fica forte uma pessoa quando est√° segura de ser amada!

O sonho representa a realização de um desejo.

No príncipio era a ação.

O homem enérgico e que é bem sucedido é o que consegue transformar em realidades as fantasias do desejo.

A sede de conhecimento parece ser insepar√°vel da curiosidade sexual.

Se quiseres poder suportar a vida, fica pronto para aceitar a morte.

A religi√£o √© compar√°vel a uma neurose da inf√Ęncia.

Eduque-o como quiser; de qualquer maneira h√°-de educ√°-lo mal.

Nenhum ser humano é capaz de esconder um segredo. Se a boca se cala, falam as pontas dos dedos

Se o desenvolvimento da civiliza√ß√£o √© t√£o semelhante ao do indiv√≠duo, e se usa os mesmos meios, n√£o ter√≠amos o direito de diagnosticar que muitas civiliza√ß√Ķes, ou √©pocas culturais - talvez at√© a humanidade inteira - se tornaram neur√≥ticas sob a influ√™ncia do seu esfor√ßo de civiliza√ß√£o?

Não posso imaginar que uma vida sem trabalho seja capaz de trazer qualquer espécie de conforto. A imaginação criadora e o trabalho para mim andam de mãos dadas; não retiro prazer de nenhuma outra coisa.

Nós poderíamos ser muito melhores se não quiséssemos ser tão bons.

Podemos nos defender de um ataque, mas somos indefesos a um elogio.

Podemos nos defender de um ataque, mas somos indefesos a um elogio.

Onde abundam as dores brotam os licores

De erro em erro, vai-se descobrindo toda a verdade

O intelecto nunca descansa até conseguir audiência.

O falso é às vezes a verdade de cabeça para baixo.

O instinto de amar um objeto demanda a destreza em obtê-lo, e se uma pessoa pensar que não consegue controlar o objeto e se sentir ameaçado por ele, ela age contra ele.

Em √ļltima an√°lise, precisamos amar para n√£o adoecer.

Fui um homem afortunado; na vida nada me foi f√°cil.

Um dia, quando olhares para tr√°s, ver√°s que os dias mais belos foram aqueles em que lutaste.

Se queres viver, prepara-te para morrer.

Quem n√£o ama adoece!

Fica-se muito louco quando apaixonado.

N√£o me cabe conceber nenhuma necessidade t√£o importante durante a inf√Ęncia de uma pessoa que a necessidade de sentir-se protegido por um pai.

Aonde quer que eu v√°, eu descubro que um poeta esteve l√° antes de mim.

Existo onde n√£o penso

O caráter de um homem é formado pelas pessoas que escolheu para conviver.

Existe duas maneiras de ser feliz nesta vida, uma é fazer-se de idiota e a outra sê-lo.

N√£o me lembro de nenhuma necessidade da inf√Ęncia t√£o grande quanto a necessidade da prote√ß√£o de um PAI. (Em O MAL ESTAR NA CIVILIZA√á√āO)

A crença em Deus subsiste devido ao desejo de um pai protetor e imortalidade, ou como um ópio contra a miséria e sofrimento da existência humana.

Não somos apenas o que pensamos ser. Somos mais; somos também, o que lembramos e aquilo de que nos esquecemos; somos as álavras que trocamos, os enganos q cometemos,os inpulsos a que cedemos, sem quere.

A popularização leva à aceitação superficial sem estudo sério. As pessoas apenas repetem as frases que aprendem no teatro ou na imprensa. Pensam compreender algo da psicanálise porque brincam com seu jargão...

Quem tem olhos para ver e ouvidos para ouvir, se convence que os mortais não podem ocultar nenhum segredo. Aquele que não fala com os lábios, fala com as pontas dos dedos: nós nos traímos por todos os poros.

Quem tiver olhos para ver e ouvidos atentos pode convencer-se de que nenhum mortal é capaz de manter segredo. Se os lábios estiverem silenciosos, a pessoa ficará batendo os dedos na mesa e trairá a si mesma, suando por cada um dos seus poros.

Seriamos melhores, se n√£o fossemos t√£o bons.

A antítese de brincar não é o que é sério, mas o que é real.

O homem é dono do que cala e escravo do que fala. Quando Pedro me fala sobre Paulo, sei mais de Pedro que de Paulo.

As grandes coisas podem ser reveladas através de pequenos indícios

Disse Plat√£o que os bons s√£o os que se contentam com sonhar aquilo que os maus fazem na realidade.

O pensamento é a ação ensaiando.

O sonho é a estrada real que conduz ao inconsciente.

Todo tratamento psicanalítico é uma tentativa para libertar o amor recalcado.

O novo sempre despertou perplexidade e resistência.

As pessoas ficam muito loucas quando apaixonadas.

Não permito que nenhuma reflexão filosófica me tire a alegria das coisas simples da vida

C√£es amam seus amigos e mordem seus inimigos, bem diferente das pessoas, que s√£o incapazes de sentir amor puro e t√™m sempre que misturar amor e √≥dio em suas rela√ß√Ķes.

Nos sonhos envergamos a semelhança com aquele homem mais universal, verdadeiro e eterno que habita na escuridão da noite primordial.

Brincadeiras n√£o existem Freud disse isso.

Toda anedota, no fundo, encobre uma verdade

Nós nunca somos tão desamparadamente infelizes como quando perdemos um amor.

Contra os ataques é possível nos defendermos: contra o elogio não se pode fazer nada.

A Psicanálise é,em essência,uma cura pelo amor.

A maioria das pessoas n√£o quer realmente a liberdade, pois liberdade envolve responsabilidade, e a maioria das pessoas tem medo de responsabilidade.

Estar apaixonado é estar mais próximo da insanidade do que da razão.

Precisamos amar para n√£o adoecer.

¬ď... [a religi√£o √©] um sistema de doutrinas e promessas que, por um lado, lhe explicam os enigmas deste mundo com perfei√ß√£o invej√°vel e que, por outro lado, lhe garantem que uma Provid√™ncia cuidadosa velar√° por sua vida e o compensar√°, numa exist√™ncia futura, de quaisquer frustra√ß√Ķes que tenha experimentado aqui. O homem comum s√≥ pode imaginar essa Provid√™ncia sob a figura de um pai ilimitadamente engrandecido. Apenas um ser desse tipo pode compreender as necessidades dos filhos dos homens, enternecer-se com suas preces e aplacar-se com os sinais de seu remorso. Tudo √© t√£o patentemente infantil, t√£o estranho √† realidade, que, para qualquer pessoa que manifeste uma atitude amistosa em rela√ß√£o √† humanidade, √© penoso pensar que a grande maioria dos mortais nunca ser√° capaz de superar essa vis√£o da vida. Mais humilhante ainda √© descobrir como √© vasto o n√ļmero de pessoas de hoje que n√£o podem deixar de perceber que essa religi√£o √© insustent√°vel e, n√£o obstante isso, tentam defend√™-la, item por item, numa s√©rie de lament√°veis atos retr√≥grados.¬Ē

Nunca dominaremos completamente a natureza, e o nosso organismo corporal, ele mesmo parte desta natureza, permanecerá sempre como uma estrutura passageira, com limitada capacidade de realização e adaptação.

Somos feitos de carne, mas temos de viver como se f√īssemos de ferro. √Č verdade, tenho tido que viver como se fosse de ferro, por√©m estou muito motivada.. quero come√ßar a caminhar hoje.. tenho esperan√ßas pois j√° perdi 2 kilos depois que fiz a aposta com uma amiga minha... bom hoje no caf√© √†s 8h35m da manh√£ comi meio p√£o frances com margarina e um copo de 200 ml de caf√© com leite; √†s 10.30 tomei outro copo de caf√© com leite e √†s 11h40m comi 5 folhas m√©dias de alface, 2colheres de cenoura cozida em rodelas, uma panqueca recheada com carne moida m√©dia no almo√ßo. Quando chegar em casa do trabalho vou caminhar no lago.. Deus me aben√ßoe...

Ao tomar uma decis√£o de menor import√Ęncia, eu descobri que √© sempre vantajoso considerar todos os pr√≥s e contras. Em assuntos vitais, no entanto, tais como a escolha de um companheiro ou profiss√£o, a decis√£o deve vir do inconsciente, de algum lugar dentro de n√≥s. Nas decis√Ķes importantes da vida pessoal, devemos ser governados, penso eu, pelas profundas necessidades √≠ntimas da nossa natureza.

Nunca se pode dizer at√© onde esse caminho nos levar√°; cede-se primeiro em palavras e depois, pouco a pouco, em subst√Ęncia tamb√©m.

O sucesso substitui todos os argumentos

A América realmente é grandiosa. Mas é um grandioso equívoco

A civilização começa com a repressão

N√£o posso imaginar que uma vida sem trabalho seja capaz de trazer qualquer esp√©cie de conforto. A imagina√ß√£o criadora e o trabalho para mim andam de m√£os dadas; n√£o retiro prazer de nenhuma outra coisa. Esta seria uma receita para a felicidade, se n√£o fosse a id√©ia terr√≠vel de que a produtividade da gente depende inteiramente de nosso modo de sentir. Que h√° de ser da gente, quando os pensamentos cessarem de aparecer e as palavras adequadas n√£o se apresentarem? N√£o se pode deixar de tremer diante de tal possibilidade. √Č por isso que, embora submetendo-me ao destino como um homem honesto, n√£o deixo de fazer secretamente a minha ora√ß√£o: acima de tudo, que n√£o surja nenhuma doen√ßa ou qualquer mis√©ria f√≠sica que me paralise as faculdades da cria√ß√£o. Como dizia o rei Macabeth: Morreremos com as armaduras nos ombros.

Ningu√©m escreve para ganhar fama, que, de qualquer maneira, √© coisa transit√≥ria, ou para atingir a imortalidade. Seguramente, escrevemos em primeiro lugar para satisfazer alguma coisa que se acha dentro de n√≥s, n√£o para as outras pessoas. √Č claro que, quando os outros reconhecem os nossos esfor√ßos, a satisfa√ß√£o interior aumenta, mas, mesmo assim, escrevemos primeiramente para n√≥s mesmos, seguindo um impulso que vem de dentro.