Raul dos Santos Seixas (28 de junho de 1945, Salvador, Bahia - 21 de agosto de 1989, São Paulo) foi um músico brasileiro.

Raul dos Santos Seixas (28 de junho de 1945, Salvador, Bahia - 21 de agosto de 1989, São Paulo) foi um músico brasileiro.

Frases e Pensamentos

152 frases no total. Página 3/6, de 61-90

    "Não sei onde eu to indo
    Mas sei que eu to no meu caminho
    Enquanto você me critica, eu to no meu caminho."

        Raul Seixas

    "Se eu fosse burro, não sofria tanto."

        Raul Seixas

    "Eu que ja andei pelos quatro cantos do mundo procurando,
    foi justamente num sonho que ele me falou..."

        Raul Seixas

    "Na cidade de cabeça pra baixo, a gente usa o teto como capacho."

        Raul Seixas

    "Eu não sei aonde eu to indo..
    mas eu sei que eu tô no meu caminho."

        Raul Seixas

    "Por que que os sonhos foram feitos pra gente não viver?"

        Raul Seixas

    "Eu sou o corpo Raquítico que o teu olho desprezou sou a saliva das bocas que tua boca beijou sou o velho que pede esmola sou a criança que chora desprotegida de amor."

        Raul Seixas

    "Sonho que se sonha junto é realidade."

        Raul Seixas

    "O numero 666 é Aleister Crowley."

        Raul Seixas

    "A Sociedade Alternativa é a chave da felicidade"

        Raul Seixas

    "Viva a Sociedade Alternativa!"

        Raul Seixas

    "Eu perdi o meu medo da chuva. Pois a chuva, voltando pra terra, trás coisas do ar."

        Raul Seixas

    "Do passado me esqueci.
    no presente, me perdi.
    se chamarem...

    ... diga que saí!"

        Raul Seixas

    "Vote nulo, não sustente parasitas."

        Raul Seixas

    "Combinar rock com baião foi a fórmula certa pra chamar a atenção. Mas foi só o começo."

        Raul Seixas

    "As pessoas não morrem, só acordam do sonho da vida."

        Raul Seixas

    "Eu devia estar sorrindo e orgulho por ter finalmente vencido na vida, mas eu acho isso uma grande piada e um tanto quanto perigosa..."

        Raul Seixas

    "Enxugue estas lágrimas
    Não fique triste assim
    Um dia voltarei meu bem
    Aqui não é o fim


    Dê-me tua mão
    É teu o meu coração


    Não vou te esquecer
    Não fique a temer
    Pois o nosso amor
    Não foi em vão"

        Raul Seixas

    "Deus - o que é? E não quem é

    D eterminação
    E nergia
    U niverso
    S uperior

    Ei-lo descrito e traduzido por essa gramática racionalista que define tudo em apenas cinco letras.

    Poderia também ser:

    D esnecessário
    E nigmático
    U surpador
    S afado

    Eis a minha gramática: Quando a razão afirma que Deus é a causa do mundo, só existe um termo concreto, somente um lado de experiência que é o mundo, enquanto o outro Deus é totalmente suposto. Deus seria então uma afirmação inverificável; uma pura hipótese que pretende explicar os fatos, mas que está impossibilitado de explicá-los.

    Lembrando as palavras de Laplace: Deus? Não necessito desta hipótese. Nós temos direito de procurar a causa no mundo, mas não de inventar uma causa do mundo. É tudo muito fácil: Por que o mundo existe? Invoca-se Deus, e pronto!!

    Brunschvicg, numa crítica semelhante à de Kant, pergunta: Mas as exigências do princípio de causalidade não nos levarão a reclamar uma causa para Deus? A existência de um criador que não foi criado por nada está caindo em contradição com o princípio em nome do qual dizemos que Deus veio do nada como causa primeira. Ora, se aceitarmos um Deus sem causa, não podemos aceitar também, e mais simplesmente, um mundo sem causa?

    O Universo me espanta e não posso imaginar que este relógio exista e não tenha um relojoeiro."

        Raul Seixas

    "Se você acha que tem pouca sorte
    Se lhe preocupa a doença ou a morte
    Se você sente receio do inferno
    Do fogo eterno, de Deus, do mal
    Eu sou estrela no abismo do espaço
    O que eu quero é o que eu penso e o que eu faço
    Onde eu tô não há bicho-papão
    Eu vou sempre avante no nada infinito
    Flamejando meu rock, o meu grito
    Minha espada é a guitarra na mão

    Se o que você quer em sua vida é só paz
    Muitas doçuras, seu nome em cartaz
    E fica arretado se o açúcar demora
    E você chora, cê reza, cê pede... implora...
    Enquanto eu provo sempre o vinagre e o vinho
    Eu quero é ter tentação no caminho
    Pois o homem é o exercício que faz
    Eu sei... sei que o mais puro gosto do mel
    É apenas defeito do fel
    E que a guerra é produto da paz

    O que eu como a prato pleno
    Bem pode ser o seu veneno
    Mas como vai você saber... sem provar?

    Se você acha o que eu digo fascista
    Mista, simplista ou anti-socialista
    Eu admito, você tá na pista
    Eu sou ista, eu sou ego
    Eu sou ista, eu sou ego
    Eu sou egoísta, eu sou,
    Eu sou egoísta, eu sou,
    Por que não..."

        Raul Seixas

    "Sou tão bom ator que finjo ser cantor e compositor e vocês acreditam.

    A arte de ser louco é jamais cometer a loucura de ser um sujeito normal.

    Ninguem tem o direito de me julgar a não ser eu mesmo. Eu me pertenço e de mim faço o que bem entender.

    Todos os partidos são variantes do absolutismo. Não fundaremos mais partidos; o Estado é o seu estado de espírito.

    Só há amor quando não existe nenhuma autoridade.

    O sonho do careta é a realidade do maluco.

    A desobediência é uma virtude necessária à CRIATIVIDADE.

    Ninguém morre, as pessoas despertam do sonho da vida.

    Quero a certeza dos loucos que brilham. Pois se o louco persistir na sua loucura, acabará sábio.

    Eu não sou louco, é o mundo que não entende minha lucidez.

    Somos prisioneiros da vida e temos que suportá-la até que o último viaduto nos invada pela boca adentro e viaje eternamente em nossos corpos.

    A formiga é pequena, mas elas são um exército quando juntas.

    De que o mel é doce é coisa que eu me nego a afirmar, mas que parece doce eu afirmo plenamente.

    Nunca é tarde demais pra começar tudo de novo.

    Há Homens que nascem póstumos.

    Que capacidade impiedosa essa minha de fingir ser normal o tempo todo.

    Antes de ler o livro que o guru lhe deu, você tem que escrever o seu."

        Raul Seixas

    "Há uma recompensa para os escolhidos,
    o saber conhecer entre muitos o tem aliado.

    Não há medo entre as crianças.
    As crianças são o nome do Novo Rei.

    Oh! Divino Deus,

    Eu, humilde servo teu
    Servo eternos dos teus segredos loucos
    Me rendo a tua luz

    Eu chego à você
    Tão com medo
    Tu és meu Senhor."

        Raul Seixas

    "A maioria de nós passa a vida inteira poupando felicidade, tão preocupados em não morrer que acabamos por não viver. Passamos a vida como lagartas rastejantes por medo da metamorfose e do desconhecido; e assim apodrecemos sem termos tido um único momento como borboleta. Se tememos a morte é apenas por não termos vivido. Na verdade morrer sem ter vivido é o único pecado que existe."

        Raul Seixas

    "Eu sei que determinada rua que eu já passei
    Não tornará a ouvir o som dos meus passos
    Tem uma revista que eu guardo há muitos anos
    E que nunca mais eu vou abrir
    Cada vez que eu me despeço de uma pessoa
    Pode ser que essa pessoa esteja me vendo pela última vez
    A morte, surda, caminha ao meu lado
    E eu não sei em que esquina ela vai me beijar
    Com que rosto ela virá?
    Será que ela vai deixar eu acabar o que eu tenho que fazer?
    Ou será que ela vai me pegar no meio do copo de uísque,
    Na música que eu deixei para compor amanhã?
    Será que ela vai esperar eu apagar o cigarro no cinzeiro?
    Virá antes de eu encontrar a mulher, a mulher que me foi destinada,
    E que está em algum lugar me esperando
    Embora eu ainda não a conheça?
    Vou te encontrar Vestida de cetim
    Pois em qualquer lugar
    Esperas só por mim
    E no teu beijo
    Provar o gosto estranho
    Que eu quero e não desejo
    Mas tenho que encontrar
    Vem Mas demore a chegar
    Eu te detesto e amo
    Morte, morte, morte que talvez
    Seja o segredo desta vida
    Qual será a forma da minha morte
    Uma das tantas coisas que eu nao escolhi na vida
    Existem tantas... um acidente de carro
    O coração que se recusa a bater no próximo minuto
    A anestesia mal-aplicada
    A vida mal-vivida
    A ferida mal curada
    A dor já envelhecida
    O câncer já espalhado e ainda escondido
    Ou até, quem sabe,
    O escorregão idiota num dia de sol
    A cabeça no meio-fio A morte, tu que és tão forte
    Que matas o gato, o rato e o homem
    Vista-se com a tua mais bela roupa quando vieres
    Me buscar
    Que meu corpo seja cremado
    E que minhas cinzas alimentem a erva
    E que a erva alimente outro homem como eu
    Porque eu continuarei neste homem
    Nos meus filhos
    Na palavra rude que eu disse para alguém
    Que não gostava
    E até no uísque que eu não terminei de beber / Aquela noite..."

        Raul Seixas

    "Eu já entrei vinte vezes no escritório do psicanalista
    Depois paguei ao médico e depois fui ao dentista
    Para ver o que eu tenho e não consigo dizer.
    Perguntei a toda gente que passava na rua
    Ao patrão, à minha sogra, à São Jorge na lua
    Mas nenhuma dessa gente conseguiu me responder.
    Por causa disso eu fui pra casa e fiquei pensando
    Se era eu que estava errado com as minhas maluquices
    Ou se era o mundo todo que estava me enganando.
    Arrumei as malas
    Deixei as perguntas na gaveta
    Procurei saber o horário do próximo cometa
    Me agarrei em sua cauda e fui morar noutro planeta."

        Raul Seixas

    "Prefiro ser
    Essa metamorfose ambulante
    Eu prefiro ser
    Essa metamorfose ambulante
    Do que ter aquela velha opinião
    Formada sobre tudo
    Do que ter aquela velha opinião
    Formada sobre tudo...

    Eu quero dizer
    Agora o oposto
    Do que eu disse antes
    Eu prefiro ser
    Essa metamorfose ambulante
    Do que ter aquela velha opinião
    Formada sobre tudo
    Do que ter aquela velha opinião
    Formada sobre tudo...

    Sobre o que é o amor
    Sobre o que eu
    Nem sei quem sou
    Se hoje eu sou estrela
    Amanhã já se apagou
    Se hoje eu te odeio
    Amanhã lhe tenho amor
    Lhe tenho amor
    Lhe tenho horror
    Lhe faço amor
    Eu sou um ator...

    É chato chegar
    A um objetivo num instante
    Eu quero viver
    Nessa metamorfose ambulante
    Do que ter aquela velha opinião
    Formada sobre tudo
    Do que ter aquela velha opinião
    Formada sobre tudo...

    Sobre o que é o amor
    Sobre o que eu
    Nem sei quem sou
    Se hoje eu sou estrela
    Amanhã já se apagou
    Se hoje eu te odeio
    Amanhã lhe tenho amor
    Lhe tenho amor
    Lhe tenho horror
    Lhe faço amor
    Eu sou um ator...

    Eu vou desdizer
    Aquilo tudo que eu
    Lhe disse antes
    Eu prefiro ser
    Essa metamorfose ambulante
    Do que ter aquela velha opinião
    Formada sobre tudo
    Do que ter aquela velha opinião
    Formada sobre tudo
    Do que ter aquela velha opinião
    Formada sobre tudo...

    Do que ter aquela velha, velha
    Velha, velha, velha
    Opinião formada sobre tudo."

        Raul Seixas

    "Eu sou um pacifista, trabalho pela paz e para um mundo melhor.

    Trabalho contra os caretas do mundo, contra o torpor, a imprecação, contra a arapuca que nos foi armada e durante séculos vivemos conformados, presos nela comendo o alpiste que nos dão. E o pior é que os que prepararam a arapuca também caíram nela, comem do mesmo alpiste e não sabem disso.

    Trabalho para sair da arapuca com todos os que estão querendo ser pássaros livres outra vez. Os que estão cegos ficarão soterrados dentro dela quando ela desabar.

    Sou um pacifista, a mando de forças exteriores.

    Pensando que estão por cima, os imbecis vivem dentro do mesmo esquema: a neurose, a preocupação criminosa e doentia de manter-nos a todos dentro da armadilha. Mas é preciso sair dela de qualquer maneira, é a única salvação ou seremos eternos pássaros tristes, presos numa arapuca com alpiste racionado. Eu quero ver o mundo do cume alto de uma montanha!!!"

        Raul Seixas

    "[As Condições]

    Show das nove até meia-noite. Papo. Atender colegas e não colegas. Dormi três horas. Acordo ás sete, pego o avião. Medo. Salto no Rio. Fila de táxi. Chego em casa vejo Simone (minha filha). Tv Globo.

    A irritação dos diretores e contra-regras. Eles estão certos: filmaram novela até cinco da manhã e estão sem dormir. Você já tem camarim? (a bicha camareira). Eu me lembro de você no Chacrinha, ficava nos corredores. Calçaram meus sapatos, escovaram meus cabelos, me maquiaram e me sorriram. Volto pra casa correndo. Arrumo algo.

    Almoço em Ipanema, na Montenegro. Sol - praia - táxi - aeroporto São Paulo ou Rio? Fila - avião - São Paulo - táxi - hotel - rápido. Restaurante perto do show. Show - papo. Atender colegas e não colegas. Hotel: aviso para não ser pertubado. Acordo ao meio-dia.

    Pra mim tem café!!! Voltamos a dormir. A camareira mete a chave na porta e espia se tem gente e me acorda. Dou um PORRA bem alto e ela some.

    Ela tem razão: mora longe, ganha pouco, tem que arrumar o quarto no período da manhã, senão tem que ficar depois da hora. Eu me arrependo. Também tenho razão?? Os táxis são violentos; matariam os passageiros por prazer. Estão certos; as condições em que se vive nas cidades são propícias pra enlouquecer. Vírus da cidade. Você enlouquece e joga o jogo se suicidando dia após dia."

        Raul Seixas

    "Lá vou eu aqui de novo falar de mim, por que não consigo mas falar de ninguém. Lá vou eu aqui de novo tentando me conhecer, porque sei que a gente não conhece ninguém.

    Acabei de tomar meu Diempax, meu Valium 10 e um Triptanol 25, e a chuva promete não deixar vestigios.

    Eu olho a janela, e quando vou percebendo algo me transporto para Feira Velha e não sei se sinto saudade ou se eu não tenho medo de morrer.

    Mergulho no baú. Revejo, repasso as minhas teorias, fico me perguntando por que eu não choro e qual a última vez que chorei. Fico com raiva de minha bobagem, digo que é isso mesmo, tocar o barco pra frente.

    Levanto e fico achando que o ser humano é engraçado."

        Raul Seixas

    "Ninguém tem o direito de me julgar a não ser eu mesmo. Eu me pertenço e de mim faço o que bem entender."

        Raul Seixas

"Onde não puderes amar, não te demores..."

    Augusto Branco

"Eu não desisti...apenas não insisto mais."

    Cazuza

"As coisas muito claras me noturnam."

    Manoel de Barros

"Fácil é sonhar todas as noites. Difícil é lutar por um sonho."

    Carlos Drummond de Andrade

"Os mentirosos estão sempre prontos a jurar."

    Vittorio Alfieri

"Soltar os demônios pode ser muito educativo em certas ocasiões."

    Deepak Chopra

"O sexo é o alívio da tensão. O amor é a causa"

    Woody Allen

"Todo o homem é culpado do bem que não fez."

    Voltaire

"A maior felicidade é quando a pessoa sabe porque é que é infeliz."

    Fiódor Dostoiévski

"Vento

Pastor das nuvens."

    Mario Quintana