"As vezes eu me olho no espelho Sinto medo, medo de mim Eu não me conheço Sou esquisito Sou humano Uso óculos, como, bebo, fumo e defeco Mijo Olho-me no espelho E esse da-me de volta quem saiu Eu riu, alto, assustado e engraçado. Duas longas coisas saindo do corpo: são os braços Buracos, pelos, peles, nariz ponteagudo Duas orelhas presas na minha cabeça Olho os dedos, meus olhos, me assusta. Falo, sinto emoções e tomo cerveja Rídícula coisa, ali em pé em frente ao espelho Eu me vejo de fora Faço uma abstração mental do que eu nunca vi Que sou humano, e me vejo. É esquisito. É realmente esquisito. Procuro-me no espelho Enão me acho. Só vejo aquilo ali. Parado. Um monte de carnes equilibradas por ossos duros que me mantem em pé. Ali no espelho. Eu sei que não sou aquilo, e o que sou, o espelho não pode me mostrar... AINDA... eu não brilho... ainda... fornecido por D. Maria Eugenia Seixas 08/90"

Raul Seixas


Raul dos Santos Seixas (28 de junho de 1945, Salvador, Bahia - 21 de agosto de 1989, São Paulo) foi um músico brasileiro.

Comentários