O amor, para ser perfeito, devia ser como o rotífero: morrer num raio de sol, renascer numa gota de orvalho.

Sobre o Autor

Paolo Mantegazza

Paolo Mantegazza (1831-1910) foi um proeminente italiano; neurologista, fisiologista e antropólogo, notável por ter isolado a cocaína da coca, que utilizou em experimentos, investigando seus efeitos psicológicos em humanos. Também é conhecido como escrito

Mais frases de Paolo Mantegazza

A escola pode aperfeiçoar o artista, criá-lo, nunca; porque não se melhora senão o que já existe.

Os afectos podem às vezes somar-se; subtrair-se, nunca.

A dor é o pólo, de que refoge sempre, e em toda a parte, não só a humanidade inteira, mas toda a legião infinita dos seres vivos.

O amor platónico é uma chave falsa ou uma gazua para poder penetrar na casa alheia sem ser visto.

O fatalismo é sempre uma doença do pensamento ou uma fraqueza da vontade.

As ci√™ncias come√ßam e acabam com um crep√ļsculo, com um ponto de interroga√ß√£o.

As crianças são quase sempre felizes, porque não pensam na felicidade. Os velhos são muitas vezes infelizes, porque pensam demasiadamente nela.

Acima do homem est√° o dever; acima do dever n√£o existe talvez sen√£o Deus.

O casamento de uma filha amada é um acontecimento que se espera e que se deseja; é, porém, como um parto - alegria acompanhada de dores terríveis.

Entre a avareza e a prodigalidade encontra-se a economia, e esta é a virtude que o homem honesto deve praticar.

O amor é o melhor padrinho do casamento, e a estima recíproca o seu amigo mais fiel.

A amizade entre duas mulheres é planta rara, que vive geralmente vida breve.

A honra nunca se ofende impunemente: nunca existe por metade; inteira é forte, ferida está morta.

O caráter é a fisionomia moral do homem.

Quanta gente é boa, porque não tem a coragem de ser má!

Se uma leve camada de hipocrisia não cobrisse o apodrecido tronco da nossa moderna civilização, que horrendo espectáculo não se depararia à nossa vista!

A ci√™ncia √© o melhor instrumento para medir a nossa ignor√Ęncia.

Os críticos são os ruminantes da literatura.

Mestre que não é amado pelos seus discípulos é um mau mestre.

A mulher √© astuta e mentirosa, por ser fraca e oprimida; e a ast√ļcia √© a for√ßa de quem n√£o √© forte.

Ser feliz: eis o primeiro pensamento do homem; fazer os outros felizes: eis o primeiro pensamento da mulher.

O belo é o Deus universal dos homens.

Al√©m da segunda edi√ß√£o, os casamentos pertencem √† hist√≥ria das m√ļmias ou dos f√≥sseis.

Nada é mais contagioso do que o entusiasmo; nada é mais fascinante, mais irresistível do que o entusiasmo da mulher.

O amor, para ser perfeito, devia ser como o rotífero: morrer num raio de sol, renascer numa gota de orvalho.

O dinheiro é instrumento de felicidade, mas não é a felicidade.

Ter espírito cada dia, cada hora, é quase prova segura de mediocridade de engenho.

Adoro sob todas as formas de linguagem a m√ļsica, porque ignoro ainda a ignom√≠nia da gram√°tica e da filosofia.

A inf√Ęncia √© a idade das interroga√ß√Ķes, a juventude a das afirma√ß√Ķes, a velhice a das nega√ß√Ķes.

Da ciência devemos dar a cada um o que ele pode digerir.

O ego√≠sta, embalsamando-se a si mesmo, transforma-se numa m√ļmia, que n√£o sente a dor, mas que n√£o goza a alegria.

A castidade é a sombra do amor.

No banquete da vida a amizade é o pão, e o amor é o vinho.

O dinheiro é um amante sem sexo, mas de que se enamoram todos - homens e mulheres.

No homem há mais amor-próprio do que amor; na mulher, pelo contrário, há mais amor do que amor-próprio.

O génio é sempre modesto, porque a modéstia é o pudor da força.

Nenhum homem vulgar pode tornar-se um génio por obra da educação.

A educação é a higiene do espírito, assim como a higiene é uma verdadeira educação do corpo.

A esperança é a poesia da dor, é a promessa eternamente suspensa diante dos olhos que choram e do coração que padece.

Socialismo significa apenas inveja do dinheiro alheio.