Millôr Fernandes (1923 - 2012) foi um desenhista, humorista, dramaturgo, escritor e tradutor brasileiro.

Millôr Fernandes (1923 - 2012) foi um desenhista, humorista, dramaturgo, escritor e tradutor brasileiro.

Frases e Pensamentos

239 frases no total. Página 5/8, de 121-150

    "Fique tranquilo: sempre se pode provar o contrário."

        Millôr Fernandes

    "Os clássicos mudam muito de opinião para agradar os que os interpretam."

        Millôr Fernandes

    "É porque ninguém gosta de trabalhar que o mundo progride."

        Millôr Fernandes

    "Para você parecer culto é só ficar de olho no que o outro cara ignora."

        Millôr Fernandes

    "Sim, do mundo nada se leva. Mas é formidável ter uma porção de coisas a que dizer adeus."

        Millôr Fernandes

    "Errar é humano. Ser apanhado em flagrante é burrice."

        Millôr Fernandes

    "Se os seus princípios são rígidos e inabaláveis, você, pessoalmente, já não precisa ser tanto."

        Millôr Fernandes

    "é meu conforto:
    da vida só me tiram
    morto"

        Millôr Fernandes

    "Um homem começa a ficar velho quando já prefere andar só do que mal acompanhado."

        Millôr Fernandes

    "maravilha sem par
    a televisão
    só falta não falar"

        Millôr Fernandes

    "Cada ideologia tem a inquisição que merece."

        Millôr Fernandes

    "o cético sábio
    sorri
    só com um lábio"

        Millôr Fernandes

    "A verdade é que a maior parte das pessoas foge de tentações que nem se dão ao trabalho de tentá-las."

        Millôr Fernandes

    "O dinheiro não dá felicidade. Mas paga tudo o que ela gasta."

        Millôr Fernandes

    "Se durar muito tempo, a popularidade acaba tornando a pessoa impopular."

        Millôr Fernandes

    "O mal de se tratar um inferior como igual é que ele logo se julga superior."

        Millôr Fernandes

    "Metade da vida é estragada pelos pais. A outra metade, pelos filhos."

        Millôr Fernandes

    "Pode ser difícil encontrar agulha em palheiro. Mas não descalço."

        Millôr Fernandes

    "Por mais imbecil que você seja, sempre haverá um imbecil maior para achar que você não o é."

        Millôr Fernandes

    "O último refúgio do oprimido é a ironia, e nenhum tirano, por mais violento que seja, escapa a ela. O tirano pode evitar uma fotografia, não pode impedir uma caricatura. A mordaça aumenta a mordacidade."

        Millôr Fernandes

    "Se é gostoso faz logo, amanhã pode ser ilegal."

        Millôr Fernandes

    "Em geral as pessoas que se perdem em pensamentos é porque não conhecem muito bem esse território."

        Millôr Fernandes

    "probleminhas terrenos:
    quem vive mais
    morre menos?"

        Millôr Fernandes

    "na imensa descida
    a catarata
    se suicida"

        Millôr Fernandes

    "Nada é mais falso do que uma verdade estabelecida."

        Millôr Fernandes

    "a girafa, calada,
    lá de cima vê tudo
    e não diz nada"

        Millôr Fernandes

    "Se você acha que está maluco é porque não está. Mas, se você acha que todo o mundo está maluco, então está."

        Millôr Fernandes

    "Há duas coisas que ninguém perdoa: nossas vitórias e nossos fracassos."

        Millôr Fernandes

    "Os nossos amigos poderão não saber muitas coisas, mas sabem sempre o que fariam no nosso lugar."

        Millôr Fernandes

    "Pontual é alguém que resolveu esperar muito."

        Millôr Fernandes

Biografia


Millôr Viola Fernandes (16 de agosto de 1923 - 27 de março de 2012) foi um cartunista, jornalista, cronista, dramaturgo, roteirista, tradutor e poeta brasileiro. Nasce no Rio de Janeiro, em 1923, filho do engenheiro Francisco Fernandes e de Maria Viola Fernandes.

Nasceu Milton Viola Fernandes, tendo sido registrado, graças a uma caligrafia duvidosa, como Millôr, o que veio a saber na adolescência. Órfão de pai aos dois anos e de mãe aos 11, desde muito cedo começa a trabalhar. Aos 15 anos entra para a revista O Cruzeiro como contínuo. Aos 16 anos, convidado para colaborar na revista A Cigarra, cria o pseudônimo Vão Gôgo. Em 1943 volta para a revista O Cruzeiro, que passa, ao longo dos anos, de 11 mil exemplares para 750 mil exemplares semanais. Em 1946, faz sua estréia literária com o livro Eva sem Costela - um livro em defesa do homem, e sete anos depois é montada sua primeira peça de teatro, Uma Mulher em Três Atos. Em 1964 edita a revista humorística O Pif-Paf, considerada uma das pioneiras da imprensa alternativa, e quatro anos depois participa da fundação do jornal O Pasquim.

Cartunista, vem colaborando nos principais órgãos da imprensa brasileira; cronista, tem mais de 40 títulos publicados; dramaturgo, alcançou sucessos como Liberdade, Liberdade (em parceria com Flávio Rangel), Computa, computador, computa e É..; artista gráfico, tem trabalhos expostos em várias galerias de arte do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro - MAM/RJ. Faz roteiros de filmes, programas de televisão, shows e musicais e é um dos mais solicitados tradutores de teatro do país. Irônico, polêmico, com seus textos (aforismos, epigramas, ironia, duplos sentidos e trocadilhos) e seus desenhos constrói a crônica dos costumes brasileiros dos últimos sessenta anos.

"Onde não puderes amar, não te demores..."

    Augusto Branco

"Eu não desisti...apenas não insisto mais."

    Cazuza

"As coisas muito claras me noturnam."

    Manoel de Barros

"Fácil é sonhar todas as noites. Difícil é lutar por um sonho."

    Carlos Drummond de Andrade

"Os mentirosos estão sempre prontos a jurar."

    Vittorio Alfieri

"O sexo é o alívio da tensão. O amor é a causa"

    Woody Allen

"Soltar os demônios pode ser muito educativo em certas ocasiões."

    Deepak Chopra

"Todo o homem é culpado do bem que não fez."

    Voltaire

"A maior felicidade é quando a pessoa sabe porque é que é infeliz."

    Fiódor Dostoiévski

"Vento

Pastor das nuvens."

    Mario Quintana