Sobre o Autor

Johann Goethe

Johann Wolfgang von Goethe (28 de Agosto de 1749 em Frankfurt am Main – 22 de Março de 1832 em Weimar). Escritor, cientista e filósofo alemão.

Uma boa colecção de anedotas e máximas é o maior tesouro para o homem experiente, se ele souber entremear as primeiras em lugares convenientes na conversação e lembrar-se das segundas no momento oportuno.

A natureza reservou para si tanta liberdade que não a podemos nunca penetrar completamente com o nosso saber e a nossa ciência.

Não existe meio mais seguro para fugir do mundo do que a arte, e não há forma mais segura de se unir a ele do que a arte.

Quem não sente amor, deve aprender a adular; caso contrário, não consegue viver.

Pensar é fácil. Agir é difícil. Agir conforme o que pensamos, isso ainda o é mais.

Só é digno da liberdade, como da vida, aquele que se empenha em conquistá-la.

Prega-se muito contra os vícios, mas nunca ouvi ninguém condenar do púlpito o mau humor.

Se fosse necessário estudar todas as leis, não teríamos tempo para as transgredir.

Nem sempre está na mão de cada um ser feliz; mas está merecê-lo.

Não se possui o que não se compreende.

A beleza ideal está na simplicidade calma e serena.

O autêntico, o verdadeiro grande talento descobre as suas maiores alegrias na realização.

O mais tolo de todos os erros ocorre quando jovens inteligentes acreditam perder a originalidade ao reconhecer a verdade já reconhecida por outros.

Ingratidão é uma forma de fraqueza. Jamais conheci homem de valor que fosse ingrato.

Amamos as filhas por aquilo que elas são e os filhos por aquilo que prometem vir a ser.

Apenas é digno da vida aquele que todos os dias parte para ela em combate.

Ninguém é mais escravo do que aquele que se julga livre sem o ser.

Falar é uma necessidade, escutar é uma arte.

Todo o nosso saber se reduz a isto: renunciar à nossa existência para podermos existir.

Devemos pagar caro pelos nossos erros se quisermos ver-nos livres deles, e depois podemos até dizer que temos sorte.

A morte é de certa maneira uma impossibilidade, que de repente se torna realidade.

A democracia não corre, mas chega segura ao objetivo.

Gosto daquele que sonha o impossível.

O milagre é o filho predileto da fé.

Quando o interesse diminui, com a memória ocorre o mesmo.

Nada é mais repugnante do que a maioria, pois ela compõe-se de uns poucos antecessores enérgicos; velhacos que se acomodam; de fracos, que se assimilam, e da massa que vai atrás de rastros, sem nem de longe saber o que quer.

Não há arte patriótica nem ciência patriótica. As duas, tal como tudo o que é bom e elevado, pertencem ao mundo inteiro e não podem progredir a não ser pela livre ação recíproca de todos os contemporâneos e tendo sempre em contra aquilo que nos resta e aquilo que conhecemos do passado.

A juventude é a embriaguez sem vinho.

A mais nobre alegria dos homens que pensam é haverem explorado o concebível e reverenciarem em paz o incognoscível.

A amizade é como os títulos honoríficos: quanto mais velha, mais preciosa.