Sobre o Autor

Johann Goethe

Johann Wolfgang von Goethe (28 de Agosto de 1749 em Frankfurt am Main – 22 de Março de 1832 em Weimar). Escritor, cientista e filósofo alemão.

Toda a palavra pronunciada suscita o seu sentido contrário.

Assim como, por costume, olhamos para um relógio parado como se ele ainda estivesse em funcionamento, assim também olhamos para o rosto de uma bela mulher como se ainda a amássemos.

É feliz apenas aquele que dá.

As tuas singularidades são bastante tenazes, cultiva as tuas qualidades.

O destino é um educador estimável, mas é caro.

Uma palavra escrita é semelhante a uma pérola.

Quando se é velho, é preciso ser mais ativo do que quando jovem.

Não devemos moldar os filhos de acordo com os nossos sentimentos; / devemos tê-los e amá-los do modo como nos foram dados por Deus.

Quando um homem não se encontra a si mesmo, não encontra nada.

O ritmo tem algo mágico; chega a fazer-nos acreditar que o sublime nos pertence.

Ideias ousadas são como as peças de xadrez que se movem para a frente; podem ser comidas, mas podem começar um jogo vitorioso.

É suficiente dizer o verdadeiro de uma maneira estranha, para que o estranho acabe por sua vez por parecer verdade.

O belo é uma manifestação de leis secretas da natureza, que, se não se revelassem a nós por meio do belo, permaneceriam eternamente ocultas.

O mais tolo dos todos os erros é quando uma boa cabeça jovem crê perder a sua originalidade ao dar-se conta de uma verdade que já fora descoberta por outros.

A mulher é o único receptáculo que ainda nos resta, onde vazar o nosso idealismo.

Escrever é um ócio muito trabalhoso.

De um modo geral, o homem tem de andar às apalpadelas; não sabe de onde veio nem para onde vai, conhece pouco do mundo e menos ainda de si mesmo.

O homem tem de se esforçar e, ao fazê-lo, tem de errar.

Qual o melhor dos governos? Aquele que nos ensina a governarmo-nos a nós próprios.

Cada um possui na sua natureza alguma coisa que, se a manifestasse em público, suscitaria reprovação.

Devemos cultivar as nossas qualidades, e não as nossas particularidades.

Se tomardes a vida com excessiva severidade, que atracção tem? Se a manhã não vos convidar a novas alegrias e se à noite não esperardes nenhum prazer, valerá a pena vestir-se e despir-se?

Viver muito tempo significa sobreviver a muitos entes amados, odiados, indiferentes.

O que de mais alto recebemos de Deus e da Natureza é a vida, o movimento de rotação em torno de si mesmo, o qual não conhece descanso, nem repouso.

Todas as especulações são pardas, certamente, mas eternamente verde é a árvore de ouro da vida.

Só é possível ensinar uma criança a amar, amando-a.

Quem pensou uma coisa tola ou sensata, que já não tenha pensado o mundo antigo?

Um grande erro: crer-se mais importante do que se é e estimar-se menos do que se vale.

Só conhecemos aqueles que nos fazem sofrer.

A natureza e a arte parecem afastar-se, mas antes que o pensemos já elas se encontraram.