Sobre o Autor

Honoré de Balzac

Honoré de Balzac (20 de maio de 1799 - 18 de agosto de 1850), foi um romancista francês.

Um amante revela a qualquer mulher tudo quanto o marido lhe oculta.

O amante é um arauto que proclama onde existe o mérito, o espírito ou a beleza de uma mulher. Que proclama um marido?

Os pais devem dar sempre para serem felizes. Dar sempre é o que faz que sejamos pais.

Muitos homens têm um orgulho que os leva a ocultar os seus combates e apenas a mostrarem-se vitoriosos.

As pessoas importantes fazem sempre mal em se divertir à custa dos inferiores. A troça é um jogo, e o jogo pressupõe a igualdade.

O dinheiro só é poder quando existente em quantidades desproporcionadas.

Esse privilégio de sentir-se em casa em qualquer lugar pertence apenas aos reis, às prostitutas e aos ladrões.

Os superiores nunca perdoam aos inferiores que ostentam a aparência da sua grandeza.

As pessoas generosas são más comerciantes.

O ódio tem melhor memória do que o amor.

Os avarentos não crêem numa vida por vir, para eles o presente é tudo.

O ódio, tal como o amor, alimenta-se com as menores coisas, tudo lhe cai bem. Assim como a pessoa amada não pode fazer nenhum mal, a pessoa odiada não pode fazer nenhum bem.

Da maciez de uma esponja molhada até à dureza de uma pedra-pomes, existem infinitas nuances. Eis o homem.

Todo aquele que contribui com uma pedra para a edificação das ideias, todo aquele que denuncia um abuso, todo aquele que marca os maus, para que não abusem, esse passa sempre por ser imoral.

As tias, as mães e as irmãs têm uma jurisprudência particular com os seus sobrinhos, os seus filhos e os seus irmãos.

Sentir, amar, sofrer, devotar-se, será sempre o texto da vida das mulheres.

Os homens estimam-vos conforme a vossa utilidade, sem terem em conta o vosso valor.

O pensamento, único tesouro que Deus põe fora do alcance de todo o poder e guarda como um elo secreto entre os infelizes e Ele próprio.

As paixões perdoam tão pouco quanto as leis humanas, e raciocinam com mais justeza: não se apoiam elas numa consciência que lhes é própria, infalível como o é um instinto?

Os negócios não assentam nos sentimentos.

Na vida de um homem não há dois momentos de prazer parecidos, tal como não há duas folhas na mesma árvore exactamente iguais.

O remorso é uma impotência, ele voltará a cometer o mesmo pecado. Apenas o arrependimento é uma força que põe termo a tudo.

Um Eu demasiado poderoso é uma prisão da qual um homem deve evadir-se se deseja gozar plenamente os bens deste mundo.

O poder deixa-nos tal como somos e apenas engrandece os grandes.

O coração das mães é um abismo no fundo do qual se encontra sempre um perdão.

Quando todo o mundo é corcunda, o belo porte torna-se a monstruosidade.

Os pintores só devem pintar com os pincéis na mão.

A ilusão é uma fé desmedida.

Quanto mais criticamos menos amamos.

O bom marido nunca deve ser o primeiro a adormecer à noite, nem o último a acordar pela manhã.