Sobre o Autor

Honoré de Balzac

Honoré de Balzac (20 de maio de 1799 - 18 de agosto de 1850), foi um romancista francês.

Não existem grandes talentos sem grande vontade.

A liberdade de escolha é um direito de todos, mas só alguns a exercem com elegância.

O sentimento que o homem suporta com mais dificuldade é a piedade, principalmente quando a merece. O ódio é um tónico, faz viver, inspira vingança; mas a piedade mata, enfraquece ainda mais a nossa fraqueza.

As mulheres, como as crianças, acham que tudo lhes é devido.

Se não estamos diante dos homens, estamos sempre diante de Deus e temos tanta necessidade de nossa própria estima quanto da do mundo.

A infelicidade tem isto de bom: faz-nos conhecer os verdadeiros amigos.

Nunca um marido será vingado tão bem como pelo amante da sua mulher.

As leis são teias de aranha pelas quais as moscas grandes passam e as pequenas ficam presas.

A Justiça, ninguém ignora, tem a pressa de um cágado manco.

Há algo tocante na associação de dois seres para suportar a vida.

A glória é um veneno que se deve tomar em pequenas doses.

Um marido, como um governo, nunca deve confessar os seus erros.

Para os doentes, o mundo começa na cabeceira e acaba no pé da sua cama.

A glória é o sol dos mortos.

Deve-se deixar a vaidade aos que não têm outra coisa para exibir.

Os escolares preocupam-se em segredo com o mesmo que preocupa as raparigas nos internatos; faça-se o que se fizer, elas falarão sempre do amor, aqueles das mulheres.

Nunca a polícia terá espiões comparáveis aos que se colocam ao serviço do ódio.

O mundo, que não é causador de nenhum bem, é cúmplice de muitas infelicidades; depois, quando vê eclodir o mal que ele maternalmente chocou, renega-o e vinga-se.

Os costumes são a hipocrisia de uma nação.

Não há dor que o sono não possa vencer.

Apenas um homem de génio ou um intriguista se atrevem a dizer: «Fiz mal». O interesse e o talento são os únicos conselheiros conscenciosos e lúcidos.

Ninguém ousa dizer adeus aos seus próprios hábitos. Muitos suicidas detiveram-se no limiar da morte ao pensar no café onde vão todas as noites jogar a sua partida de dominó.

O poder não consiste em bater muito ou muitas vezes, mas em acertar em cheio.

Talvez o amor seja apenas o reconhecimento do prazer.

Engatar uma mulher é de certeza mais fácil do que ver-se livre dela.

A longo prazo uma profissão é como o matrimónio; apenas se sentem os inconvenientes.

Pode-se perdoar, mas esquecer, isso, é impossível.

O homem não é bom nem mau, nasce com instintos e aptidões.

Quando o despotismo está nas leis, a liberdade encontra-se nos costumes, e vice-versa.

A felicidade só cria recordações.