François Chateaubriand foi um escritor e político francês. Suas obras são conhecidas como responsáveis por influenciar o movimento literário romântico.

François Chateaubriand foi um escritor e político francês. Suas obras são conhecidas como responsáveis por influenciar o movimento literário romântico.

Frases e Pensamentos

39 frases no total. Página 2/2, de 31-39

    "O homem que atenta contra os seus dias revela menos o vigor da alma do que a fraqueza da natureza."

        François Chateaubriand

    "Toda a instituição passa por três estágios - utilidade, privilégio, e abuso."

        François Chateaubriand

    "Estamos convencidos de que os grandes escritores colocaram a sua própria história nas suas obras. Pinta-se bem apenas o próprio coração, atribuindo-o a um outro."

        François Chateaubriand

    "A ameaça do mais forte faz-me sempre passar para o lado do mais fraco."

        François Chateaubriand

    "Os bens da Terra apenas servem para escavar a alma e aumentar-lhe o vazio."

        François Chateaubriand

    "Para que toda a energia da alma se desfira, os rigores da adversidade são-lhe de proveito."

        François Chateaubriand

    "Só nos apercebemos do valor dos nossos amigos no momento em que surge a ameaça de os perder."

        François Chateaubriand

    "Depois da liberdade desaparecer, resta um país, mas já não há pátria."

        François Chateaubriand

    "O desejo é o pai do poder."

        François Chateaubriand

Biografia


François-René de Chateaubriand nasceu em 1768, em Saint-Malo (França). Apesar da vocação eclesiástica que sentia desde jovem, ingressou na Marinha. Em 1786 já era sub-tenente e, com o reconhecimento que alcançou, foi apresentado ao rei Luis XVI, passando assim a frequentar a corte de Paris.

Com a eclosão da Revolução Francesa, em 1789, Chateaubriand, ficou desiludido por causa dos massacres feitos em nome da revolução. Embarcou em uma aventura pela América do Norte, em 1791, onde conheceu lugares que o fascinaram e inspiraram.

Voltou para a França um ano depois, mas ainda se encontrava desiludido com os rumos que seu país tomava. Alistou-se no exército contra-revolucionário estacionado na Alemanha. Após uma tentativa de restauração da monarquia, em 1793, Chateaubriand saiu ferido e procurou refúgio na Inglaterra. Lá permaneceu por cerca de 7 anos.

Em 1800, retornou para a França e um ano depois publicou seu primeiro livro "Les Natchez: Atala” ou” Les Amours de Deux Sauvages Dans le Désert”. Livro em que conta a história de amor entre um índio e uma cristã, do território de Luisiana.

Em 1802 foi publicada a obra ”Le Génie du Christianisme” ou “Les Beautés de la Réligion Chrétienne”. Esse é o seu livro mais conhecido, que busca trazer de volta o interesse pelo catolicismo.

Mais uma vez envolvido com a política, se colocou a serviço de Napoleão Bonaparte e foi nomeado embaixador francês em Roma, em 1803. Mas, com o assassinado do Duque Enghien, foi demitido e distanciou-se de Napoleão.

Chateaubriand iniciou uma outra viagem, visitando lugares como Grécia, Turquia e Egito, em busca de lugares onde a fé cristã teve início.

Dessa viagem foi publicado “Les Martyrs”, ou “Le Triomphe de la Réligion Chrétienne”, em 1809.

Em 1811, Chateaubriand foi eleito membro da Academia Francesa, além de ser nomeado Par de França e Ministro do Estado, após a derrota de Napoleão, em 1848.

O político e escritor faleceu pouco tempo depois.

"As coisas muito claras me noturnam."

    Manoel de Barros

"Onde não puderes amar, não te demores..."

    Augusto Branco

"Eu não desisti...apenas não insisto mais."

    Cazuza

"Fácil é sonhar todas as noites. Difícil é lutar por um sonho."

    Carlos Drummond de Andrade

"Soltar os demônios pode ser muito educativo em certas ocasiões."

    Deepak Chopra

"Todo o homem é culpado do bem que não fez."

    Voltaire

"O sexo é o alívio da tensão. O amor é a causa"

    Woody Allen

"Os mentirosos estão sempre prontos a jurar."

    Vittorio Alfieri

"Vento

Pastor das nuvens."

    Mario Quintana

"A maior felicidade é quando a pessoa sabe porque é que é infeliz."

    Fiódor Dostoiévski