Fernando Pessoa foi um poeta e escritor português, nascido em Lisboa. É considerado um dos maiores poetas da língua portuguesa e da literatura universal.

Fernando Pessoa foi um poeta e escritor português, nascido em Lisboa. É considerado um dos maiores poetas da língua portuguesa e da literatura universal.

Frases e Pensamentos

596 frases no total. Página 1/20, de 1-30

    "POEMA 165
    Tenho tanto sentimento
    Que é frequente persuadir-me
    De que sou sentimental,
    Mas reconheço, ao medir-me,
    Que tudo isso é pensamento,
    Que não senti afinal.

    Temos, todos que vivemos,
    Uma vida que é vivida.
    E outra vida que é pensada.
    E a única vida que temos
    É essa que é dividida

    Entre a verdadeira e a errada.

    Qual, porém, é verdadeira

    E qual errada, ninguém

    Nos saberá explicar;

    E vivemos de maneira

    Que a vida que a gente tem

    É a que tem que pensar."

        Fernando Pessoa

    "Não tenho a pretensão de que todas as pessoas que gosto, gostem de mim,
    nem que eu faça a falta que elas me fazem. O importante pra mim é saber que eu, em algum momento, fui insubstituível, e que esse momento será inesquecível."

        Fernando Pessoa

    "VIAJAR! PERDER PAÍSES!

    Viajar! Perder países!
    Ser outro constantemente,
    Por a alma não ter raízes
    De viver de ver somente!

    Não pertencer nem a mim!
    Ir em frente, ir a seguir
    A ausência de ter um fim,
    E a ânsia de o conseguir!

    Viajar assim é viagem.
    Mas faço-o sem ter de meu
    Mais que o sonho da passagem.
    O resto é só terra e céu."

        Fernando Pessoa

    "Quero tudo novo de novo. Quero não sentir medo. Quero me entregar mais, me jogar mais, amar mais. Viajar até cansar. Quero sair pelo mundo. Quero fins de semana de praia. Aproveitar os amigos e abraçá-los mais. Quero ver mais filmes, ler mais. Sair mais. Quero não me atrasar tanto, nem me preocupar tanto. Quero morar sozinha, quero ter momentos de paz. Sorrir mais, chorar menos e ajudar mais. Quero ser feliz, quero sossego. Quero me olhar mais. Tomar mais sol e mais banho de chuva. Preciso me concentrar mais, delirar mais. Não quero esperar mais. Quero fazer mais, suar mais, cantar mais e mais. Quero conhecer mais pessoas. Quero olhar para frente. Quero pedir menos desculpas, sentir menos culpa. Quero mais chão, pouco vão e mais bolinhas de sabão. Quero ousar mais. Experimentar mais. Quero menos ”mas”. Quero não sentir tanta saudade. Quero mais e tudo o mais. E o resto que venha se vier, ou tiver que vir, ou não venha."

        Fernando Pessoa

    "Nem sempre um ponto final é um ponto final. É possível, sempre, começar um novo parágrafo, por isso Se achar que precisa voltar, volte! Se perceber que precisa seguir, siga! Se estiver tudo errado, comece novamente. Se estiver tudo certo, continue. Se sentir saudades, mate-a. Se perder um amor, não se perca! Se o achar, segure-o!"

        Fernando Pessoa

    "O homem não deve poder ver a sua própria cara. Isso é o que há de mais terrível. A Natureza deu-lhe o dom de não a poder ver, assim como de não poder fitar os seus próprios olhos. Só na água dos rios e dos lagos ele podia fitar seu rosto. E a postura, mesmo, que tinha de tomar, era simbólica. Tinha de se curvar, de se baixar para cometer a ignomínia de se ver.
    O criador do espelho envenenou a alma humana."

        Fernando Pessoa

    "O mundo é de quem não sente. A condição essencial para se ser um homem prático é a ausência de sensibilidade. A qualidade principal na prática da vida é aquela qualidade que conduz à acção, isto é, a vontade. Ora há duas coisas que estorvam a acção - a sensibilidade e o pensamento analítico, que não é, afinal, mais que o pensamento com sensibilidade. Toda a acção é, por sua natureza, a projecção da personalidade sobre o mundo externo, e como o mundo externo é em grande e principal parte composto por entes humanos, segue que essa projecção da personalidade é essencialmente o atravessarmo-nos no caminho alhieo, o estorvar, ferir e esmagar os outros, conforme o nosso modo de agir.

    Para agir é, pois, preciso que nos não figuremos com facilidade as personalidades alheias, as suas dores e alegrias. Quem simpatiza pára. O homem de acção considera o mundo externo como composto exclusivamente de matéria inerte - ou inerte em si mesma, como uma pedra sobre que passa ou que afasta do caminho; ou inerte como um ente humano que, porque não lhe pôde resistir, tanto faz que fosse homem como pedra, pois, como à pedra, ou se afastou ou se passou por cima."

        Fernando Pessoa

    "I do not know reason to love you more than love you.
    What do you want to tell you more than love,
    If you want to tell you is that love?
    .................................................. ...................
    When you talk, it hurts me that respondas
    To which I say and not to my love.
    .................................................. ...................
    Ah! do not ask anything, before I speak
    Insomuch that, if I was deaf,
    You hear all the heart.

    If I see you do not know who I am: I love.
    If I fault [...]
    ... But you do, love, for me faltares
    Even though me, because questions -
    When should you love. If you do not love,
    It shows you indifferent or do not want,
    But thou art like nobody was
    For search for love is not love,
    And, if I search, it is as if I were only
    Someone to tell you who you love.
    .................................................. ...................
    When I saw you I loved you long before:
    Again I find you when I met you.
    Born to you before the world.
    There is no thing happy or happy hour
    I have had in life by
    That was not because I foresaw,
    Because You Were Sleeping her future.
    .................................................. ...................
    And I knew him only later, when I saw you,
    And I had the best sense to me,
    And my background was as a strada
    Illuminated from the front when
    The car turns the corner with lanterns
    The way and now the night is all human.
    .................................................. ...................
    When I was little, I feel
    I loved you as far, but far ...
    .................................................. ...................
    Love, says any thing that I feel!
    - I understand you do not feel well,
    Oh my heart outside!
    Fate, daughter of destiny
    And the laws that are in the bottom of this world!
    What art thou to me that I understand the point
    From the feel ...?"

        Fernando Pessoa

    "Há em Tudo que Fazemos.
    Uma razão singular;
    É que não é o que queremos.
    Faz-se porque nós Vivemos.
    e viver é não pensar.

    Se alguém pensasse na vida;
    Morria de pensamento.
    Por isso a vida vivida
    É essa coisa esquecida.
    Entre um momento e um momento.

    Mas nada importa que o seja
    Ou até que deixe de o ser
    Mal é que a moral nos reja.
    Bom é que ninguém nos veja.
    Entre isso Fica Viver."

        Fernando Pessoa

    "Eu ja disse, mas vou repetir:
    Não se represa um rio,
    Não se engana a natureza,
    Faça a represa o que quiser,
    Pois o rio cedo ou tarde vai arranjar um jeito de rasgar a terra,
    Abrir um caminho,
    E voltar a correr em seu leito de origem"

        Fernando Pessoa

    "Cai chuva do céu cinzento Que não tem razão de ser. Até o meu pensamento Tem chuva nele a escorrer. Tenho uma grande tristeza Acrescentada à que sinto. Quero dizer-ma mas pesa O quanto comigo minto. Porque verdadeiramente Não sei se estou triste ou não. E a chuva cai levemente (Porque Verlaine consente) Dentro do meu coração."

        Fernando Pessoa

    "AMO COMO AMA O AMOR.
    NÃO CONHEÇO OUTRA RAZÃO PARA AMAR SENÃO AMAR.
    QUE QUERES QUE TE DIGA,ÁLEM DE QUE TE AMO,SE O QUE QUERO TE DIZER É QUE TE AMO.."

        Fernando Pessoa

    "Enquanto não atravessarmos a dor de nossa própria solidão,
    continuaremos a nos buscar em outras metades.
    Para viver a dois, antes, é necessário ser um."

        Fernando Pessoa

    "Há tanta suavidade em nada dizer e tudo se entender."

        Fernando Pessoa

    "O amor é bom, mas é melhor o sono."

        Fernando Pessoa

    "Ser feliz é encontrar força no perdão, esperanças nas batalhas, segurança no palco do medo, amor nos desencontros. É agradecer a Deus a cada minuto pelo milagre da vida. -"

        Fernando Pessoa

    "Com uma tal falta de gente coexistível, como há hoje, que pode um homem de sensibilidade fazer senão inventar os seus amigos, ou quando menos, os seus companheiros de espírito?"

        Fernando Pessoa

    "“É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos."

        Fernando Pessoa

    "Tiago,meu filho minha vida!!"

        Fernando Pessoa

    "Já não me importo

    Já não me importo
    Até com o que amo ou creio amar.
    Sou um navio que chegou a um porto
    E cujo movimento é ali estar.

    Nada me resta
    Do que"

        Fernando Pessoa

    "A maior empresa do mundo, é a minha vida..."

        Fernando Pessoa

    "Não me indigno, porque a indignação é para os fortes; não me resigno, porque a resignação é para os nobres; não me calo, porque o silêncio é para os grandes. E eu não sou forte, nem nobre, nem grande. Sofro e sonho. Queixo-me porque sou fraco e, porque sou artista, entretenho-me a tecer musicais as minhas queixas e a arranjar meus sonhos conforme me parece melhor a minha ideia de os achar belos.

    Só lamento o não ser criança, para que pudesse crer nos meus sonhos. Eu não sou pessimista, sou triste."

        Fernando Pessoa

    "Quem escreverá a história do que poderia ter sido o irreparável do meu passado; Este é o cadáver.
    Se a certa altura eu tivesse me voltado para a esquerda, ao invés de para direita; Se em certo momento eu tivesse dito não, ao invés que sim; Se em certas conversas eu tivesse dito as frases que só hoje elaboro; Seria outro hoje, e talvez o universo inteiro seria insensivelmente levado a ser outro tambem..."

        Fernando Pessoa

    "Ai que prazer
    não cumprir um dever.
    Ter um livro para ler
    e não o fazer!
    Ler é maçada,
    estudar é nada.
    O sol doira sem literatura.
    O rio corre bem ou mal,
    sem edição original.
    E a brisa, essa, de tão naturalmente matinal
    como tem tempo, não tem pressa...

    Livros são papéis pintados com tinta.
    Estudar é uma coisa em que está indistinta
    A distinção entre nada e coisa nenhuma.

    Quanto melhor é quando há bruma.
    Esperar por D. Sebastião,
    Quer venha ou não!

    Grande é a poesia, a bondade e as danças...
    Mas o melhor do mundo são as crianças,
    Flores, música, o luar, e o sol que peca
    Só quando, em vez de criar, seca.

    E mais do que isto
    É Jesus Cristo,
    Que não sabia nada de finanças,
    Nem consta que tivesse biblioteca..."

        Fernando Pessoa

    "Quando eu não te tinha
    Amava a natureza como um monge calmo a Cristo...
    Agora amo a natureza como um monge calmo a Virgem Maria...
    Religiosamente, a meu modo, como antes,
    Mas de outra maneira, mais comovida e mais próxima...
    Vejo melhor os rios quando vou contigo
    Pelos campos à beira dos rios;
    Sentado a teu lado reparando nas nuvens
    Reparo nelas melhor...
    Tu não me tiraste a natureza...
    Tu mudaste a Natureza...
    Trouxeste a Natureza para o pé de mim.
    Por tu me amares, amo-a do mesmo modo, mas mais,
    Porque tu me escolhestes para te ter e te amar,

    Os meus olhos fitaram-na mais demoradamente
    Sobre todas as coisas.
    Não me arrependo do que fui outrora
    Porque ainda o sou..."

        Fernando Pessoa

    "Se achar que precisa voltar, volte. Se perceber que precisa seguir, siga. Se estiver tudo errado, comece novamente. Se estiver tudo certo, continue. Se sentir saudade, mate-a. Se perder um amor, não se perca. Se achá-lo, segure-o."

        Fernando Pessoa

    "Quem você ama é a maior jóia que você possui, a mais valiosa. Não importa se a estação do ano muda, se o século vira e se o milênio é outro, se a idade aumenta; conserve a vontade de viver, não se chega à parte alguma sem ela. Abra todas as janelas que encontrar e as portas também. Persiga um sonho, mas não deixe ele viver sozinho. Alimente sua alma com amor, cure suas feridas com carinho....
    Procure os seus caminhos, mas não magoe ninguém nessa procura. Arrependa-se, volte atrás, peça perdão! Não se acostume com o que não o faz feliz, revolte-se quando julgar necessário. Alague seu coração de esperanças, mas não deixe que ele se afogue nelas.

    Se achar que precisa voltar, volte! Se perceber que precisa seguir, siga!
    Se estiver tudo errado, comece novamente.
    Se estiver tudo certo, continue.
    Se sentir saudades, mate-a.
    Se perder um amor, não se perca!
    Se achá-lo, segure-o!

    “Circunda-te de rosas, ama, bebe e cala. O mais é nada”."

        Fernando Pessoa

    "Num meio-dia de fim de primavera eu tive um sonho como
    uma fotografia: eu vi Jesus Cristo descer à Terra.
    Ele veio pela encosta de um monte, mas era outra vez
    menino, a correr e a rolar-se pela erva
    A arrancar flores para deitar fora, e a rir de modo a
    ouvir-se de longe.
    Ele tinha fugido do céu. Era nosso demais pra
    fingir-se de Segunda pessoa da Trindade.
    Um dia que DEUS estava dormindo e o Espírito Santo
    andava a voar, Ele foi até a caixa dos milagres e
    roubou três.
    Com o primeiro Ele fez com que ninguém soubesse que
    Ele tinha fugido; com o segundo Ele se criou
    eternamente humano e menino; e com o terceiro Ele
    criou um Cristo eternamente na cruz e deixou-o pregado
    na cruz que há no céu e serve de modelo às outras.
    Depois Ele fugiu para o Sol e desceu pelo primeiro
    raio que apanhou.
    Hoje Ele vive na minha aldeia, comigo. É uma criança
    bonita, de riso natural.
    Limpa o nariz com o braço direito, chapinha nas poças
    dágua, colhe as flores, gosta delas, esquece.
    Atira pedras aos burros, colhe as frutas nos pomares,
    e foge a chorar e a gritar dos cães.
    Só porque sabe que elas não gostam, e toda gente acha
    graça, Ele corre atrás das raparigas que levam as
    bilhas na cabeça e levanta-lhes a saia.
    A mim, Ele me ensinou tudo. Ele me ensinou a olhar
    para as coisas. Ele me aponta todas as cores que há
    nas flores e me mostra como as pedras são engraçadas
    quando a gente as tem na mão e olha devagar para
    elas.
    Damo-nos tão bem um com o outro na companhia de tudo
    que nunca pensamos um no outro. Vivemos juntos os dois
    com um acordo íntimo, como a mão direita e a esquerda.
    Ao anoitecer nós brincamos as cinco pedrinhas no
    degrau da porta de casa. Graves, como convém a um DEUS
    e a um poeta. Como se cada pedra fosse todo o Universo
    e fosse por isso um perigo muito grande deixá-la cair
    no chão.
    Depois eu lhe conto histórias das coisas só dos
    homens. E Ele sorri, porque tudo é incrível. Ele ri
    dos reis e dos que não são reis. E tem pena de ouvir
    falar das guerras e dos comércios.
    Depois Ele adormece e eu o levo no colo para dentro da
    minha casa, deito-o na minha cama, despindo-o
    lentamente, como seguindo um ritual todo humano e todo
    materno até Ele estar nu.
    Ele dorme dentro da minha alma. Às vezes Ele acorda de
    noite, brinca com meus sonhos. Vira uns de pena pro ar,
    põe uns por cima dos outros, e bate palmas, sozinho,
    sorrindo para os meus sonhos.
    Quando eu morrer, Filhinho, seja eu a criança, o mais
    pequeno, pega-me Tu ao colo, leva-me para dentro a Tua
    casa. Deita-me na tua cama. Despe o meu ser, cansado e
    humano. Conta-me histórias caso eu acorde para eu
    tornar a adormecer, e dá-me sonhos Teus para eu
    brincar."

        Fernando Pessoa

    "NÃO SE ACOSTUME COM O QUE NÃO O FAZ FELIZ , revolte-se quando julgar necessário.Alague seu coração de esperanças, mas não deixe que ele se afogue nelas.Se achar que precisa voltar, VOLTE!Se perceber que precisa seguir, SIGA!Se estiver tudo errado, COMECE NOVAMENTE.Se estiver tudo certo, CONTINUE.Se sentir saudades, MATE-A.Se perder um amor, NÃO SE PERCA!Se achá-lo, SEGURE-O!"

        Fernando Pessoa

    "Quero ser o teu amor amigo. Nem demais e nem de menos.
    Nem tão longe e nem tão perto.
    Na medida mais precisa que eu puder.
    Mas amar-te sem medida e ficar na tua vida,
    Da maneira mais discreta que eu souber.
    Sem tirar-te a liberdade, sem jamais te sufocar.
    Sem forçar tua vontade.
    Sem falar, quando for hora de calar.
    E sem calar, quando for hora de falar.
    Nem ausente, nem presente por demais.
    Simplesmente, calmamente, ser-te paz.
    É bonito ser amor amigo, mas confesso é tão difícil aprender!
    E por isso eu te suplico paciência.
    Vou encher este teu rosto de lembranças,
    Dá-me tempo, de acertar nossas distâncias..."

        Fernando Pessoa

Biografia


Fernando Pessoa (1888 - 1935) foi um poeta e escritor português, nascido em Lisboa. É considerado um dos maiores poetas da língua portuguesa e da literatura universal.

Aos seis anos de idade, Fernando Pessoa foi para a África do Sul, onde aprendeu perfeitamente o inglês, e das quatro obras que publicou em vida, três são em inglês. Durante sua vida, Fernando Pessoa trabalhou em vários lugares como correspondente de língua inglesa e francesa. Foi também empresário, editor, crítico literário, jornalista, comentador político, tradutor, inventor, astrólogo e publicitário, e ao mesmo tempo produzia suas obras em verso e prosa.

Como poeta, era conhecido por suas múltiplas personalidades, os heterónimos, que eram e são até hoje objeto da maior parte dos estudos sobre sua vida e sua obra.

Fernando Pessoa faleceu em Lisboa, com 47 anos anos de idade, vítima de uma cólica hepática causada por um cálculo biliar associado a cirrose hepática, um diagnóstico hoje é dia é contestado por diversos médicos.

Os principais heterônimos de Fernando Pessoa são:

- Alberto Caeiro, nascido em Lisboa, e era o mais objetivo dos heterônimos. Buscava o objetivismo absoluto, eliminando todos os vestígios da subjetividade. É o poeta que busca "as sensações das coisas tais como são". Opõe-se radicalmente ao intelectualismo, à abstração, à especulação metafísica e ao misticismo. É o menos "culto" dos heterônimos, o que menos conhece a Gramática e a Literatura.

- Ricardo Reis, nascido no Porto, representa a vertente clássica ou neoclássica da criação de Fernando Pessoa. Sua linguagem é contida, disciplinada. Seus versos são, geralmente, curtos. Apóia-se na mitologia greco-romana; é adepto do estoicismo e do epicurismo (saúde do corpo e da mente, equilíbrio, harmonia) para que se possa aproveitar a vida, porque a morte está à espreita. É um médico que se mudou para o Brasil.

- Álvaro de Campos, nascido no Porto, é o lado "moderno" de Fernando Pessoa, caracterizado por uma vontade de conquista, por um amor à civilização e ao progresso. Campos era um engenheiro inativo, inadaptado, com consciência crítica.

"Onde não puderes amar, não te demores..."

    Augusto Branco

"As coisas muito claras me noturnam."

    Manoel de Barros

"Eu não desisti...apenas não insisto mais."

    Cazuza

"Fácil é sonhar todas as noites. Difícil é lutar por um sonho."

    Carlos Drummond de Andrade

"Os mentirosos estão sempre prontos a jurar."

    Vittorio Alfieri

"Soltar os demônios pode ser muito educativo em certas ocasiões."

    Deepak Chopra

"Todo o homem é culpado do bem que não fez."

    Voltaire

"O sexo é o alívio da tensão. O amor é a causa"

    Woody Allen

"A maior felicidade é quando a pessoa sabe porque é que é infeliz."

    Fiódor Dostoiévski

"Vento

Pastor das nuvens."

    Mario Quintana