Livros de Fernando Anitelli

Sobre o Autor

Fernando Anitelli

Fernando Anitelli é um músico, compositor, ator e o responsável pela crianção do Teatro Mágico, projeto inspirado no livro do escritor alemão Hermann Hesse.

Melhores Livros de Fernando Anitelli

Quem tem medo assimila toda forma de expressão como protesto!

Me faça rir, me faça feliz

Daquilo que é óbvio, daquilo que nos faz um tanto bem maior, daquilo que nos faz amadurecer diariamente: A capacidade que a gente tem de olhar no olho, de agradecer, de poder dialogar, críticar com sensibilidade, com coragem. Que a gente saiba valorizar cada momento nosso, porque todo mundo aqui já está automaticamente em extinção; Só existe um de cada um de nós. Que a gente saiba cuidar muito disso…

Daquilo que é óbvio, daquilo que nos faz um tanto bem maior, daquilo que nos faz amadurecer diariamente: A capacidade que a gente tem de olhar no olho, de agradecer, de poder dialogar, críticar com sensibilidade, com coragem. Que a gente saiba valorizar cada momento nosso, porque todo mundo aqui já está automaticamente em extinção; Só existe um de cada um de nós. Que a gente saiba cuidar muito disso, por isso, nesse momento, a trupe aqui em baixo se junta com todos vocês e apresenta com muito carinho,vocês: - Só enquanto eu respirar, vou me lembrar de você, só enquanto eu respirar.

Pelo retrovisor enxergamos tudo ao contrário Letras, lados, lestes O relógio de pulso pula de uma mão para outra E na verdade nada muda. Retrovisor é passado, é de vez em quando do meu lado Nunca é na frente É o segundo mais tarde, próximo, seguinte É o que passou e muitas vezes ninguém viu... Retrovisor nos mostra o que ficou O que partiu, o que agora só ficou no pensamento Retrovisor é mesmice em trânsito lento Retrovisor mostra meus olhos com lembranças mal resolvidas Mostra as ruas que escolhi Calçadas e avenidas Deixa explícito que se for pra frente Coisas ficarão pra trás A gente só nunca sabe que coisas são essa...

Cê me inspira pra eu te respirar! Todo sopro q apaga uma chama reacende o que for pra ficar... Sonho parece verdade Quando a gente esquece de acordar E o dia parece metade Quando a gente acorda e esquece de levantar... Amanheça brilhando mais forte Basta as penas que eu mesmo sinto de mim Junto todas crio asas viro querubim Da luta não me retiro, me atiro do alto e que me atirem no peito, da luta nao me retiro Viva a tua maneira, Não perca a estribeira, Saiba do teu valor Teu sorriso eu vou deixar na estante para eu ter um dia melhor... todo sopro que apaga uma chama, reacende o que for pra ficar. que o teu afeto me afetou, é fato! os opostos se distraem, os dispostos se atraem. Quero você inteiro e a minha metade de volta. Você pra mim mostrou, que eu não sou sozinha nesse mundo. De repente toda mágica se acabou e na nossa casinha apertada ta faltando graça e ta sobrando espaço

A Fé Solúvel É, me esqueci da luz da cozinha acesa de fechar a geladeira De limpar os pés, Me esqueci Jesus! De anotar os recados Todas janelas abertas, onde eu guardei a fé... em nós Meu café em pó solúvel Minha fé deu nó Minha fé em pó solúvel É... meu computador Apagou minha memória Meus textos da madrugada Tudo o que eu já salvei E o tanto que eu vou salvar Das conversas sem pressa Das mais bonitas mentiras Hoje eu não vivo só... em paz Hoje eu vivo em paz sozinho Muitos passarão Outros tantos passarinho Muitos passarão Que o teu afeto me afetou é fato Agora faça me um favor Um favor... por favor A razão é como uma equação De matemática... tira a prática De sermos... um pouco mais de nós! Que o teu afeto me afetou é fato Agora faça me um favor Um favor... por favor

[...] em cada gesto a gente tem que mostrar aquilo que a gente pensa, a nossa indignação da maneira que for. Mas que ela seja bem vinda, senão ela se torna o mérito e o monstro.

Pra dilatarmos a alma Temos que nos desfazer Pra nos tornarmos imortais A gente tem que aprender a morrer Com tudo aquilo que fomos E tudo aquilo que somos nós

Que nesse encontro que acontece agora, cada um possa se encontrar no outro. Até porque tem horas que a gente se pergunta, por que é que não se junta tudo numa coisa só?

... E pra minha poesia é o ponto final É o ponto em que recomeço, Recanto e despeço da magia que balança o mundo Bailarina, soldado de chumbo

Por que que o mar não se apaixona por uma lagoa? - Porque a gente nunca sabe de quem vai gostar.

O poeta pena quando cai o pano E o pano cai Acordes em oferta, cordel em promoção A Prosa presa em papel de bala Música rara em liquidação

Talento provado em papel moeda Poesia metamorfoseada em cifrão.

Eu sinto que sei que sou um tanto bem maior !

Certo é estar perto sem estar.

Um sorriso por Ingresso.

Um sorriso por ingresso, falta assunto, falta acesso, talento traduzido em cédula, e a célula tronco é Célula mãe solteira.

Não há de ser nada pois sei que a madrugada acaba quando a lua se põe...

Perto é estar perto sem estar.

Música Rara em Liquidação.

E quando o nó cegar, deixa desatar em nós, solta a prosa presa, a luz acesa, LÁ SI DÓrmi um SOL em MIm maior. Eu sinto que sei que sou um tanto bem maior.

Descobrir o verdadeiro sentido das coisas. É querer saber demais. Querer saber demais ....

Que o teu afeto me afetou é fato Agora faça me um favor Um favor... por favor

Que o teu afeto me afetou é fato, agora faça-me um favor...

Os olhos mentem dia e noite a dor da gente.

Metade de mim agora é assim, de um lado a poesia o verbo a saudade, do outro a luta, a força e a coragem pra chegar no fim. E o fim é belo, incerto... depende de como você vê!

O anjo mais velho O dia mente a cor da noite E o diamante a cor dos olhos Os olhos mentem dia e noite a dor da gente Enquanto houver você do outro lado Aqui do outro eu consigo me orientar A cena repete a cena se inverte enchendo a minha alma daquilo que outrora eu deixei de acreditar tua palavra, tua história tua verdade fazendo escola e tua ausência fazendo silêncio em todo lugar metade de mim agora é assim de um lado a poesia o verbo a saudade do outro a luta, a força e a coragem pra chegar no fim e o fim é belo incerto... depende de como você vê o novo, o credo, a fé que você deposita em você e só Só enquanto eu respirar Vou me lembrar de você

O que é O Teatro Mágico? Ninguém pode falar sem nunca ter ouvido, Ninguém pode falar sem nunca ter sentido. Talvez se entendêssemos de que se trata esse ‘tal Teatro Mágico’ Perderíamos a Graça, a Claudia, a Marta. O Teatro Mágico não é pra se entender O Teatro Mágico é pra se sentir, para se viver. Teatro Mágico é aquele sorriso involuntário voluta o ario lutario rio sem medir. O choro de vida da senhora guardado no coração corar a são É dar a mão, o pão, deixar-se levar pela emoção Deixar livre o coração, a imaginação. É a união do serumano Ser humano O Teatro Mágico é cada um de nós É conhecer o seu eu, teu, ateu, tua, nua, pura, rua. Vamos cada um de nós, fazermos o nosso Teatro Mágico De risos, choros e abraços compartilhados. Cantos e encantos e momentos tantos. Vamos camarada Vamos pra luta. Mas não a luta armada E sim a luta amada A luta daqueles que têm no coração o poder da criação, A força da imaginação. Vem, vem que eu seguro a tua mão.

Tem beijo que parece mordida Tem mordida que parece carinho Tem carinho que parece briga Tem briga que aparece pra trazer sorriso Tem sorriso que parece choro Tem choro que é por alegria Tem dia que parece noite E a tristeza parece poesia Tem motivo pra viver de novo Tem o novo que quer ter motivo Tem aquele que parece feio Mas o coração nos diz que é o mais bonito