Clarice Lispector, nascida Haia Pinkhasovna Lispector (Tchetchelnik, 10 de dezembro de 1920 — Rio de Janeiro, 9 de dezembro de 1977) foi uma escritora e jornalista brasileira, nascida na Ucrânia e naturalizada brasileira.

Clarice Lispector, nascida Haia Pinkhasovna Lispector (Tchetchelnik, 10 de dezembro de 1920 — Rio de Janeiro, 9 de dezembro de 1977) foi uma escritora e jornalista brasileira, nascida na Ucrânia e naturalizada brasileira.

Frases e Pensamentos

56 frases no total. Página 1/2, de 1-30

    "Solidão? O que acontece é que a gente procura os outros para se livrar de si mesma. A intolerável companhia que eu me faço. Preciso dos outros para não chegar àquele ponto altamente intolerável do encontro comigo. Eu sou exatamente: zero. E tanto se me dá. Conselho: fique de vez em quando sozinho, senão você será submergido. Até o amor excessivo dos outros pode submergir uma pessoa."

        Clarice Lispector

    "Sonhe com aquilo que você quer ser, porque você possui apenas uma vida e nela só se tem uma chance de fazer aquilo que quer.

    Tenha felicidade bastante para fazê-la doce. Dificuldades para fazê-la forte. Tristeza para fazê-la humana.E esperança suficiente para fazê-la feliz.

    As pessoas mais felizes não tem as melhores coisas. Elas sabem fazer o melhor das oportunidades que aparecem em seus caminhos.

    A felicidade aparece para aqueles que choram. Para aqueles que se machucam
    Para aqueles que buscam e tentam sempre. E para aqueles que reconhecem a importância das pessoas que passaram por sua vida."

        Clarice Lispector

    "Há Momentos

    Há momentos na vida em que sentimos tanto
    a falta de alguém que o que mais queremos
    é tirar esta pessoa de nossos sonhos
    e abraçá-la.

    Sonhe com aquilo que você quiser.
    Seja o que você quer ser,
    porque você possui apenas uma vida
    e nela só se tem uma chance
    de fazer aquilo que se quer.

    Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.
    Dificuldades para fazê-la forte.
    Tristeza para fazê-la humana.
    E esperança suficiente para fazê-la feliz."

        Clarice Lispector

    "E aquela maldadezinha que é de quem tem um corpo"

        Clarice Lispector

    "Perder tambem e o caminho."

        Clarice Lispector

    "Nem sempre consigo perdoar. Não espere me perder para sentir minha falta. Não me deixe ir, posso não mais voltar."

        Clarice Lispector

    "Trata-se de saber se devo prosseguir nos meus impulsos. E até que ponto posso controlá-los. [...] Deverei continuar a acertar e a errar, aceitando os resultados resignadamente? Ou devo lutar e tornar-me uma pessoa mais adulta? E também tenho medo de tornar-me adulta demais: eu perderia um dos prazeres do que é um jogo infantil, do que tantas vezes é uma alegria pura. Vou pensar no assunto. E certamente o resultado ainda virá sob a forma de um impulso. Não sou madura bastante ainda. Ou nunca serei."

        Clarice Lispector

    "Sou o que se chama de pessoa impulsiva. Como descrever? Acho que assim: vem-me uma idéia ou sentimento e eu, em vez de refletir sobre o que me veio, ajo quase que imediatamente. O resultado tem sido meio a meio: às vezes acontece que agi sob uma intuição, dessas que não falham, às vezes erro completamente, o que prova que não se tratava de intuição, mas de simples infantilidade.
    Trata se de saber se devo prosseguir nos meus impulsos, e até que ponto posso control=a-los. Há um perigo! Se reflito demais, deixo de agir. E muitas vezes prova-se depois que eu deveria ter agido. Estou num impasse"

        Clarice Lispector

    "E depois de uma tarde de quem sou eu
    E de acordar a uma hora da madrugada em desespero...
    Eis que as três horas da madrugada eu me acordei
    E me encontrei
    Simplesmente isso:
    Eu me encontrei calma, alegre
    Plenitude sem fulminação
    Simplesmente isso
    Eu sou eu
    E você é você
    É lindo, é vasto
    Vai durar
    Eu sei mais ou menos
    O que vou fazer em seguida
    Mas por enquanto
    Olha pra mim e me ama
    Não
    Tu olhas pra ti e te amas
    É o que está certo."

        Clarice Lispector

    "Minhas Paixões são Ardentes;

    Minhas dores de cotovelo, de querer morrer;

    Louca do tipo Desvairada;

    Briguenta de tô de mal pra sempre;

    Durmo treze horas seguidas;

    Meus Amigos são Semi-irmãos;

    Meus Amores são sempre Eternos e meus Dramas,

    Mexicanos!"

        Clarice Lispector

    "Será horrível demais querer se aproximar dentro de si mesmo do límpido eu? Sim, e é quando o eu passa a não existir mais, a não reivindicar nada, passa a fazer parte da árvore da vida — é por isso que luto por alcançar. Esquecer-se de si mesmo e no entanto viver tão intensamente."

        Clarice Lispector

    "Para escrever tenho que me colocar no vazio. Neste vazio é que existo intuitivamente. Mas é um vazio terrivelmente perigoso: dele arranco sangue. Sou um escritor que tem medo da cilada das palavras: as palavras que digo escondem outras — quais? talvez as diga. Escrever é uma pedra lançada no poço fundo."

        Clarice Lispector

    "Meu problema é o medo de ficar louco. Tenho que me controlar. Existem leis que regem a comunicação. A impessoalidade é uma condição. A separatividade e a ignorância são o pecado num sentido geral. E a loucura é a tentação de ser totalmente o poder."

        Clarice Lispector

    "Deus não deve ser pensado jamais senão Ele foge ou eu fujo. Deus deve ser ignorado e sentido. Então Ele age. Pergunto-me: por que Deus pede tanto que seja amado por nós? Resposta possível: porque assim nós amamos a nós mesmos e em nos amando, nós nos perdoamos. E como precisamos de perdão. Porque a própria vida já vem mesclada ao erro."

        Clarice Lispector

    "Vida não tem adjetivo. É uma mistura em cadinho estranho mas que me dá em última análise, em respirar. E às vezes arfar. E às vezes mal poder respirar. É. Mas às vezes
    há também o profundo hausto de ar que até atinge o fino frio do espírito, preso ao corpo por enquanto."

        Clarice Lispector

    "O sofrimento é sempre um encontro consigo mesmo: sofrer amadurece"

        Clarice Lispector

    "E foi tão corpo que foi puro espírito."

        Clarice Lispector

    "Estou bastante acostumada a estar só, mesmo junto dos outros."

        Clarice Lispector

    "Eu escrevo como se fosse para salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida. Viver é uma espécie de loucura que a morte faz."

        Clarice Lispector

    "De repente as coisas não precisam mais fazer sentido. Satisfaço-me em ser. Tu és? Tenho certeza que sim."

        Clarice Lispector

    "Redondo sem início e sem fim, eu sou o ponto antes do zero e do ponto final."

        Clarice Lispector

    "Eu sempre fui e imediatamente não era mais."

        Clarice Lispector

    "O tempo não existe. O que chamamos de tempo é o movimento de evolução das coisas, mas o tempo em si não existe. Ou existe imutável e nele nos transladamos."

        Clarice Lispector

    "Eu queria escrever um livro. Mas onde estão as palavras? Esgotaram-se os significados."

        Clarice Lispector

    "Escrevo muito simples e muito nu. Por isso fere. Sou uma paisagem cinzenta e azul. Elevo-me na fonte seca e na luz fria."

        Clarice Lispector

    "Eu escrevo para nada e para ninguém. Se alguém me ler será por conta própria e auto-risco. Eu não faço literatura: eu apenas vivo ao correr do tempo. O resultado fatal de eu viver é o ato de escrever."

        Clarice Lispector

    "Eu tenho tanto medo de ser eu. Sou tão perigoso. Me deram um nome e me alienaram de mim."

        Clarice Lispector

    "Estou escrevendo porque não sei o que fazer de mim."

        Clarice Lispector

    "Eu quero a verdade que só me é dada através do seu oposto, de sua inverdade. E não agüento o cotidiano. Deve ser por isso que escrevo."

        Clarice Lispector

    "Vocês não sabem nada de mim. Nunca te disse e nunca te direi quem sou. Eu sou vós mesmos."

        Clarice Lispector

Biografia


Clarice Lispector – Nascida aos 10 de dezembro de 1920 em Chechelnic na Ucrânia, chegou ao Brasil ao dois anos de idade, pois sua família, de origem judia, sofreu perseguição durante a Guerra Civil Russa.

Passou parte da infância no Recife, onde aprendeu a ler e escrever. Escreveu seu primeiro romance Perto do Coração Selvagem aos desenove anos. Durante as decadas de 60 e 70 foi colunista de alguns jornais.

O seu mais famoso romance, A Hora da Estrela, teve sua publicação meses antes de sua morte, em consequencia de uma câncer de ovário.

Principais Obras:

Perto do Coração Selvagem (1944)
A Cidade Sitiada (1949)
A Paixão segundo G.H. (1964)
Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres (1969)
A Hora da Estrela (1977)
A Imitação da Rosa (1973)
A Via Crucis do Corpo (1974)
Onde Estivestes de Noite (1974)
A Mulher que Matou os Peixes (1968)
A Vida Íntima de Laura (1974)
Quase de Verdade (1978)
Cartas Perto do Coração (2001) – cartas trocadas com Fernando Sabino

"Onde não puderes amar, não te demores..."

    Augusto Branco

"Eu não desisti...apenas não insisto mais."

    Cazuza

"As coisas muito claras me noturnam."

    Manoel de Barros

"Fácil é sonhar todas as noites. Difícil é lutar por um sonho."

    Carlos Drummond de Andrade

"O sexo é o alívio da tensão. O amor é a causa"

    Woody Allen

"Os mentirosos estão sempre prontos a jurar."

    Vittorio Alfieri

"Soltar os demônios pode ser muito educativo em certas ocasiões."

    Deepak Chopra

"Todo o homem é culpado do bem que não fez."

    Voltaire

"A maior felicidade é quando a pessoa sabe porque é que é infeliz."

    Fiódor Dostoiévski

"Vento

Pastor das nuvens."

    Mario Quintana