Sobre o Autor

Cesare Pavese

Cesare Pavese (9 de setembro de 1908, em Santo Stefano Belbo, Cuneo, Itália - 27 de agosto de 1950, em Torino, Itália) foi um escritor e poeta italiano.

Em geral, quem não sabe dar um sentido à própria vida dispõe-se por profissão a sacrificar-se.

Fazer poesia é como fazer amor: nunca se saberá se a própria alegria é compartilhada.

A religião consiste em acreditar que tudo aquilo que nos acontece é extraordinariamente importante. Nunca poderá desaparecer do mundo, justamente por essa razão.

O homem interessa-se tão pouco pelo próximo que até mesmo o cristianismo recomenda fazer o bem por amor a Deus.

A falsidade eterna da poesia é que nela os acontecimentos decorrem num tempo diferente do real.

Todo o luxo se paga. Tudo é luxo; a começar pelo estar no mundo.

Quando se sofre, julga-se que para lá do círculo existe a felicidade; quando não se sofre, sabe-se que a felicidade não existe e sofre-se, então, por não sofrer.

A imaginação humana é imensamente mais pobre do que a realidade.

O sexo é um acidente: o que dele recebemos é momentâneo e casual; visamos a algo mais secreto e misterioso do qual o sexo é apenas um sinal, um símbolo.

As coisas são descobertas por meio das lembranças que se têm delas. Relembrar uma coisa significa vê-la - apenas agora - pela primeira vez.

A dificuldade de praticar o suicídio está nisto: é um ato de ambição que só pode ser realizado depois de superada toda a espécie de ambição.

A bondade que nasce do cansaço de sofrer é um horror pior do que o sofrimento.

Em suma, todo o problema da vida é este: como romper a própria solidão, como comunicar-se com os outros.

Todos os pecados têm origem num sentido de inferioridade, também chamado ambição.