Sobre o Autor

Cazuza

Cazuza, pseudônimo de Agenor de Miranda Araújo Neto (nasceu dia 4 de abril de 1958, no Rio de Janeiro, Brasil - morreu dia 7 de julho de 1990); cantor brasileiro.

Nunca viram ninguém triste? Por que não me deixam em paz? As guerras são tão tristes, E não tem nada demais!

Eu não posso causar mal nenhum. A não ser a mim mesmo. A não ser a mim mesmo. A não ser a mim...

Eu tento mudar. Eu tento provar que me importo com os outros. Mas é tudo mentira (tudo mentira.

Faz parte do meu show.

Exagerado. Jogado aos teus pés. Eu sou mesmo exagerado. Adoro um amor inventado.

Paixão cruel desenfreada. Te trago mil rosas roubadas. Pra desculpar minhas mentiras, Minhas mancadas.

Solidão a dois de dia. Faz calor, depois faz frio.

Eu não ligo para estar sozinha. Pois tenho por companhia. Mil corações onde sou rainha!

Eu protegi o teu nome por amor. Em um codinome, Beija-flor...

Li uma vez que você vive não sei quantas mil horas e pode resumir tudo de bom em apenas cinco minutos. O resto é apenas o dia-a-dia. Um olhar, uma lágrima que cai, um abraço… Isso é muito pouco na vida. Então, isso vale mais que tudo para mim.

Eu não sei quem sou Nem porque faço E às vezes me sinto vivo Quando quebro um desses objetos chatos Que a gente esbarra sem querer Daí escreve como quem levasse uma topada.

Não bata de frente comigo. De tanto cair aprendi a derrubar.

O teu amor é uma mentira que minha vaidade deseja.

Levando em frente um coração dependente, viciado em amar errado.

“Eu tô pedindo a tua mão, e um pouquinho do braço.”

E eu já estou cansado de não gostar de mim.

A vida veio e me levou com ela.

Você pensa com o coração e ama com o cérebro.

Meu mal é gostar de pessoas que não entendem nada de amor.

Sou feliz e trago as provas Nos meus olhos molhados E vejo a vida tão diferente Eu já posso entender A inocência do prazer.

Sua pscina esta cheia de ratos

Porque te dá um medo filho da puta: ser feliz, medo de amar, medo de ser bom. Tudo que faz bem pra gente, a gente tem medo.

O amor na prática é sempre o contrário

Parece que as coisas perderam o brilho… O que era insubstituível virou facilmente descartável, os momentos, viraram lembranças.

Não quero que finja sentimentos por mim, não quero que segure a minha mão se tem intenção de solta-la. Só quero o que for verdadeiro.

Eu tô pedindo a tua mão, me leve para qualquer lado.

Você me quer? Você cuida de mim? Mesmo que eu seja uma pessoa egoísta e ruim?

Eu não desisti...apenas não insisto mais.

Não bata de frente comigo. De tanto cair eu aprendi a derrubar.

Porque o amor é feito bebida: tem que tomar a dose certa.