Carlos Drummond de Andrade foi um poeta brasileiro (1902 - 1987), também cronista, contista e tradutor. Entre suas obras de maior destaque, Alguma poesia, Sentimento do mundo e A rosa do povo.

Carlos Drummond de Andrade foi um poeta brasileiro (1902 - 1987), também cronista, contista e tradutor. Entre suas obras de maior destaque, Alguma poesia, Sentimento do mundo e A rosa do povo.

Frases e Pensamentos

400 frases no total. Página 7/14, de 181-210

    "O TEMPO PASSA? NÃO PASSA

    O tempo passa?
    Não passa no abismo do coração
    lá dentro, perdura a graça
    do amor, florindo em canção.

    O tempo nos aproxima
    cada vez mais, nos reduz
    a um só verso e uma rima
    de mãos e olhos, na luz.

    O tempo é todo vestido
    de amor e tempo de amar.
    O meu tempo e o teu
    transcedem qualquer medida.

    Além do amor, não ha nada,
    amar é o sumo da vida.
    Pois só quem ama escutou
    o apelo da eternidade."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Como nos enganamos fugindo ao amor!
    Como o desconhecemos, talvez com receio de enfrentar
    Sua espada coruscante, seu formidável
    Poder de penetrar o sangue e nele imprimir
    Uma orquídea de fogo e lágrimas.

    Entretanto, ele chegou de manso e me envolveu
    Em doçura e celestes amavios.
    Não queimava, não siderava; sorria.
    Mal entendi, tonto que fui, esse sorriso.

    Feri-me pelas próprias mãos, não pelo amor
    Que trazias para mim e que teus dedos confirmavam
    Ao se juntarem aos meus, na infantil procura do outro,
    O outro que eu me supunha, o outro que te imaginava,
    Quando - por esperteza do amor - senti que éramos um só."

        Carlos Drummond de Andrade

    "A Grande Manchete

    Aproxima-se a hora da manchete.
    O PETRÓLEO ACABOU.
    Acabaram as alucinações
    os crimes, os romances
    as guerras do petróleo.
    O mundo fica livre
    do pesadelo institucionalizado.

    Atiradores ao lixo
    motores de combustão interna
    e lataria colorida,
    o Museu da Sucata exibe
    o derradeiro carro carrasco.
    Tem etiqueta de remorso:
    “Cansei a humanidade”.

    Ruas voltam a existir
    para o homem
    e as alegrias de estar-junto.
    A poluição perdeu
    seu aliado fidelíssimo.
    A pressa acabou.

    Acabou, pessoal! o congestionamento,
    o palavrão,
    a neurose coletiva.
    A morte violenta entre ferragens
    com seu véu de óleo
    e chamas
    acabou.

    Milhões de arvores meninas irrompem do asfalto
    e da consciência
    em carnaval de sol.
    Dão sombras grátis
    ao papo dos amigos,
    à doçura do ócio no intervalo
    do batente,
    do amor antes aprisionado sob o capô
    ou esmigalhado pelas rodas,
    â vida de mil formas naturais.
    Pessoas, animais,
    confraternizam: Milagre!

    Dura 5 (?) minutos a festa
    da natureza com a cidade.
    Irrompem
    formas eletrônicas implacáveis,
    engenhos teleguiados catapúlticos
    de máximo poder ofensivo
    e reconquistam o espaço
    em que a vida bailava.

    Recomeça o problema de viver
    na cidade-problema?

    De que valeu cantar
    o fim da gasolina de alta octanagem?

    Enquanto não vem a formidável manchete
    vamos curtindo
    outras manchetinhas a varejo.
    Vamos curtindo
    a visão do caos e do extermínio
    na rua, na foto,
    no sono atormentado:
    Mas 400 carros por dia nas pistas
    que encolhem, encolhem, são apenas
    enfumaçadas fita de rangidos.
    Mais loucura, mais palavrão e mais desastre.

    E lemos Ralph Nader:
    a cada 10 minutos
    morre uma pessoa em acidente
    de carro; a cada 15 segundos
    sai alguém ferido
    na pátria industrial dos automóveis.
    Vamos imitá-la?
    Vamos vencê-la em desafio
    de quem mata mais e morre mais?
    Ou vamos ficar apenas
    engarrafados sem garrafa
    no ar poluído e constelado
    de placa, de sinais
    que assinalam o grande entupimento?
    Perguntas estas são mensagem
    também ela espremida na garrafa
    que bóia no alto-mar de ondas surdas
    e cegas
    à espera do futuro que as responda."

        Carlos Drummond de Andrade

    "SUSSURRO
    Se não erro
    ao decifrar a voz dos vegetais,
    eis que suspira a muda de pau-ferro
    no silêncio do ser:
    - Eu sei que fui plantada
    com musica, discurso e tudo mais,
    para alguém no futuro, oferecer
    sem discurso e sem musica o prazer
    da derrubada."

        Carlos Drummond de Andrade

    "A Bomba

    A bomba
    é uma flor de pânico apavorando os floricultores
    A bomba
    é o produto quintessente de um laboratório falido
    A bomba
    é estúpida é ferotriste é cheia de rocamboles
    A bomba
    é grotesca de tão metuenda e coça a perna
    A bomba
    dorme no domingo até que os morcegos esvoacem
    A bomba
    não tem preço não tem lugar não tem domicílio
    A bomba
    amanhã promete ser melhorzinha mas esquece
    A bomba
    não está no fundo do cofre, está principalmente onde não está
    A bomba
    mente e sorri sem dente
    A bomba
    vai a todas as conferências e senta-se de todos os lados
    A bomba
    é redonda que nem mesa redonda, e quadrada
    A bomba
    tem horas que sente falta de outra para cruzar
    A bomba
    multiplica-se em ações ao portador e portadores sem ação
    A bomba
    chora nas noites de chuva, enrodilha-se nas chaminés
    A bomba
    faz week-end na Semana Santa
    A bomba
    tem 50 megatons de algidez por 85 de ignomínia
    A bomba
    industrializou as térmites convertendo-as em balísticos interplanetários
    A bomba
    sofre de hérnia estranguladora, de amnésia, de mononucleose, de verborréia
    A bomba
    não é séria, é conspicuamente tediosa
    A bomba
    envenena as crianças antes que comece a nascer
    A bomba
    continnua a envenená-las no curso da vida
    A bomba
    respeita os poderes espirituais, os temporais e os tais
    A bomba
    pula de um lado para outro gritando: eu sou a bomba
    A bomba
    é um cisco no olho da vida, e não sai
    A bomba
    é uma inflamação no ventre da primavera
    A bomba
    tem a seu serviço música estereofônica e mil valetes de ouro, cobalto e ferro além da comparsaria
    A bomba
    tem supermercado circo biblioteca esquadrilha de mísseis, etc.
    A bomba
    não admite que ninguém acorde sem motivo grave
    A bomba
    quer é manter acordados nervosos e sãos, atletas e paralíticos
    A bomba
    mata só de pensarem que vem aí para matar
    A bomba
    dobra todas as línguas à sua turva sintaxe
    A bomba
    saboreai a morte com marshmallow
    A bomba
    arrota impostura e prosopéia política
    A bomba
    cria leopardos no quintal, eventualmente no living
    A bomba
    é podre
    A bomba
    gostaria de ter remorso para justificar-se mas isso lhe é vedado
    A bomba
    pediu ao Diabo que a batizasse e a Deus que lhe validasse o batismo
    A bomba
    declare-se balança de justiça arca de amor arcanjo de fraternidade
    A bomba
    tem um clube fechadíssimo
    A bomba
    pondera com olho neocrítico o Prêmio Nobel
    A bomba é russamenricanenglish mas agradam-lhe eflúvios de Paris
    A bomba
    oferece de bandeja de urânio puro, a título de bonificação, átomos de paz
    A bomba
    não terá trabalho com as artes visuais, concretas ou tachistas
    A bomba
    desenha sinais de trânsito ultreletrônicos para proteger velhos e criancinhas
    A bomba
    não admite que ninguém se dê ao luxo de morrer de câncer
    A bomba
    é câncer
    A bomba
    vai à Lua, assovia e volta
    A bomba
    reduz neutros e neutrinos, e abana-se com o leque da reação em cadeia
    A bomba
    está abusando da glória de ser bomba
    A bomba
    não sabe quando, onde e porque vai explodir, mas preliba o instante inefável
    A bomba
    fede
    A bomba
    é vigiada por sentinelas pávidas em torreões de cartolina
    A bomba
    com ser uma besta confusa dá tempo ao homem para que se salve
    A bomba
    não destruirá a vida
    O homem
    (tenho esperança) liquidará a bomba."

        Carlos Drummond de Andrade

    " Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos. Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra diante vai ser diferente."

        Carlos Drummond de Andrade

    "A dança e a alma

    A dança?Não é movimento
    súbito gesto musical
    É concentração,num momento,
    da humana graça natural

    No solo não,no éter pairamos,
    nele amaríamos ficar.
    A dança-não vento nos ramos
    seiva,força,perene estar
    um estar entre céu e chão,
    novo domínio conquistado,
    onde busque nossa paixão
    libertar-se por todo lado...

    Onde a alma possa descrever
    suas mais divinas parábolas
    sem fugir a forma do ser
    por sobre o mistério das fábulas"

        Carlos Drummond de Andrade

    "que pode uma criatura senão,entre criaturas,amar?
    Amar e esquecer,Amar,desamar,amar?
    Sempre,e até de olhos vidrados,amar?..."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Mas se desejarmos fortemente o melhor e,
    principalmente, lutarmos pelo melhor...
    O melhor vai se instalar em nossa vida.
    Porque sou do tamanho daquilo que vejo,
    e não do tamanho da minha altura."

        Carlos Drummond de Andrade

    "O mundo é grande

    O mundo é grande e cabe
    Na jalela sobre o mar
    O mar é grande e cabe
    Na cama e no clochão de amar
    O amor é grande e cabe
    No breve espaço de beijar"

        Carlos Drummond de Andrade

    "A vida necessita de pausas."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Amor nenhum dispensa uma gota de ácido"

        Carlos Drummond de Andrade

    "Existem muitos motivos para não se amar uma pessoa, mas apenas um para amá-la."

        Carlos Drummond de Andrade

    "RECOMENDAÇÃO

    Neste botânico setembro,
    que pelo menos você plante
    com eufórica
    emoção ecológica
    num pote de plástico
    uma flor de retórica."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Que século, meu Deus! - exclamaram os ratos e começaram a roer o edifício."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Conselhos de um velho apaixonado..."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Perdi o bonde e a esperança
    Volto pálido para casa"

        Carlos Drummond de Andrade

    "Por isso, preste atenção nos sinais - não deixe que as loucuras do dia-a-dia o deixem cego para a melhor coisa da vida: O AMOR."

        Carlos Drummond de Andrade

    "DEZEMBRO

    Quem me acode
    à cabeça e ao coração
    neste fim de ano,
    entre alegria e dor?

    Que sonho,
    que mistério,
    que oração?

    Amor."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Onde estivestes de noite
    Que de manhã regressais
    com o ultramundo nas veias,
    entre flores abissais?"

        Carlos Drummond de Andrade

    "É sempre no passado aquele orgasmo,
    é sempre no presente aquele duplo,
    é sempre no futuro aquele pânico.

    É sempre no meu peito aquela garra.
    É sempre no meu tédio aquele aceno.
    É sempre no meu sono aquela guerra.

    É sempre no meu trato o amplo distrato.
    Sempre na minha firma a antiga fúria.
    Sempre no mesmo engano outro retrato.

    É sempre nos meus pulos o limite.
    É sempre nos meus lábios a estampilha.
    É sempre no meu não aquele trauma.

    Sempre no meu amor a noite rompe.
    Sempre dentro de mim meu inimigo.
    E sempre no meu sempre a mesma ausência."

        Carlos Drummond de Andrade

    "AMAR VERBO INTRANSITIVO!
    Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração(#9829;) parar de funcionar por alguns segundos preste atenção: pode ser a pessoa mais importante da sua vida.
    Se os olhares se cruzarem e, neste momento, houver o mesmo brilho intenso entre eles, fique alerta: pode ser a pessoa que você está esperando desde o dia em que nasceu.
    Se o toque dos lábios for intenso,se o beijo for apaixonante, e os olhos se encherem dágua neste momento perceberá: existe algo mágico entre vocês.
    Se o primeiro e o último pensamento do seu dia for essa pessoa, se a vontade de ficar juntos chegar a apertar o coração, agradeça: adivinha quem chegou? O Amor
    Se um dia tiverem que pedir perdão um ao outro por algum motivo e em troca receber um abraço, um sorriso, um afago nos cabelos e os gestos valerem mais que mil palavras, entregue-se: vocês foram feitos um para o outro.
    Se por algum motivo você estiver triste, se a vida te der uma rasteira e a outra pessoa sofrer o seu sofrimento, chorar as suas lágrimas e enxugá-las com ternura, que coisa maravilhosa: você poderá contar com ela em qualquer momento de sua vida.
    Se você conseguir, em pensamento, sentir o cheiro da pessoa como se ela estivesse ali do seu lado...
    Se você achar a pessoa maravilhosamente linda, mesmo estando de pijamas velhos, chinelo de dedo e cabelos emaranhados...
    Se você não consegue estudar direito o dia todo,ansioso pelo encontro que está marcado para a noite...
    Se você não consegue imaginar, de maneira nenhuma, um futuro sem a pessoa ao seu lado...
    Se você tiver a certeza que vai ver a outra envelhecendo e, mesmo assim, tiver a convicção que vai continuar sendo louco por ela...
    Se você preferir morrer, antes de ver a outra partindo: é o amor que chegou na sua vida.
    Muitas pessoas apaixonam-se muitas vezes na vida, mas poucas amam ou encontram um amor verdadeiro.
    Ou às vezes encontram e, por não prestarem atenção nesses sinais, deixam o amor passar, sem deixá-lo acontecer verdadeiramente.
    Por isso preste atenção nos sinais, não deixe que as loucura do dia-a-dia o deixem cego para a melhor coisa da vida: o amor."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata!

    Fácil é ouvir a música que toca.
    Difícil é ouvir a sua consciência. Acenando o tempo todo, mostrando nossas escolhas erradas.

    Fácil é ditar regras.
    Difícil é seguí-las. Ter a noção exata de nossas próprias vidas, ao invés de ter noção das vidas dos outros.

    Fácil é perguntar o que deseja saber.
    Difícil é estar preparado para escutar esta resposta. Ou querer entender a resposta.

    Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade.
    Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria.

    Fácil é dar um beijo.
    Difícil é entregar a alma. Sinceramente, por inteiro.

    Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida.
    Difícil é entender que pouquíssimas delas vão te aceitar como você é e te fazer feliz por inteiro.

    Fácil é ocupar um lugar na caderneta telefônica.
    Difícil é ocupar o coração de alguém. Saber que se é realmente amado.

    Fácil é sonhar todas as noites.
    Difícil é lutar por um sonho.

    Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar.
    Difícil é mentir para o nosso coração.

    Fácil é ver o que queremos enxergar.
    Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto. Admitir que nos deixamos levar, mais uma vez, isso é difícil.

    Fácil é dizer oi ou como vai?
    Difícil é dizer adeus. Principalmente quando somos culpados pela partida de alguém de nossas vidas...

    Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados.
    Difícil é sentir a energia que é transmitida. Aquela que toma conta do corpo como uma corrente elétrica quando tocamos a pessoa certa.

    Fácil é querer ser amado.
    Difícil é amar completamente só. Amar de verdade, sem ter medo de viver, sem ter medo do depois. Amar e se entregar. E aprender a dar valor somente a quem te ama.

    Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que expressem sua opinião.
    Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente sentimos.
    Carlos Drumond de Andrade"

        Carlos Drummond de Andrade

    "Para Viver um Grande Amor


    É preciso abrir todas as portas que fecham o coração.
    Quebrar barreiras construídas ao longo do tempo,
    Por amores do passado que foram em vão
    É preciso muita renúncia em ser e mudança no pensar.
    É preciso não esquecer que ninguém vem perfeito para nós!
    É preciso ver o outro com os olhos da alma e se deixar cativar!
    É preciso renunciar ao que não agrada ao seu amor...
    Para que se moldem um ao outro como se molda uma escultura,
    Aparando as arestas que podem machucar.
    É como lapidar um diamante bruto...para fazê-lo brilhar!
    E quando decidir que chegou a sua hora de amar,
    Lembre-se que é preciso haver identificação de almas!
    De gostos, de gestos, de pele...
    No modo de sentir e de pensar!
    É preciso ver a luz iluminar a aura,
    Dando uma chance para que o amor te encontre
    Na suavidade morna de uma noite calma...
    É preciso se entregar de corpo e alma!
    É preciso ter dentro do coração um sonho
    Que se acalenta no desejo de: amar e ser amada!
    É preciso conhecer no outro o ser tão procurado!
    É preciso conquistar e se deixar seduzir...
    Entrar no jogo da sedução e deixar fluir!
    Amar com emoção para se saber sentir
    A sensação do momento em que o amor te devora!
    E quando você estiver vivendo no clímax dessa paixão,
    Que sinta que essa foi a melhor de suas escolhas!
    Que foi seu grande desafio... e o passo mais acertado
    De todos os caminhos de sua vida trilhados!
    Mas se assim não for...
    Que nunca te arrependas pelo amor dado!
    Faz parte da vida arriscar-se por um sonho...
    Porque se não fosse assim, nunca teríamos sonhado!
    Mas, antes de tudo, que você saiba que tem aliado.
    Ele se chama TEMPO... seu melhor amigo.
    Só ele pode dar todas as certezas do amanhã...
    A certeza que... realmente você amou.
    A certeza que... realmente você foi amada."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Inconfesso Desejo

    Queria ter coragem
    Para falar deste segredo
    Queria poder declarar ao mundo
    Este amor
    Não me falta vontade
    Não me falta desejo
    Você é minha vontade
    Meu maior desejo
    Queria poder gritar
    Esta loucura saudável
    Que é estar em teus braços
    Perdido pelos teus beijos
    Sentindo-me louco de desejo
    Queria recitar versos
    Cantar aos quatros ventos
    As palavras que brotam
    Você é a inspiração
    Minha motivação
    Queria falar dos sonhos
    Dizer os meus secretos desejos
    Que é largar tudo
    Para viver com você
    Este inconfesso desejo"

        Carlos Drummond de Andrade

    "CONSELHOS DE UM VELHO APAIXONADO

    Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração parar de funcionar por alguns segundos, preste atenção: pode ser a pessoa mais importante da sua vida.
    Se os olhares se cruzarem e, neste momento, houver o mesmo brilho intenso entre eles, fique alerta: pode ser a pessoa que você está esperando desde o dia em que nasceu.
    Se o toque dos lábios for intenso, se o beijo for apaixonante, e os olhos se encherem d’água neste momento, perceba:
    existe algo mágico entre vocês.
    Se o 1º e o último pensamento do seu dia for essa pessoa, se a vontade de ficar juntos chegar a apertar o coração, agradeça:
    Algo do céu te mandou um presente divino : O AMOR.
    Se um dia tiverem que pedir perdão um ao outro por algum motivo e, em troca, receber um abraço, um sorriso, um afago nos cabelos e os gestos valerem mais que mil palavras, entregue-se:
    vocês foram feitos um pro outro.
    Se por algum motivo você estiver triste, se a vida te deu uma rasteira e a outra pessoa sofrer o seu sofrimento, chorar as suas lágrimas e enxugá-las com ternura, que coisa maravilhosa:
    você poderá contar com ela em qualquer momento de sua vida.
    Se você conseguir, em pensamento, sentir o cheiro da pessoa como se ela estivesse ali do seu lado...
    Se você achar a pessoa maravilhosamente linda, mesmo ela estando de pijamas velhos, chinelos de dedo e cabelos emaranhados...
    Se você não consegue trabalhar direito o dia todo, ansioso pelo encontro que está marcado para a noite...
    Se você não consegue imaginar, de maneira nenhuma, um futuro sem a pessoa ao seu lado...
    Se você tiver a certeza que vai ver a outra envelhecendo e, mesmo assim, tiver a convicção que vai continuar sendo louco por ela...
    Se você preferir fechar os olhos, antes de ver a outra partindo:
    é o amor que chegou na sua vida.
    Muitas pessoas apaixonam-se muitas vezes na vida, mas poucas amam ou encontram um amor verdadeiro.
    Às vezes encontram e, por não prestarem atenção nesses sinais, deixam amor passar, sem deixá-lo acontecer verdadeiramente.
    É o livre-arbítrio.
    Por isso, preste atenção nos sinais.
    Não deixe que as loucuras do dia-a-dia o deixem cego para a melhor coisa da vida:
    O AMOR !!!"

        Carlos Drummond de Andrade

    "Vacina de ano novo

    Muitos me desejaram paz e amor em 75. Mas havendo amor, haverá paz? Amor é o contrario radioso dela. É inquietação, agitação, vontade de absorver o objeto amado, temor de perdê-lo, sentimento de não merecê-lo, ânsia de dominá-lo, masoquismo de ser dominado por ele, dor de não o haver conhecido antes, dor de não ocupar seu pensamento 24 horas por dia, e mais dias a pedir ao dia para ocupá-lo, brasa de imaginá-lo menos preso a mim do que eu a ele, desespero de o não guardar no bolso, junto ao coração, ou fisicamente dentro deste, como sangue a circular eternamente e eternamente o mesmo. Amor é isso e mais alguma triste coisa. E a tristeza incurável do tempo não passa fora de nós, passa é dentro e na pele marcada da gente, lembrando que eternidade é ilusão de minutos e o ato de amor deste momento já ficou mergulhado em ter sido. Amor é paz?"

        Carlos Drummond de Andrade

    "A flor e seu nome

    Mas o que impressiona mesmo no amor-perfeito é o nome. Que responsabilidade, meu filho! Há por aí uma planta chamada de amor-de-um-dia, que não carece muito esforço para ser e acontecer, como doidivanas. Outra atende por amor-das-onze-horas e presume-se como sua vida é folgada. Há também amor-de-vaqueiro, amor-de-hortelão, amor-de-moça, amor-de-negro... muitos amores vegetais que desempenham função limitada. Mas este aqui não tem área específica, não se dirige a grupo, ocasião, profissão. É absoluto, resume um ideal que vai além do poder das flores e dos seres humanos.
    Que sentirá o amor-perfeito, sabendo-se assim nomeado? Que tristeza lhe transfixará o veludo das pétalas , ao sentir que os homens que tal apelação lhe dera não são absolutamente perfeitos em seus amores? Que aquele substantivo, casado a este adjetivo, sugere mais aspiração infrutífera da alma do que modelo identificável no cotidiano?
    A tais perguntas o sóbrio amor-perfeito não responde. O outono tampouco. Talvez seja melhor não haver resposta."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Não importa aonde você parou...
    Em que momento da vida você cansou...
    O que importa é que sempre é possível e necessário Recomeçar.
    Recomeçar é dar uma chance a si mesmo...
    É renovar as esperanças na vida e o mais importante...
    Acreditar em você de novo.
    Sofreu muito nesse período?
    Foi aprendizado...
    Chorou muito?
    Foi limpeza da alma...
    Ficou com raiva das pessoas?
    Foi para perdoá-las um dia...
    Sentiu-se só por diversas vezes?
    É porque você fechou as portas até para os anjos...
    Acreditou que tudo estava perdido?
    Era o início da sua melhora...
    Pois é...
    Agora é hora de reiniciar...
    De pensar na luz...
    De encontrar prazer nas coisas mais simples de novo...
    Que tal um novo emprego?
    Um corte de cabelo arrojado...
    Diferente?
    Um novo curso...
    Ou aquele velho desejo de aprender a pintar...
    Desenhar...
    Dominar o computador...
    Ou qualquer outra coisa...
    Olha quanto desafio...
    Quanta coisa nova nesse mundão de meu Deus, o esperando.
    Está se sentindo sozinho?
    Besteira...
    Tem tanta gente que você afastou com o seu período de isolamento...
    Tem tanta gente esperando apenas um sorriso seu para chegar perto de você.
    Quando nos trancamos na tristeza...
    Nem nós mesmos nos suportamos...
    Ficamos horríveis...
    O mal humor vai comendo nosso fígado...
    Até a boca fica amarga!
    Recomeçar...
    Hoje é um bom dia para começar novos desafios.
    Onde você quer chegar?
    Ir alto...
    Sonhe alto...
    Queira o melhor do melhor...
    Queira coisas boas para a vida...
    Pensando assim trazemos para nós aquilo que desejamos...
    Se pensamos pequeno...
    Coisas pequenas teremos...
    Já se desejarmos fortemente o melhor e, principalmente, lutarmos pelo melhor, o melhor vai se instalar na nossa vida.
    E é o hoje o dia da faxina mental...
    Joga fora tudo que te prende ao passado...
    Ao mundinho de coisas tristes...
    Fotos...
    Peças de roupa, papel de bala...
    Ingressos de cinema, bilhete de viagens...
    E toda aquela tranqueira que guardamos quando nos julgamos apaixonados...
    Jogue tudo fora...
    Mas, principalmente, esvazie seu coração...
    Fique pronto para a vida...
    Para um novo amor...
    Lembre-se: somos apaixonáveis...
    Somos sempre capazes de amar muitas e muitas vezes...
    Afinal de contas...
    Nós somos o Amor.
    Sou do tamanho daquilo que vejo e não do tamanho da minha altura."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata!

    Fácil é ouvir a música que toca.
    Difícil é ouvir a sua consciência. Acenando o tempo todo, mostrando nossas escolhas erradas.

    Fácil é ditar regras.
    Difícil é seguí-las. Ter a noção exata de nossas próprias vidas, ao invés de ter noção das vidas dos outros.

    Fácil é perguntar o que deseja saber.
    Difícil é estar preparado para escutar esta resposta. Ou querer entender a resposta.

    Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade.
    Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria.

    Fácil é dar um beijo.
    Difícil é entregar a alma. Sinceramente, por inteiro.

    Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida.
    Difícil é entender que pouquíssimas delas vão te aceitar como você é e te fazer feliz por inteiro.

    Fácil é ocupar um lugar na caderneta telefônica.
    Difícil é ocupar o coração de alguém. Saber que se é realmente amado.

    Fácil é sonhar todas as noites.
    Difícil é lutar por um sonho.

    Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar.
    Difícil é mentir para o nosso coração.

    Fácil é ver o que queremos enxergar.
    Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto. Admitir que nos deixamos levar, mais uma vez, isso é difícil.

    Fácil é dizer oi ou como vai?
    Difícil é dizer adeus. Principalmente quando somos culpados pela partida de alguém de nossas vidas...

    Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados.
    Difícil é sentir a energia que é transmitida. Aquela que toma conta do corpo como uma corrente elétrica quando tocamos a pessoa certa.

    Fácil é querer ser amado.
    Difícil é amar completamente só. Amar de verdade, sem ter medo de viver, sem ter medo do depois. Amar e se entregar. E aprender a dar valor somente a quem te ama.

    Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que expressem sua opinião.
    Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente sentimos.
    Carlos Drumond de Andrade"

        Carlos Drummond de Andrade

Biografia


Poeta, cronista, contista e tradutor brasileiro. Sua obra traduz a visão de um individualista comprometido com a realidade social.

Na poética de Carlos Drummond de Andrade, a expressão pessoal evolui numa linha em que a originalidade e a unidade do projeto se confirmam a cada passo. Ao mesmo tempo, também se assiste à construção de uma obra fiel à tradição literária que reúne a paisagem brasileira à poesia culta ibérica e européia.

Carlos Drummond de Andrade nasceu em Itabira MG, em 31 de outubro de 1902. De uma família de fazendeiros em decadência, estudou na cidade natal, em Belo Horizonte e com os jesuítas no Colégio Anchieta de Nova Friburgo RJ, de onde foi expulso por "insubordinação mental". De novo em Belo Horizonte, começou a carreira de escritor como colaborador do Diário de Minas, que aglutinava os adeptos locais do incipiente movimento modernista mineiro.

Ante a insistência familiar para que obtivesse um diploma, formou-se em farmácia na cidade de Ouro Preto em 1925. Fundou com outros escritores A Revista, que, apesar da vida breve, foi importante veículo de afirmação do modernismo em Minas. Ingressou no serviço público e, em 1934, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde foi chefe de gabinete de Gustavo Capanema, ministro da Educação, até 1945. Excelente funcionário, passou depois a trabalhar no Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e se aposentou em 1962. Desde 1954 colaborou como cronista no Correio da Manhã e, a partir do início de 1969, no Jornal do Brasil.

Predomínio da individualidade. O modernismo não chega a ser dominante nem mesmo nos primeiros livros de Drummond, Alguma poesia (1930) e Brejo das almas (1934), em que o poema-piada e a descontração sintática pareceriam revelar o contrário. A dominante é a individualidade do autor, poeta da ordem e da consolidação, ainda que sempre, e fecundamente, contraditórias. Torturado pelo passado, assombrado com o futuro, ele se detém num presente dilacerado por este e por aquele, testemunha lúcida de si mesmo e do transcurso dos homens, de um ponto de vista melancólico e cético. Mas, enquanto ironiza os costumes e a sociedade, asperamente satírico em seu amargor e desencanto, entrega-se com empenho e requinte construtivo à comunicação estética desse modo de ser e estar.

Vem daí o rigor, que beira a obsessão. O poeta trabalha sobretudo com o tempo, em sua cintilação cotidiana e subjetiva, no que destila do corrosivo, no que desmonta, dispersa, desarruma, do berço ao túmulo -- do indivíduo ou de uma cultura.

Em Sentimento do mundo (1940), em José (1942) e sobretudo em A rosa do povo (1945), Drummond lançou-se ao encontro da história contemporânea e da experiência coletiva, participando, solidarizando-se social e politicamente, descobrindo na luta a explicitação de sua mais íntima apreensão para com a vida como um todo. A surpreendente sucessão de obras-primas, nesses livros, indica a plena maturidade do poeta, mantida sempre.

Alvo de admiração irrestrita, tanto pela obra quanto pelo seu comportamento como escritor, Carlos Drummond de Andrade morreu no Rio de Janeiro RJ, no dia 17 de agosto de 1987, poucos dias após a morte de sua filha única, a cronista Maria Julieta Drummond de Andrade.

"Onde não puderes amar, não te demores..."

    Augusto Branco

"As coisas muito claras me noturnam."

    Manoel de Barros

"Eu não desisti...apenas não insisto mais."

    Cazuza

"Fácil é sonhar todas as noites. Difícil é lutar por um sonho."

    Carlos Drummond de Andrade

"Os mentirosos estão sempre prontos a jurar."

    Vittorio Alfieri

"Soltar os demônios pode ser muito educativo em certas ocasiões."

    Deepak Chopra

"Todo o homem é culpado do bem que não fez."

    Voltaire

"O sexo é o alívio da tensão. O amor é a causa"

    Woody Allen

"A maior felicidade é quando a pessoa sabe porque é que é infeliz."

    Fiódor Dostoiévski

"Vento

Pastor das nuvens."

    Mario Quintana