Carlos Drummond de Andrade foi um poeta brasileiro (1902 - 1987), também cronista, contista e tradutor. Entre suas obras de maior destaque, Alguma poesia, Sentimento do mundo e A rosa do povo.

Carlos Drummond de Andrade foi um poeta brasileiro (1902 - 1987), também cronista, contista e tradutor. Entre suas obras de maior destaque, Alguma poesia, Sentimento do mundo e A rosa do povo.

Frases e Pensamentos

400 frases no total. Página 1/14, de 1-30

    "Gostaria de te desejar tantas coisas.
    Mas nada seria suficiente.
    Então, desejo apenas que você tenha muitos desejos.
    Desejos grandes.
    E que eles possam te mover a cada minuto, ao rumo da sua felicidade!"

        Carlos Drummond de Andrade

    "Fácil e difícil

    Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que se expresse sua opinião...
    Difícil é expressar por gestos e atitudes, o que realmente queremos dizer.

    Fácil é julgar pessoas que estão sendo expostas pelas circunstâncias...
    Difícil é encontrar e refletir sobre os seus próprios erros.

    Fácil é fazer companhia a alguém, dizer o que ela deseja ouvir...
    Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer a verdade quando for preciso.

    Fácil é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre a
    mesma...
    Difícil é vivenciar esta situação e saber o que fazer.
    Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo o deixa irritado...
    Difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece.

    Fácil é viver sem ter que se preocupar com o amanhã...
    Difícil é questionar e tentar melhorar suas atitudes impulsivas e as vezes impetuosas, a cada dia que passa.

    Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar...
    Difícil é mentir para o nosso coração.

    Fácil é ver o que queremos enxergar...
    Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto.

    Fácil é ditar regras e, Difícil é segui-las..."

        Carlos Drummond de Andrade

    "“Que a felicidade não dependa do tempo, nem da paisagem, nem da sorte, nem do dinheiro. Que ela possa vir com toda a simplicidade, de dentro para fora, de cada um para todos. Que as pessoas saibam falar, calar, e acima de tudo ouvir. Que tenham amor ou então sintam falta de não tê-lo. Que tenham ideais e medo de perdê-lo. Que amem ao próximo e respeitem sua dor. Para que tenhamos certeza de que: Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade.”"

        Carlos Drummond de Andrade

    "Que a felicidade não dependa do tempo, nem da paisagem, nem da sorte, nem do dinheiro. Que ela possa vir com toda a simplicidade, de dentro para fora, de cada um para todos. Que as pessoas saibam falar, calar, e acima de tudo ouvir. Que tenham amor ou então sintam falta de não tê-lo. Que tenham ideais e medo de perdê-lo. Que amem ao próximo e respeitem sua dor. Para que tenhamos certeza de que: Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade."

        Carlos Drummond de Andrade

    " Por muito tempo achei que a ausência é falta.
    E lastimava, ignorante, a falta. Hoje não a lastimo. Não há falta na ausência. A ausência é um estar em mim.
    E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,que rio e danço, e invento exclamações alegres,
    porque a ausência, essa ausência assimilada,
    ninguém a rouba mais de mim."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Pois de amor andamos todos precisados! Em dose tal que nos alegre, nos reumanize, nos corrija, nos dê paciência e esperança, força, capacidade de entender, perdoar, ir para a frente! Amor que seja navio, casa, coisa cintilante, que nos vacine contra o feio, o errado, o triste, o mau, o absurdo e o mais que estamos vivendo ou presenciando."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Desejo a vocês: Namoro no portão, domingo sem chuva, segunda sem mau humor, sábado com seu amor. Chope com os amigos, viver sem inimigos, filme na TV. Ter uma pessoa especial e que ela goste de você."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Recomeçar

    Não importa onde vc parou...
    em que momento da vida você cansou...
    o que importa é que sempre é possível
    e necessário RECOMEÇAR.
    Recomeçar é dar uma nova chance a si mesmo...
    é renovar as esperanças na vida
    e o mais importante...
    acreditar em vc de novo.

    Sofreu muito nesse período?
    foi limpeza da alma...

    Ficou com raiva das pessoas?
    foi pra pedoá-las um dia...

    Sentiu-se só por diversas vezes?
    é porque fechastes a porta até para os anjos...

    Acreditou que tudo estava perdido?
    era o início da tua melhora...

    Pois é...agora é hora de reiniciar...
    de pensar na luz...
    de encontrar prazer nas coisas simples de novo.

    Que tal
    Um corte de cabelo arrojado... diferente?
    Um novo curso... ou aquele velho desejo
    de aprender a pintar... desenhar... dominar
    o computador... ou qulquer outra coisa...

    Olha quanto desafio... quanta coisa nova
    nesse mundão de meu Deus te esperando.

    Tá se sentindo sozinho?
    Besteira... tem tanta gente que vc afastou
    com o seu período de isolamento...
    Tem tanta gente esperando apenas um sorriso teu
    pra chegar perto de vc.

    Quando nos trancamos na tristeza...
    nem nós mesmos nos suportamos...
    ficamos horríveis...
    O mal humor vai comendo nosso figado...
    até a boca fica amarga.

    Recomeçar... hoje é um bom dia pra começar
    novos desasfios.
    Onde vc quer chegar? Ir alto... sonhe alto...
    queria o melhor do melhor... queria boas coisas para a vida...
    pensando assim trazemos pra nós aquilo que desejamos...
    se pensamos pequeno...
    coisas pequenas teremos...
    Já se desejarmos fortemente o melhor e principalmente
    lutarmos pelo melhor...
    O melhor vai se instalar na nossa vida.

    E é hoje o dia da faxina mental
    joga fora tudo que te prende ao passado...
    ao mundiho de coisas tristes

    Fotos... peças de roupas, papel de bala...
    ingressos de cinema, bilhetes de viagens...
    e toda aquela tranqueira que guardamos
    quando nos julgamos apaixonados...
    jogue tudo fora... mas principalmente...
    esvazie seu coração... fique pronto para a vida...
    para um novo amor...
    Lembre-se somos apaixonáveis
    somos sempre capazes de amar muitas e muitas vezes...
    afinal de contas... Nós Somos o Amor

    Porque sou do tamanho daquilo que vejo
    e não do tamanho da minha altura."

        Carlos Drummond de Andrade

    "A. impossibilidade de participar de todas as combinações em desenvolvimento a qualquer instante numa grande cidade tem sido uma das dores de minha vida. Sofro como se sentisse em mim, como se houvesse em mim uma capacidade desmesurada de agir. Entretanto, na parte de ação que a vida me reserva, muitas vezes me abstenho e outras me confundo. […] A ideia de que diariamente, a cada hora, a cada minuto e em cada lugar se realizam milhares de ações que me teriam profundamente interessado, de que eu certamente deveria tomar conhecimento e que entretanto jamais me serão comunicadas — basta para tirar o sabor a todas as perspectivas de ação que encontro à minha frente. O pouco que eu pudesse obter não compensaria jamais esse infinito perdido. Nem me consola o pensamento de que, entrando na confrontação simultânea de tantos acontecimentos, eu não pudesse sequer registrá-los, quanto mais dirigi-los à minha maneira ou mesmo tomar de cada um o aspecto singular, o tom e o desenho próprios, uma porção, mínima que fosse, de sua peculiar substância."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Convite Triste

    Meu amigo, vamos sofrer,
    vamos beber, vamos ler jornal,
    vamos dizer que a vida é ruim,
    meu amigo, vamos sofrer.

    Vamos fazer um poema
    ou qualquer outra besteira.
    Fitar por exemplo uma estrela
    por muito tempo, muito tempo
    e dar um suspiro fundo
    ou qualquer outra besteira.

    Vamos beber uísque, vamos
    beber cerveja preta e barata,
    beber, gritar e morrer,
    ou, quem sabe? beber apenas.

    Vamos xingar a mulher,
    que está envenenando a vida
    com seus olhos e suas mãos
    e o corpo que tem dois seios
    e tem um embigo também.
    Meu amigo, vamos xingar
    o corpo e tudo que é dele
    e que nunca será alma.

    Meu amigo, vamos cantar,
    vamos chorar de mansinho
    e ouvir muita vitrola,
    depois embriagados vamos
    beber mais outros sequestros
    (o olhar obsceno e a mão idiota)
    depois vomitar e cair
    e dormir.

    (Em: Brejo das Almas)"

        Carlos Drummond de Andrade

    "Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que expressem sua opinião. Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente queremos dizer, o quanto queremos dizer, antes que a pessoa se vá. Fácil é julgar pessoas que estão sendo expostas pelas circunstâncias. Difícil é encontrar e refletir sobre os seus erros, ou tentar fazer diferente algo que já fez muito errado. Fácil é ser colega, fazer companhia a alguém, dizer o que ele deseja ouvir. Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer sempre a verdade quando for preciso, e com confiança no que diz. Fácil é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre esta situação. Difícil é vivenciar esta situação e saber o que fazer ou ter coragem pra fazer. Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo o deixa irritado. Difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece, te respeita e te entende, e é assim que perdemos pessoas especiais. Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar. Difícil é mentir para o nosso coração. Fácil é ver o que queremos enxergar. Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto, admitir que nos deixamos levar, mais uma vez, isso é difícil. Fácil é dizer oi ou como vai?. Difícil é dizer adeus, principalmente quando somos culpados pela partida de alguém de nossas vidas... Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados. Difícil é sentir a energia que é transmitida. Aquela que toma conta do corpo como uma corrente elétrica quando tocamos a pessoa certa. Fácil é querer ser amado. Difícil é amar completamente só. Amar de verdade, sem ter medo de viver, sem ter medo do depois. Amar e se entregar, e aprender a dar valor somente a quem te ama. Fácil é ouvir a música que toca. Difícil é ouvir a sua consciência, acenando o tempo todo, mostrando nossas escolhas erradas. Fácil é ditar regras. Difícil é seguí-las. Ter a noção exata de nossas próprias vidas, ao invés de ter noção das vidas dos outros. Fácil é perguntar o que deseja saber. Difícil é estar preparado para escutar esta resposta ou querer entender a resposta. Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade. Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria. Fácil é dar um beijo. Difícil é entregar a alma, sinceramente, por inteiro. Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida. Difícil é entender que pouquíssimas delas vão te aceitar como você é e te fazer feliz por inteiro. Fácil é ocupar um lugar na caderneta telefônica. Difícil é ocupar o coração de alguém, saber que se é realmente amado. Fácil é sonhar todas as noites. Difícil é lutar por um sonho. Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata."

        Carlos Drummond de Andrade

    "A cada dia que vivo,
    mais me convenço de que o
    desperdício da vida esta no
    amor que não damos
    nas forças que não usamos,
    na prudência egoísta que nada
    arrisca, e que, esquivando-se do
    sofrimento, perdemos também a
    felicidade."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Depois de Madri e de Londres, ainda há grandes cidades!
    O mundo não acabou, pois que entre as ruínas
    outros homens surgem, a face negra de pó e de pólvora,
    e o hálito selvagem da liberdade
    dilata os seus peitos, Stalingrado,
    seus peitos que estalam e caem,
    enquanto outros, vingadores, se elevam.

    A poesia fugiu dos livros, agora está nos jornais.
    Os telegramas de Moscou repetem Homero.
    Mas Homero é velho. Os telegramas cantam um mundo novo
    que nós, na escuridão, ignorávamos.
    Fomos encontrá-lo em ti, cidade destruída,
    na paz de tuas ruas mortas mas não conformadas,
    no teu arquejo de vida mais forte que o estouro das bombas,
    na tua fria vontade de resistir.

    Saber que resistes.
    Que enquanto dormimos, comemos e trabalhamos, resistes.
    Que quando abrimos o jornal pela manhã teu nome (em ouro
    oculto) estará firme no alto da página.
    Terá custado milhares de homens, tanques e aviões, mas valeu
    a pena.
    Saber que vigias, Stalingrado,
    sobre nossas cabeças, nossas prevenções e nossos confusos
    pensamentos distantes
    dá um enorme alento à alma desesperada
    e ao coração que duvida.

    Stalingrado, miserável monte de escombros, entretanto
    resplandecente!
    As belas cidades do mundo contemplam-te em pasmo e silêncio.
    Débeis em face do teu pavoroso poder,
    mesquinhas no seu esplendor de mármores salvos e rios não
    profanados,
    as pobres e prudentes cidades, outrora gloriosas, entregues
    sem luta,
    aprendem contigo o gesto de fogo.
    Também elas podem esperar.

    Stalingrado, quantas esperanças!
    Que flores, que cristais e músicas o teu nome nos derrama!
    Que felicidade brota de tuas casas!
    De umas apenas resta a escada cheia de corpos;
    de outras o cano de gás, a torneira, uma bacia de criança.
    Não há mais livros para ler nem teatros funcionando nem
    trabalho nas fábricas,
    todos morreram, estropiaram-se, os últimos defendem pedaços
    negros de parede,
    mas a vida em ti é prodigiosa e pulula como insetos ao sol,
    ó minha louca Stalingrado!

    A tamanha distância procuro, indago, cheiro destroços
    sangrentos,
    apalpo as formas desmanteladas de teu corpo,
    caminho solitariamente em tuas ruas onde há mãos soltas e relógios partidos,
    sinto-te como uma criatura humana, e que és tu, Stalingrado, senão isto?
    Uma criatura que não quer morrer e combate,
    contra o céu, a água, o metal, a criatura combate,
    contra milhões de braços e engenhos mecânicos a criatura combate,
    contra o frio, a fome, a noite, contra a morte a criatura
    combate,
    e vence.

    As cidades podem vencer, Stalingrado!
    Penso na vitória das cidades, que por enquanto é apenas uma
    fumaça subindo do Volga.
    Penso no colar de cidades, que se amarão e se defenderão
    contra tudo.
    Em teu chão calcinado onde apodrecem cadáveres,
    a grande Cidade de amanhã erguerá a sua Ordem."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Brincar com a criança não é perder tempo, é ganhá-lo. Se é triste ver meninos sem escola,mas triste ainda é vê-los enfileirados em sala sem ar, com atividades estéries sem importância alguma para a formação humana."

        Carlos Drummond de Andrade

    "“Enfeite-se com margaridas e ternura e escove a alma com leves fricções de esperança. De alma escovada e coração estouvado, saia do quintal de si mesmo e descubra o próprio jardim. Sorria lírios para quem passe debaixo de sua janela. Ponha intenções de quermesse em seus olhos e beba licor de névoa de borboletas, cada qual trazendo uma pérola falante a dizer frases sutis e palavras de galanteria.”"

        Carlos Drummond de Andrade

    "Se você conseguir, em pensamento, sentir o cheiro da pessoa como se ela estivesse ali do seu lado: é o amor que chegou na sua vida"

        Carlos Drummond de Andrade

    "Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que expressem sua opinião.
    Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente sentimos."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Por isso, preste atenção nos sinais, não deixe que as loucuras do dia a dia o deixem cego para a melhor coisa da vida: O amor."

        Carlos Drummond de Andrade

    "CARIDADE
    A caridade seria perfeita se não causasse satisfa­ção em quem a pratica."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Não digo que sou um Vascaíno doente, pois doente é quem não é Vascaíno."

        Carlos Drummond de Andrade

    "É fácil falar em nome do povo, ele não tem voz."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Sofremos por quê? Porque automaticamente esquecemos o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções irrealizadas."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Fácil é sonhar todas as noites. Difícil é lutar por um sonho."

        Carlos Drummond de Andrade

    "O primeiro amor passou.<br/>
    O segundo amor passou.<br/>
    O terceiro amor passou.<br/>
    Mas o coração continua."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Desejo a você, Fruto do mato, Cheiro de jardim, Namoro no portão, Domingo sem chuva, Segunda sem mau humor e Sábado com seu amor!"

        Carlos Drummond de Andrade

    "Gostaria de te desejar tantas coisas. Mas nada seria suficiente. Então, desejo apenas que você tenha muitos desejos. Desejos grandes. E que eles possam te mover a cada minuto, ao rumo da sua felicidade!"

        Carlos Drummond de Andrade

    "Para você, desejo o sonho realizado. O amor esperado. A esperança renovada. Para você, desejo todas as cores desta vida. Todas as alegrias que puder sorrir. Todas as músicas que puder emocionar. Desejo que os amigos sejam mais cúmplices, que sua família esteja mais unida, que sua vida seja mais bem vivida. Gostaria de lhe desejar tantas coisas. Mas nada seria suficiente... Então, desejo apenas que você tenha muitos desejos. Desejos grandes e que eles possam te mover a cada minuto, ao rumo da sua felicidade."

        Carlos Drummond de Andrade

    "MENINOS SUICIDAS

    Um acabar seco, sem eco,
    de papel rasgado
    (nem sequer escrito):
    assim nos deixaram antes
    que pudéssemos decifrá-los,
    ao menos, ao menos isso,
    já não digo... amá-los.

    Assim nos deixaram e se deixaram
    ir sem confiar-nos um traço
    retorcido ou reto de passagem:
    pisando sem pés em chão de fumo,
    rindo talvez de sua esbatida
    miragem.

    Não se feriram no próprio corpo,
    mas neste em que sobrevivemos.
    Em nosso peito as punhaladas
    sem marca - sem sangue - até sem dor
    contam que nós é que morremos
    e são eles que nos mataram."

        Carlos Drummond de Andrade

    "Se por algum motivo você estiver triste, se a vida te deu uma rasteira e a outra pessoa sofrer o seu sofrimento, chorar as suas lágrimas e enxugá-las com ternura, que coisa maravilhosa: você poderá contar com ela em qualquer momento de sua vida."

        Carlos Drummond de Andrade

    "ENTRE O SER E AS COISAS

    Onda e amor, onde amor, ando indagando
    ao largo vento e à rocha imperativa,
    e a tudo me arremesso, nesse quando
    amanhece frescor de coisa viva.

    Às almas, não, as almas vão pairando,
    e, esquecendo a lição que já se esquiva,
    tornam amor humor, e vago brando
    o que é de natureza corrosiva.

    Nágua e na pedra amor deixa gravados
    seus hieróglifos e mensagens, suas
    verdades mais secretas e mais nuas.

    E nem os elementos encantados
    sabem do amor que punge e que é, pungindo,
    uma fogueira a arder no dia findo."

        Carlos Drummond de Andrade

Biografia


Poeta, cronista, contista e tradutor brasileiro. Sua obra traduz a visão de um individualista comprometido com a realidade social.

Na poética de Carlos Drummond de Andrade, a expressão pessoal evolui numa linha em que a originalidade e a unidade do projeto se confirmam a cada passo. Ao mesmo tempo, também se assiste à construção de uma obra fiel à tradição literária que reúne a paisagem brasileira à poesia culta ibérica e européia.

Carlos Drummond de Andrade nasceu em Itabira MG, em 31 de outubro de 1902. De uma família de fazendeiros em decadência, estudou na cidade natal, em Belo Horizonte e com os jesuítas no Colégio Anchieta de Nova Friburgo RJ, de onde foi expulso por "insubordinação mental". De novo em Belo Horizonte, começou a carreira de escritor como colaborador do Diário de Minas, que aglutinava os adeptos locais do incipiente movimento modernista mineiro.

Ante a insistência familiar para que obtivesse um diploma, formou-se em farmácia na cidade de Ouro Preto em 1925. Fundou com outros escritores A Revista, que, apesar da vida breve, foi importante veículo de afirmação do modernismo em Minas. Ingressou no serviço público e, em 1934, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde foi chefe de gabinete de Gustavo Capanema, ministro da Educação, até 1945. Excelente funcionário, passou depois a trabalhar no Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e se aposentou em 1962. Desde 1954 colaborou como cronista no Correio da Manhã e, a partir do início de 1969, no Jornal do Brasil.

Predomínio da individualidade. O modernismo não chega a ser dominante nem mesmo nos primeiros livros de Drummond, Alguma poesia (1930) e Brejo das almas (1934), em que o poema-piada e a descontração sintática pareceriam revelar o contrário. A dominante é a individualidade do autor, poeta da ordem e da consolidação, ainda que sempre, e fecundamente, contraditórias. Torturado pelo passado, assombrado com o futuro, ele se detém num presente dilacerado por este e por aquele, testemunha lúcida de si mesmo e do transcurso dos homens, de um ponto de vista melancólico e cético. Mas, enquanto ironiza os costumes e a sociedade, asperamente satírico em seu amargor e desencanto, entrega-se com empenho e requinte construtivo à comunicação estética desse modo de ser e estar.

Vem daí o rigor, que beira a obsessão. O poeta trabalha sobretudo com o tempo, em sua cintilação cotidiana e subjetiva, no que destila do corrosivo, no que desmonta, dispersa, desarruma, do berço ao túmulo -- do indivíduo ou de uma cultura.

Em Sentimento do mundo (1940), em José (1942) e sobretudo em A rosa do povo (1945), Drummond lançou-se ao encontro da história contemporânea e da experiência coletiva, participando, solidarizando-se social e politicamente, descobrindo na luta a explicitação de sua mais íntima apreensão para com a vida como um todo. A surpreendente sucessão de obras-primas, nesses livros, indica a plena maturidade do poeta, mantida sempre.

Alvo de admiração irrestrita, tanto pela obra quanto pelo seu comportamento como escritor, Carlos Drummond de Andrade morreu no Rio de Janeiro RJ, no dia 17 de agosto de 1987, poucos dias após a morte de sua filha única, a cronista Maria Julieta Drummond de Andrade.

"Onde não puderes amar, não te demores..."

    Augusto Branco

"Eu não desisti...apenas não insisto mais."

    Cazuza

"As coisas muito claras me noturnam."

    Manoel de Barros

"Fácil é sonhar todas as noites. Difícil é lutar por um sonho."

    Carlos Drummond de Andrade

"Os mentirosos estão sempre prontos a jurar."

    Vittorio Alfieri

"Soltar os demônios pode ser muito educativo em certas ocasiões."

    Deepak Chopra

"O sexo é o alívio da tensão. O amor é a causa"

    Woody Allen

"Todo o homem é culpado do bem que não fez."

    Voltaire

"A maior felicidade é quando a pessoa sabe porque é que é infeliz."

    Fiódor Dostoiévski

"Vento

Pastor das nuvens."

    Mario Quintana