Sobre o Autor

Caetano Veloso

Caetano Emanuel Vianna Telles Veloso (7 de Agosto, 1942) é um dos mais populares e influentes compositores e cantores Brasileiros .

Meu negócio agora é sexo e amizade. Acho esse negócio de amor uma coisa muito chata. Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é. Sou contra a reserva de mercado. Tem mais é que abrir as portas para a Madonna abrir as pernas. Eu sou um preguiçoso que trabalha muito. A força da grana que ergue e destrói coisas belas. Desde pequeno eu achava que seria célebre. O tempo não pára e, no entanto, ele nunca envelhece. É impressionante a força que as coisas parecem ter quando elas precisam acontecer.

Gosto de sentir minha lingua roçar A ligua de Luís de camões Gosto de ser e estar E quero me dedicar A criar confusões de prosódia E uma profusão de paródias Que encurtem dores E furtem cores como camaleões Gosto do Pessoa na pessoa Da rosa no Rosa E sei que a poesia esta para a prosa Assim como o amor esta para a amizade E quem ha de negar que esta lhe é superior E deixa os portugais morrerem a mingua Minha patria é minha lingua Fala mangueira! Fala! Vamos atentar para a sintaxe dos paulistas E o falso inglês relax dos sufistas Sejamos imperialistas Vamos na velô de dicção chao chao de Carmem Miranda E que Chico Buarque de Holanda nos resgate E -xeque-mate- explique-nos Luanda Ouçamos com atenção os deles e os delas da teve globo Sejamos o lobo do lobo do homem (...) Flor de Lácio Sambódromo Lusamérica Latim em pó O que quer O que pode Esta lingua? (...)

Às vezes no silêncio da noite Eu fico imaginando nós dois Eu fico ali sonhando acordado Juntando o antes, o agora e o depois Por que você me deixa tão solto? Por que você não cola em mim? Tô me sentindo muito sozinho Não sou nem quero ser o seu dono É que um carinho às vezes cai bem Eu tenho os meus segredos e planos secretos Só abro pra você mais ninguém Porque você me esquece e some? E se eu me interessar por alguém? E se ela de repente me ganha? Quando a gente gosta É claro que a gente cuida Fala que me ama Só que é da boca pra fora Ou você me engana Ou não está madura Onde está você agora?

Drão, o amor da gente é como um grão Uma semente de ilusão Tem que morrer pra germinar Plantar nalgum lugar Ressucitar no chão nossa semeadura Quem poderá fazer, aquele amor morrer Nossa caminha dura Dura caminhada, pela estrada escura Drão não pense na separação Não despedace o coração O verdadeiro amor é vão Entende-se infinito, imenso monolito Nossa arquitetura Quem poderá fazer, aquele amor morrer Nossa caminha dura, cama de tatame Pela vida afora Drão os meninos são todos sãos Os pecados são todos meus Deus sabe a minha confissão Não há o que perdoar Por isso mesmo é que há De haver mais compaixão Quem poderá fazer, aquele amor morrer Se o amor é como um grão Morre nasce trigo Vive morre pão Drão, Drão

Olho para o céu Tantas estrelas dizendo da imensidão Do universo em nós... A força desse amor Nos invadiu... Com ela veio a paz, toda beleza de sentir Que para sempre uma estrela vai dizer Simplesmente amo você... Meu amor Vou lhe dizer... Quero você Com a alegria de um pássaro Em busca de outro verão... Na noite do sertão Meu coração só quer bater por ti Eu me coloco em tuas mãos Pra sentir todo o carinho que sonhei Nós somos rainha e rei Olho para o céu Tantas estrelas dizendo da imensidão Do universo em nós A força desse amor nos invadiu... Então... Veio a certeza de amar você...

Não me venha falar Na malícia de toda mulher Cada um sabe a dor E a delícia De ser o que é... Não me olhe Como se a polícia Andasse atrás de mim Cale a bôca E não cale na bôca Notícia ruim... Você sabe explicar Você sabe Entender tudo bem Você está Você é Você faz Você quer Você tem... Você diz a verdade A verdade é o seu dom De iludir Como pode querer Que a mulher Vá viver sem mentir...

Rapte-me, Camaleoa Rapte-me camaleôa Adapte-me a uma cama boa Capte-me uma mensagem à toa De uma quasar pulsando lôa Interestelar canoa... Leitos perfeitos Seus peitos direitos Me olham assim Fino menino me inclino Pro lado do sim... Rapte-me Me adapte-me Me capte-me Its up to me Coração Ser querer ser Merecer ser Um camaleão... Rapte-me camaleoa Adapte-me ao seu Ne me quitte pas...

Ah, bruta flor do querer, ah, bruta flor, bruta flor Onde queres o ato eu sou o espírito e onde queres ternura eu sou tesão Onde queres o livre decassílabo e onde buscas o anjo eu sou mulher Onde queres prazer sou o que dói e onde queres tortura,mansidão Onde queres o lar, revolução e onde queres bandido eu sou o herói

A franja na encosta Cor de laranja Capim rosa chá O mel desses olhos luz Mel de cor ímpar O ouro ainda não bem verde da serra A prata do trem A lua e a estrela Anel de turquesa Os átomos todos dançam Madruga Reluz neblina Crianças cor de romã Entram no vagão O oliva da nuvem chumbo Ficando Pra trás da manhã E a seda azul do papel Que envolve a maçã As casas tão verde e rosa Que vão passando ao nos ver passar Os dois lados da janela E aquela num tom de azul Quase inexistente, azul que não há Azul que é pura memória de algum lugar Teu cabelo preto Explícito objeto Castanhos lábios Ou pra ser exato Lábios cor de açaí E aqui, trem das cores Sábios projetos: Tocar na central E o céu de um azul Celeste celestial

Meu fumo e minha ioga Você é minha droga Paixão e carnaval Meu zen, meu bem, meu mal MEU BEM, MEU MAL

Teu corpo combina com meu jeito, Nós dois fomos feitos muito pra nós dois.

“Cada um sabe a dor e a Delicia/De ser o que é...”

Olha pessoal da EMETEVE ; vergonha na cara ;vamos começar de novo e bota essa porra pra funcionar direito pra gente cantar nessa P*** ... respeito

Qualquer maneira de amor vale a pena Qualquer maneira de amor vale amar...

Para desintristecer Meu coração tão só, Basta encontrar você no caminho, Arrastando meu olhar como imã...

Minha mãe me deu ao mundo de maneira singular me dizendo uma sentença: pra eu sempre pedir licença, mas nunca deixar entrar.

Meu coração vagabundo quer guardar o mundo em mim.

A língua é minha pátria e eu não tenho pátria: tenho mátria/ E quero frátria...

De perto ninguém é normal.

De perto, ninguém é normal.

Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é... (da música Dom de Iludir)

Gente é pra brilhar, não pra morrer de fome.

Você me deixa a rua deserta Quando atravessa E não olha pra trás...