Sobre o Autor

Barão de Montesquieu

Escritor e filósofo francês, Montesquieu escreveu livros que influenciam até hoje a ciência política. É conhecido principalmente por sua teoria da separação dos poderes.

A liberdade é o direito de fazer tudo quanto as leis permitem: e, se um cidadão pudesse fazer o que elas proíbem, não teria mais liberdade porque os outros teriam idêntico poder

Qualquer povo defende sempre mais os costumes do que as leis.

A propriedade é uma cilada, o que julgamos possuir nos possui.

Em qualquer magistratura, é indispensável compensar a grandeza do poder pela brevidade da duração.

Quase todas as monarquias foram instituídas na ignorância das artes e destruídas porque as cultivaram demais.

Os privilégios devem ser para o Senado, competindo aos senadores o simples respeito.

Alguém a quem prestamos pequenos favores, esperando receber em troca favores maiores.

Não ser amada é uma desventura; mas deixar de sê-lo é uma afronta.

As leis, no sentido mais amplo, são as relações necessárias que derivam da natureza das coisas.

As leis conservam o crédito não porque sejam justas, mas porque são leis.

A honra quer dizer o preconceito de cada pessoa e de cada condição.

Os homens sentem uma grande atracção pela esperança e pelo receio, e uma religião sem inferno nem paraíso não poderia agradar-lhes de modo algum.

A luxúria é como a avareza: quantos mais tesouros tem, mais sôfrega se torna.

A liberdade é o direito de fazer tudo o que as leis consentem.

O estudo foi para mim o remédio soberano contra os desgostos da vida, não havendo nenhum desgosto de que uma hora de leitura me não tenha consolado.

A maior parte dos homens são mais capazes de grandes acções que de boas.

Uma coisa não é justa porque é lei, mas deve ser lei porque é justa.

Nada devemos fazer que não seja razoável; mas nada também de fazermos todas as coisas que o são.

Nas mulheres jovens, a beleza supre o espírito. Nas velhas, o espírito supre a beleza.

O desejo de igualdade levado ao extremo acaba no despotismo de uma única pessoa.

A luxúria é como a avareza: aumenta a sua própria sede com a aquisição de tesouros.

Todos os maridos são feios.

Não deve fazer-se pela via da lei o que pode fazer-se pelos costumes.

A própria virtude precisa de limites.

É uma infelicidade ser tão breve o intervalo que medeia entre o tempo em que se é jovem demais e o tempo em que se é velho demais.

Toda a grandeza, toda a força, todo o poder é relativo. É necessário ter bem presente que, ao procurar aumentar a grandeza real, se não diminua o verdadeiro poder.

Uma máxima admirável: nunca mais falar das coisas depois de elas já estarem feitas.

Verdade num tempo, erro num outro.

Os leões têm uma grande força, mas esta ser-lhes-ia inútil se a natureza lhes não tivesse dado olhos.

A honra tem assim, as suas regras supremas, e a educação é obrigada a respeitá-las. Os princípios são que nos é sem dúvida permitido preocuparmo-nos com a fortuna, mas que nos é absolutamente proibido fazer o mesmo com a nossa vida.