Sobre o Autor

André Gide

André Gide foi um escritor francês, fundador da revista Nouvelle Revue Française e da editora Gallimard. Considerado um dos intelectuais franceses de maior destaque.

Quando um filósofo completa uma resposta, já ninguém se lembra qual foi a pergunta.

A arte é a recaída de um fervor.

O eu é odioso, dizeis. Não o meu.

A maior necessidade deste mundo é de confiança e amor.

Invejar a felicidade alheia é loucura: não nos saberíamos servir dela. A felicidade não se quer de confecção, mas sob medida.

As coisas mais belas são as que a loucura sopra e que a razão escreve.

Um bom mestre tem sempre esta preocupação: ensinar o aluno a desenvencilhar-se sozinho.

Tantas pessoas que escrevem e tão poucas que lêem!

O apetite de saber nasce da dúvida. Deixa de acreditar e instrui-te!

É com bons sentimentos que se faz má literatura.

Não se descobrem novas terras sem se largar da vista a costa durante muito tempo.

Não se pode, ao mesmo tempo, ser sincero e parecê-lo.

A melancolia não passa de um entusiasmo que arrefece.

É preciso ter espirito para falar bem; para ouvir bem basta a inteligência.

Não pode haver senão vantagem num acordo e prejuízo num conflito.

Só há obra de arte à escala do homem.

As ações mais decisivas das nossas vidas são muitas vezes ações inconsideradas.

O mal nunca está no amor.

Não há problemas; apenas há soluções. O espírito de homem, depois, inventa o problema.

Em geral, consideram-se sinceros todos os rapazes com convicções e incapazes de criticar.

Como não falaria eu com dificuldade? Tenho coisas novas a dizer.

Chamo jornalismo a tudo o que será menos interessante amanhã do que hoje.

Os bons trabalhadores têm sempre a ideia de que ainda poderiam trabalhar mais.

Já escrevi e estou sempre disposto a voltar a escrever o seguinte, que se me afigura de uma evidente verdade: «É com os bons sentimentos que se faz a má literatura». Nunca disse, nem pensei, que só se fazia boa literatura com maus sentimentos.

Se um jovem escritor conseguisse abster-se de escrever, não deveria hesitar em o fazer.

Não te convenças de que a tua verdade possa ser encontrada por qualquer outro.

Há aquilo que se sabe e há aquilo que se ignora. Entre uma coisa e outra está aquilo que se supõe.

Todas as obras de arte são de acesso bastante difícil. Se um leitor as julga fáceis é porque não soube penetrar no coração da obra.

O homem sensato é aquele que se surpreende com tudo.

O que há de mais precioso de nós mesmos é o que fica por dizer.