Sobre o Autor

André Gide

André Gide foi um escritor francês, fundador da revista Nouvelle Revue Française e da editora Gallimard. Considerado um dos intelectuais franceses de maior destaque.

Não descobriremos terras novas se não nos atrevermos a perder de vista a margem durante longo tempo.

É melhor ser odiado pelo que você é do que ser amado pelo que você não é.

A liberdade é difícil de se alcançar, mas o que fazer com a liberdade é muito mais difícil.

Toda criatura indica deus, nenhuma o revela

A obra de arte é o exagero da idéia. (“The work of art is the exaggeration of the idea.”)

Tudo já foi dito uma vez, mas como ninguém escuta é preciso dizer de novo.

As coisas mais belas são as que inspira a loucura e escreve a razão.

A sabedoria não reside na razão mas no amor

O valor de uma coisa só depende da importância que damos a ela.

A personalidade dos grandes homens faz-se das suas incompreensões.

Toda criatura indica Deus, nenhuma o revela In: Os Frutos da Terra

Não gosto dos homens, gosto do que os devora.

Tudo quanto nós próprios descobrimos ou voltamos a descobrir são verdades vivas; a tradição convida-nos a aceitar somente os cadáveres da verdade.

Que a importância esteja no teu olhar, não naquilo que olhas.

Sinto em mim a imperiosa obrigação de ser feliz, mas toda felicidade obtida às custas dos outros me parece odiosa

Nada embriaga como o vinho da infelicidade.

Só o ateísmo pode pacificar o mundo de hoje.

Acredito na virtude dos pequenos números, o mundo será salvo por um punhado de homens.

Encontrar uma boa fórmula não basta, trata-se de não a abandonar.

Quem não sabe ser feliz em nada pode contribuir para a felicidade.

A experiência ensina mais seguramente que o conselho.

Nada torna um rosto mais impenetrável do que a máscara da bondade.

Quando já não me indignar, terei começado a envelhecer.

As coisas apenas valem pela importância que lhes damos.

É próprio do amor (...) ser obrigado a aumentar, sob pena de enfraquecer.

É em nome da fé que se mata.

As coisas mais belas são ditadas pela loucura e escritas pela razão.

Passamos três quartos da vida a preparar a felicidade. Mas quantos gozam o último quarto?.

Só nas horas de ócio se fazem coisas excelentes.

Para bem julgarmos é preciso afastarmo-nos daquilo que julgamos, depois de havermos estimado. Isto é verdade quanto aos países, aos seres e nós próprios.