Livros de Amado Nervo

Sobre o Autor

Amado Nervo

Amado Nervo, pseudônimo de Juan Crisóstomo Ruiz de Nervo (27 de agosto de 1870 - 24 de maio de 1919), poeta mexicano.

Melhores Livros de Amado Nervo

Já bem perto do ocaso, eu te bendigo, ó Vida, Porque nunca me deste esperança mentida, Nem trabalhos injustos, nem pena imerecida. Porque vejo, ao final de tão rude jornada, Que a minha sorte foi por mim mesmo traçada; Que, se extraí os doces méis ou o fel das cousas, Foi porque as adocei ou as fiz amargosas; Quando eu plantei roseiras, eu colhi sempre rosas. Decerto, aos meus ardores, vai suceder o inverno: Mas tu não me disseste que maio fosse eterno! Longas achei, confesso, minhas noites de penas; Mas não me prometeste noites boas, apenas E em troca tive algumas santamente serenas… Fui amado, afagou-me o Sol. Para que mais? Vida, nada me deves. Vida, estamos em paz!

Muy cerca de mi ocaso, Yo te bendigo vida, Porque nunca me diste Ni trabajos injustos Ni pena inmerecida Porque veo al final de mi rudo camino Que yo fui el arquitecto de mi propio destino Ame, Fui amado, el sol acaricio mi faz... Vida nada me debes, vida... Estamos en paz.

Se você nunca teve um grande sucesso, não sabe ainda o que vale. O sucesso é a pedra de toque das grandes personalidades.

Se nunca tiveste um grande êxito, não sabes o que vales; o êxito é a pedra de toque do caráter

Aqueles que amamos nunca morrem, apenas partem antes de nós.