Sobre o Autor

Alphonse de Lamartine

Alphonse Marie Louise Prat de Lamartine (21 de outubro de 1790 - 28 de fevereiro de 1869); foi um escritor, poeta e político francês.

O verdadeiro amor é o fruto maduro de toda uma vida.

Uma nuvem sobre a alma cobre e descobre muito mais a terra, do que uma nuvem no horizonte.

A preocupação de cada dia em cada dia basta.

Ainsi toujours poussés vers de nouveaux rivages, Dans la nuit éternelle emportés sans retour, Ne pourrons-nous jamais sur locéan des âges Jeter lancre un seul jour?

O Homem não tem porto, o tempo não tem margem; / ele corre e nós passamos!

O homem é Deus pelo pensamento.

Há grandeza mais verdadeira numa boa ação do que num bom poema ou numa grande vitória.

As nossas únicas verdades, homem, são as nossas dores.

Um único ser nos falta, e fica tudo deserto.

É a cinza dos mortos que cria a pátria.

Não há homem completo que não tenha viajado muito, que não tenha mudado vinte vezes de vida e de maneira de pensar.

Eu sou da cor daqueles que são perseguidos.

Amei e fui amado; tal basta para o meu túmulo.

Eis a natureza que te convida e te ama; mergulha no seu seio que ela constantemente te oferece.

O egoísmo e o ódio têm uma só pátria. A fraternidade não a tem.

A coragem é a primeira das eloquências, é a eloquência do carácter.

Não pode haver glória onde não existe virtude.

Estou farto de museus, cemitérios de arte.

Beleza, presente de um dia que o Céu nos oferece.

Admiramos o mundo através do que amamos.

O primeiro sulco aberto na terra pelo homem selvagem foi o primeiro ato de civilização.

Aqueles que nós definimos como os nossos dias mais belos não são mais do que um brilhante relâmpago numa noite de tempestade.

Um só desejo basta para povoar um mundo.